Estratégias de Privatização da Educação Infantil em Ribeirão Preto e as Resistências

Bianca Correa, José Marcelino de Rezende Pinto, Teise de Oliveira Guaranha Garcia

Resumo


O artigo problematiza a privatização da gestão da educação infantil, bem como suas decorrências para o financiamento da educação. A opção política por assegurar o oferecimento de vagas na educação infantil por meio da transferência da gestão a diversas instâncias privadas é histórica no Brasil. Este texto, entretanto, tratará especificamente da transferência da gestão e do financiamento público a entidades privadas por meio de chamamentos públicos/editais e convites específicos para a escolha do ente privado a ser “parceiro” do poder público municipal e as consequências para a concretização do direito à educação infantil de qualidade. A fim de atingir os objetivos propostos, descreveu-se e analisou-se o processo de privatização na gestão de creches a partir de 2019. O estudo indica clara intencionalidade da administração pública em se desonerar da gestão na educação infantil, privatizando até mesmo o segmento para o qual não há demanda reprimida.


Palavras-chave


Educação Infantil. Privatização. Financiamento da Educação. Gestão Educacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, T. Dimensões e Formas da Privatização da Educação no Brasil: caracterização a partir de mapeamento de produções nacionais e internacionais. Currículo sem Fronteiras, v. 18, p. 8-28, 2018.

ALVES, T.; PINTO, J. M. R Remuneração e características do trabalho docente no brasil: um aporte. Cadernos de Pesquisa, Campinas, v. 41 n. 143, p. 606-639, maio/ago. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v41n143/a14v41n143.pdf. Acesso em: 28 mar. 2021.

ARELARO, L. A não-transparência nas relações público-privadas: o caso das creches conveniadas. In: ADRIÃO, T.; PERONI, V. Público e privado na educação: novos elementos para o debate. São Paulo: Xamã, 2008. p. 51-66.

BORGHI, R.; ADRIÃO, T.; GARCIA, T. As parcerias público-privadas para a oferta de vagas na educação infantil: um estudo em municípios paulistas. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 231, p. 124-138, 2011. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/rbep/article/view/3621. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm Acesso em: 03 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 1996a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 30 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no art. 60, § 7º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1996b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9424.htm. Acesso em: 5 maio 2021.

BRASIL. Lei nº. 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos artigos 29, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, Brasília, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11274.htm. Acesso em 20 fev. 2021.

BRASIL. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei n o 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11494.htm. Acesso em: 30 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014. Estabelece o regime jurídico das parcerias entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público e recíproco, mediante a execução de atividades ou de projetos previamente estabelecidos em planos de trabalho inseridos em termos de colaboração, em termos de fomento ou em acordos de cooperação; define diretrizes para a política de fomento, de colaboração e de cooperação com organizações da sociedade civil; e altera as Leis nº 8.429, de 2 de junho de 1992, e 9.790, de 23 de março de 1999. (Redação dada pela Lei nº 13.204, de 2015). Diário Oficial da União, Brasília, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13019.htm. Acesso em 30 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.935, de 11 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a prestação de serviços de psicologia e de serviço social nas redes públicas de educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13935.htm Acesso em: 20 fev. 2021.

CAMPOS, M. M. As organizações não governamentais e a educação pré-escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 67, p. 17-22, nov. 1988.

CARREIRA, D.; PINTO, J. M. R. Custo Aluno-Qualidade Inicial: rumo à educação pública de qualidade no Brasil. São Paulo: Ed. Global; Campanha Nacional pelo Direito à Educação, 2007.

CHIUZULI, D. R. Efeitos da judicialização da educação infantil em creche: uma análise a partir do contexto do Município de Ribeirão Preto. 2020. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2020.

CORREA, B. A gestão da educação infantil em 12 municípios paulistas. FINEDUCA – Revista de Financiamento da Educação, v. 8, n. 2, 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/fineduca/article/view/78020. Acesso em: 21 mar. 2021.

COSTA, B. A.; BORGHI, R. F. O atendimento da educação infantil via conveniamento: um estudo das justificativas municipais. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, FURB, v. 8, p. 1019-1032, 2013.

CURY, C. A. J. O Público e o privado na história da educação brasileira: concepções e práticas educativas. In: LOMBARDI, J. C.; JACOMELI, M. R. M.; SILVA, T. M. T. (Org.). O público e o privado na história da educação brasileira: concepções e práticas educativas. Campinas: Autores Associados; Histedbr; Unisal, 2005.

DOMICIANO, C. Cogestão, democratização e privatização de equipamentos públicos de educação infantil: conceitos em disputa. Educação, Santa Maria, v. 45, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/38644/pdf. Acesso em: 6 maio 2021.

DUARTE Nogueira, do PSDB, é eleito prefeito de Ribeirão Preto, SP. G1, São Paulo, 30 out. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/eleicoes/2016/noticia/2016/10/duarte-nogueira-do-psdb-e-eleito-prefeito-de-ribeirao-preto-sp.html. Acesso em: 15 mar. 2021.

FRANCO, D. S. As creches na educação paulistana (2002-2012). 2015. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/305012. Acesso em: 30 jul. 2021.

FRANCO, D. S.; DOMICIANO, C. A.; ADRIÃO, T. Privatização das creches em São Paulo e seus efeitos sobre a qualidade da oferta. Teoria e Prática da Educação, v. 22, p. 80-96, 2019. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/50491. Acesso em: 15 mar. 2021.

FRANCO, M. A C. Lidando pobremente com a pobreza. In: ROSEMBERG, F. (Org.). Creche. São Paulo: Cortez; FCC, 1989. p. 179-216.

GARCIA, T. Incidência do setor privado na dimensão da gestão educacional na educação básica. In: GARCIA, T; ADRIÃO, T. (Org.). Incidência do setor privado na dimensão da gestão educacional na Educação Básica: programas e atores (2005-2015). V. 1. Curitiba: CRV, 2018. p. 53-63. Disponível em: https://www.greppe.fe.unicamp.br/pt-br/producoes?pgsql_combine_filter_views=+garcia&field_autor_value=&field_tipo_value=Livro. Acesso em: 6 maio 2021.

GARCIA, T.; ADRIÃO, T.; BORGHI, R. A Nova Gestão Pública e o contexto brasileiro. In: MARTINS, A. (Org.). Instituições educacionais: políticas, gestão e práticas profissionais. V. 1. Santos: Editora Leopoldianum; Universidade Católica de Santos, 2009. p. 9-23.

JOHANSEN, C. C. A interiorização da assistência à infância e a experiência do Asylo de Orphans Anália Franco em Ribeirão Preto (1901-1925). 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017.

KUHLMANN JR., M. Infância e educação infantil: Uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

KUHLMANN JR., M. Educando a infância brasileira. In: LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 469-496.

LABORATÓRIO DE DADOS EDUCACIONAIS. Site. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2021. Disponível em: https://dadoseducacionais.c3sl.ufpr.br/#/. Acesso em: 30 jul. 2021.

OLIVEIRA, J. S.; BORGHI, R. Arranjos institucionais entre o poder público municipal e instituições privadas para a oferta de vagas na educação infantil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (Impresso), v. 94, p. 151-167, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S217666812013000100008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 30 abr. 2021.

OLIVEIRA, J. S. O atendimento público e privado concessionário na educação infantil: um olhar sobre as condições de oferta. 2013. 198 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, Rio Claro, 2013.

PINTO, J. M. R. Dinheiro traz felicidade? A relação entre insumos e qualidade na educação. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 22, p. 19, 2014.

PINTO, J. M. R. A política de fundos no Brasil para o financiamento da educação e os desafios da equidade e qualidade. Propuesta Educativa (Online), v. 52, p. 24-40, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010173302007000300012&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 abr. 2021.

PINTO, J. M. R.; ALVES, T. O impacto financeiro da ampliação da obrigatoriedade escolar no contexto do FUNDEB. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 36, p. 605-624, 2011.

PURIFICAÇÃO, R. F. Gestão da educação infantil: uma análise da evolução das matrículas em Ribeirão Preto entre 2009 e 2014. Monografia (Graduação em Filosofia) – Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2017.

RIBEIRÃO PRETO. Ministério Público. Ata Síntese de Audiência. PAA 14.1149.0000022.2017. Ribeirão Preto, 18 ago. 2017.

RIBEIRÃO PRETO. Lei nº 14.370, de 26 de julho de 2019. Dispõe sobre a qualificação de entidades sem fins lucrativos como organizações sociais de educação, para atuarem na educação infantil, primeira etapa da educação básica, nas escolas especificas conforme relação, e dá outras providências. Diário Oficial do Município, Ribeirão Preto, 2019a. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/legislacao-municipal/pesquisa/lei/39298. Acesso em: 30 jul. 2021.

RIBEIRÃO PRETO. Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto. Secretaria Municipal de Educação. Referencial Curricular da Rede Municipal de Ribeirão Preto. 2019b. p. 473. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/files/seducacao/pdf/referencial-curricular.pdf. Acesso em: 2 abr. 2021.

RIBEIRÃO PRETO. Edital de chamamento público nº 01/2020: seleção de Organizações da sociedade Civil. OSC 2020. Disponível em: http://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/files/seducacao/pdf/202001-edital-chamamento-atualizado.pdf. Acesso em: 22 fev. 2021.

RIBEIRÃO PRETO. Comunicado edital de chamamento nº 01/2020. Ribeirão Preto, 2021a. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/files/seducacao/terceiro/ts-nulidade.pdf. Acesso em: 4 abr. 2021.

RIBEIRÃO PRETO. Parceria com a Prefeitura Municipal em novas unidades escolares. Ribeirão Preto, 2021b. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/files/seducacao/terceiro/ts-convite.pdf. Acesso em: 3 abr. 2021.

RIBEIRÃO PRETO. Conselho Municipal de Educação. Relatório da Comissão de Estudos sobre parcerias com o 3º setor. Aprovado na 4ª Sessão Extraordinária do CME realizada em dia 24/03/2021. Ribeirão Preto, 2021c.

RIBEIRÃO PRETO. Secretaria de Educação. Parcerias com o Terceiro Setor-Portal. Ribeirão Preto, 2021d. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/portal/educacao/parcerias-com-o-terceiro-setor. Acesso em: 15 mar. 2021.

ROCHA, L. P. Atendimento Educacional em Creches Conveniadas: Estudo sobre oferta de vagas no município de Ribeirão Preto. 2015. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2015.

ROSEMBERG, F. Educação infantil pós-FUNDEB: avanços e tensões. In: SEMINÁRIO EDUCAR NA INFÂNCIA: PERSPECTIVAS HISTÓRICO-SOCIAIS, 2007, Curitiba. Mimeo. Curitiba, ago. 2007. Disponível em: http://www.diversidadeducainfantil.org.br/PDF/Educa%C3%A7%C3%A3o%20infantil%20p%C3%B3s-FUNDEB%20avan%C3%A7os%20e%20tens%C3%B5es%20-%20F%C3%BAlvia%20Rosemberg.pdf. Acesso em: 25 mar. 2020.

SUSIN, M. O. K. O estatal e o público não-estatal: onde está a educação infantil comunitária em Porto Alegre? In: ADRIÃO, T.; PERONI, V. Público e privado na educação: novos elementos para o debate. São Paulo: Xamã, 2008. p. 67-78.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

Não há taxas para submissão, avaliação e publicação de artigos.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.