LABORATÓRIO DE EXERGAMES: UM ESPAÇO COMPLEMENTAR PARA AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Mateus David Finco, Eliseo Berni Reategui, Milton Antonio Zaro

Resumo


Este artigo apresenta um estudo sobre o uso de exergames em práticas estruturadas em aulas de Educação Física envolvendo estudantes que geralmente apresentam sinais de insatisfação com atividades esportivas propostas nas aulas regulares da disciplina. Enquanto os videogames foram historicamente associados a problemas como obesidade e introversão social, os exergames trouxeram uma nova perspectiva para esses artefatos culturais. Vinte e quatro alunos entre oito e 14 anos de idade participaram do estudo, realizado em um laboratório criado em uma escola no sul do Brasil. Os alunos foram observados e seus professores de Educação Física entrevistados ao final do projeto. Como resultado, foi possível observar que os estudantes que normalmente não demonstravam interesse pelas aulas de Educação Física passaram a apresentar uma atitude positiva em relação às práticas com os exergames, evidenciando também sua disposição em colaborar com os colegas.

 


Palavras-chave


Jogos de vídeo. Comportamento cooperativo. Relações interpessoais.

Texto completo:

PDF-POR PDF-ENG (English)


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.52435



 

 


Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                                      

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment