Análise das influências intelectuais na produção científica da área de Ciência da Informação: um estudo sobre os bolsistas de produtividade em pesquisa (PQ-CNPq)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245230.115-141

Palavras-chave:

Produtividade em Pesquisa. Ciência da Informação. Análise de Citações. Influências Intelectuais. Cientometria.

Resumo

Busca investigar as bases intelectuais dos bolsistas de produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da área de Ciência da Informação por meio das suas citações. Para compor o corpus do estudo, elege a Base Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação, considerando o recorte temporal de 1972 até 2015. Adota como procedimentos metodológicos: (1) identificação dos bolsistas de produtividade em pesquisa da área de Ciência da Informação; (2) coleta de dados na Base Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação (registros acrescidos das referências); (3) processamento dos dados, por meio de sua padronização, arrolamento e classificação no software VantagePoint; e (4) análise e apresentação de relações entre os citantes, os citados e os temas. Apresenta entre os principais resultados as obras de Castells (1999), Dahlberg (1978), Wersig (1993) e Meadows (1999) como as mais referenciadas pelos pesquisadores estudados. Ao recortar as 35 obras mais citadas, observa que aproximadamente 2/3 são de origem estrangeira, o que demonstra o peso da literatura internacional como referencial do grupo. Constata que 11 das 35 obras mais citadas (31,4%) são dos próprios bolsistas de produtividade em pesquisa da área de Ciência da Informação, sendo que 60,6% das citações a essas obras são realizadas pelos congêneres de bolsa, o que sugere a existência de reconhecimento mútuo entre os pares. Por fim, verifica que Tecnologias da Informação e Comunicação, Biblioteca, Indexação e Bibliometria são os temas mais representativos, e que a obra de Dahlberg (1978) é a de maior influência nos trabalhos ligados às Ontologias e à Organização do Conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leilah Santiago Bufrem, Docente da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Docente do PPGCI/UFPE

Bolsista de Produtividade em Pesquisa 1D - CA AC; Orientadora de Doutorado; Doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo.

Fábio Mascarenhas e Silva, Docente da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Docente do PPGCI/UFPE

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo (USP)

Docente do Departamento de Ciência da Informação da UFPE e do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação (UFPE)

Natanael Vitor Sobral, Universidade Federal da Bahia

Mestre em Ciência da Informação pela UFPE e Doutorando em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia. Bolsista da Capes.

Referências

ANDRAOS, J. Scientific genealogies of physical and mechanistic organic chemists. Canadian Journal of Chemistry, Ottawa, v. 83, n. 9, p. 1400-1414, 2005.

ARAÚJO, C. A. A. et al. A ciência da informação na visão dos professores e pesquisadores brasileiros. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 17, n. 2, p. 95-108, 2007. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/637>. Acesso em: 10 set. 2016.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1987. 361 p.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J.-C.; CHAMBOREDON, J. C. Le métier de sociologue. Paris: Mouton-Bordas, 1969. 328 p.

BRAGA, G. M. Informação, ciência, política científica: o pensamento de Derek de Solla Price. Ciência da Informação, Brasília, v. 3, n. 2, p. 155-177, 1974.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Critérios de Julgamento dos Comitês de Assessoramento. 2015. Disponível em: <http://cnpq.br/criterios-de-julgamento>. Acesso em: 1 abr. 2016.

BURKE, P. A social history of knowledge II: from the encyclopaedia to Wikipedia. Cambridge: Polity, 2012.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, M. Relative ranking of a selected pool of leading communication scholars by number of citations in the Social Science Citation Index, 2000-2015. 2016a. Disponível em: <http://www.manuelcastells.info/sites/default/files/citation_index_comm_en.pdf>. Acesso em: 10 set. 2016.

CASTELLS, M. Relative ranking of a selected pool of leading scholars in the social sciences by number of citations in the Social Science Citation Index, 2000-2015. 2016b. Disponível em:

<http://www.manuelcastells.info/sites/default/files/citation_index_social_science_en.pdf>.Acesso em: 10 set. 2016.

DAHLBERG, I. Knowledge organization: its scopes and possibilities. Knowledge organization, Frankfurt, n. 20, p. 211-222, 1993.

DAHLBERG, I. Teoria do conceito. Ciência da Informação, Brasília, v. 7, n. 2, p. 101-107, 1978.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: porque só a tecnologia não basta na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

FRANCK, G. Scientific communication: a vanity fair? Science, Washington, v. 286, n. 5437, p. 53-55, 1999. Disponível em: <http://science.sciencemag.org/content/286/5437/53>. Acesso em: 1 jul. 2016.

FREITAS, J. L.; NASCIMENTO, B. S.; BUFREM, L. S. A organização do conhecimento na dinâmica da pesquisa em artigos da literatura científica da Brapci. Transinformação, Campinas, v. 26, n. 3, p. 295-303, 2014. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/2633>. Acesso em: 10 set. 2016.

GARFIELD, E. Citation indexes for science: a new dimension in documentation through association of ideas. Science, Washington, v. 122, n. 3159, p. 108-111, 1955.

GUIMARÃES, J. A. C. Perspectivas de ensino e pesquisa em organização do conhecimento em cursos de biblioteconomia: uma reflexão. In: CARRARA, K. (Org.). Educação, universidade e pesquisa. Marília: Unesp-Marília-Publicações; São Paulo: FAPESP, 2001. p. 61-74.

HUTSON, S. R. Self-citation in archaeology: age, gender, prestige, and the self. Journal of Archaeological Method and Theory, [S.l.], v. 13, n. 1, p. 1-18, 2006.

IKEDA, M. et al. An intellectual genealogy graph: affording a fine prospect of organizational learning. In: WORKSHOP ON KM & OM, 2002. Proceedings... [S.l.: s.n.], 2002. p. 81-87. Disponível em:

<http://www-sop.inria.fr/acacia/WORKSHOPS/ECAI2002-OM/Actes/ActesECAI2002-OM.pdf#page=81>. Acesso em: 20 jul. 2016.

JORDAN, K. Visualising the academic genealogy of the Institute of Educational Technology. [S.l.]: The Open University, 2016. Disponível em:

<https://www.researchgate.net/profile/Katy_Jordan/publication/304570870_Visualising_the_academic_genealogy_of_the_Institute_of_Educational_Technology/links/57739b0d08aeb9427e23dd72.pdf?origin=publication_detail>. Acesso em: 20 jul. 2016.

KROEFF, M. S. et al. Análise de citações dos artigos publicados em periódicos da área da ciência da informação que versam sobre gestão da informação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 41-65, jul. 2015. Disponível em: <https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/301/397>. Acesso em: 15 set. 2016.

LLOYD, C. As estruturas da história. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

LUBEK, I. et al. Faculty genealogies in five canadian universities: historic‐graphical and pedagogical concerns. Journal of the History of the Behavioral Sciences, New York, v. 31, n. 1, p. 52-72, 1995.

MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cientometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p. 134-140, maio/ago.,1998.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 1999.

MENA-CHALCO, J. P. Genealogia acadêmica: uma ferramenta para investigar a origem, evolução e disseminação de áreas do conhecimento. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE BIBLIOMETRIA E CIENTOMETRIA, 5., 2016, São Paulo. [Workshop] . São Paulo: ECA/USP, 2016. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/305082103_Genealogia_academica_uma_ferramenta_para_investigar_a_origem_evolucao_e_disseminacao_de_areas_do_conhecimento?channel=doi&linkId=5781059608ae5f367d392783&showFulltext=true>. Acesso em: 20 jul. 2016.

MONTOYE, H. J.; WASHBURN, R. Research quarterly contributors: an academic genealogy. Research Quarterly for Exercise and Sport, Washington, v. 51, n. 1, p. 261-266, 1980.

RADNITZKY, G. Fundamental schools of metascience. Göteborg: Akademiforlaget, 1970.

ROSSI, L.; MENA-CHALCO, J. P. Caracterização de árvores de genealogia acadêmica por meio de métricas em grafos. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, 34., 2014, Brasília. Anais... Brasília: SBC, 2014. p. 21-32. Disponível em: <http://www.each.usp.br/digiampietri/BraSNAM/2014/p02.pdf>. Acesso em: 1 jul. 2016.

RUSSELL, T. G.; SUGIMOTO, C. R. MPACT family trees: quantifying academic genealogy in library and information science. Journal of Education for Library and Information Science, Seattle, v. 50, n. 4, p. 248-262, 2009.

SAFER, M. A.; TANG, R. The psychology of referencing in psychology journal articles. Perspectives on Psychological Science, Washington, v. 4, n. 1, p. 51-53, 2009.

SARACEVIC, T. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996.

SILVEIRA, M. A. A. et al. Domínios científicos da ciência da informação representados no GT 7 do Enancib: análise das citações (2007-2012). Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, João Pessoa, v. 6, n. 2, p. 1-16, 2013. Disponível em: <http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewArticle/111>. Acesso em: 1 jul. 2016.

SIRINELLI, J-F. Os intelectuais. In: RÉMOND, R. Por uma história política. Tradução Dora Rocha. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2003. p. 231-270.

SMITH, R. Commentary: the power of the unrelenting impact factor: is it a force for good or harm? International Journal of Epidemiology, Oxford, v. 35, n. 5, p. 1129-1130, 2006. Disponível em: <http://ije.oxfordjournals.org/content/35/5/1129.full.pdf>.

Acesso em: 1 jul. 2016.

SUGIMOTO, C. R. Academic genealogy. In: CRONIN, B.; SUGIMOTO, C. R. (Ed.). Beyond bibliometrics: harnessing multidimensional indicators of scholarly impact. Cambridge: The MIT Press, 2014. cap. 19, p. 365-382.

SUGIMOTO, C. R. et al. Academic genealogy as an indicator of interdisciplinarity: an examination of dissertation networks in library and information science. Journal of the American Society for Information Science and Technology, New York, v. 62, n. 9, p. 1808-1828, 2011.

WERSIG, G. Information science: the study of postmodern knowledge usage. Information Processing & Management, [S.l], v. 29, n. 2, p. 229-239, 1993.

Downloads

Publicado

2017-01-27

Como Citar

BUFREM, L. S.; SILVA, F. M. e; SOBRAL, N. V. Análise das influências intelectuais na produção científica da área de Ciência da Informação: um estudo sobre os bolsistas de produtividade em pesquisa (PQ-CNPq). Em Questão, Porto Alegre, v. 23, p. 115–141, 2017. DOI: 10.19132/1808-5245230.115-141. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/68087. Acesso em: 3 jun. 2023.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)