EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: COMO PAGAR A CONTA?

Autores

  • Ionara Soveral Scalabrin Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense

Palavras-chave:

Educação em tempo integral, Modelos de ampliação do tempo educativo, Políticas de financiamento educacional

Resumo

O presente artigo problematiza a educação em tempo integral, que vem sendo discutida no meio político e acadêmico como uma das alternativas para superar a baixa qualidade do ensino público na educação básica. O texto retoma questões em relação à universalização do acesso ao ensino fundamental e ao descompasso entre quantidade e qualidade do ensino público. Apresentam-se, brevemente, o ordenamento constitucional-legal brasileiro em relação à ampliação do tempo educativo e dois modelos de educação em tempo integral que vem sendo adotados pelos sistemas de ensino: tempo integral na escola e tempo integral em espaços educativos. Por fim, aborda a questão do financiamento público para esta modalidade de ensino, concluindo pela necessidade de maior investimento para que a ampliação quantitativa acompanhe a ampliação qualitativa da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Texto promulgado em 05 de outubro de 1988. Brasília, DF, 1998.

_____. Emenda Constitucional n. 20, de 15 de dezembro de 1998. Modifica o sistema de previdência social, estabelece normas de transição e dá outras providências. Disponível em: <http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/30/1998/20.htm> Acesso em 01 jun. 2011.

_____. Emenda Constitucional n. 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc59.htm> Acesso em 01 jun. 2011.

_____. Lei Federal n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996.

_____. Lei n. 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei no 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/Lei/L11494.htm> Acesso em 01 jun. 2011.

_____. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2001.

_____. Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005. Altera os arts. 6o, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11114.htm> Acesso em 01 jun. 2011.

CAVALIERI, Ana Maria. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 51-63, abr. 2009. Disponível em: <http://www.rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/1470/1219> Acesso em 04 abr. 2011.

CAVALIERI, Ana Maria. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1015-1035, out. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a1828100.pdf> Acesso em 04 abr. 2011.

COELHO, Lígia Martha Coimbra da Costa; MENEZES, Janaína Specht da Silva. Tempo integral no ensino fundamental: ordenamento constitucional-legal em discussão. Disponível em: <http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/trabalhos/GT13-3193--Int.pdf> Acesso em 10 jun. 2011.

GENTILI, Pablo. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. Petrópolis: Vozes, 1998.

_____. Educação. In: SADER, Emir; JINKINGS, Ivana (coord.). Latinoamericana: enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. Rio de Janeiro: LPP/UERJ: Boitempo Editorial, 2006.

Downloads

Publicado

2012-11-21

Edição

Seção

Artigos