EXERCÍCIOS FÍSICOS NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: UM ESTRANHO NO NICHO DA CULTURA CORPORAL DE MOVIMENTO

Giliane Dessbesell, Alex Branco Fraga

Resumo


O artigo trata das controvérsias em torno da autonomia concedida ao tema exercício físico na primeira versão da BNCC e seu reposicionamento como subtema das ginásticas na segunda e terceira versões. Ele está teórica e metodologicamente sustentado na análise de discurso foucaultiana (AD) e usa como materialidade empírica as três versões da BNCC, as contribuições da consulta pública promovida pelo MEC entre setembro de 2015 e março de 2016 e os pareceres dos leitores críticos. Parte-se do pressuposto de que tal debate remonta disputas de longa data entre as vertentes culturalista e físico-sanitária da Educação Física brasileira sobre as finalidades dessa disciplina na escola. Conclui-se que os programas de exercícios físicos são manifestações da cultura corporal de movimento, que devem estar alinhados ao rol de temas da Educação Física pelos mesmos critérios já aplicados aos demais conteúdos escolares em documentos desta natureza.

 


Palavras-chave


Educação Física. Exercício Físico. Currículo.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.92736

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 


Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                                      

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment