Banco Mundial e as Recomendações Atuais para as Políticas Educacionais no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Banco Mundial. Políticas Educacionais. Reformas Educacionais.

Resumo

Este texto tem como objetivo apresentar as recomendações do Banco Mundial (BM), no campo da influência nos ditames das políticas educacionais em vigência, a fim de evidenciar se essas recomendações têm sido propaladas em documentos atuais encomendados pelo governo brasileiro, delineados em leis, ações e programas da educação. Trata-se de um estudo exploratório sobre o tema, no qual, por meio de uma análise crítica e documental, analisa-se o alcance da influência dessa agência, mediante o contexto de intensificação do neoliberalismo, com vistas a inquirir como estão sendo assentadas essas recomendações na prática dos sistemas educacionais e como tem sido o delineamento das atuais reformas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jani Alves da Silva Moreira, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá/PR

Jani Alves da Silva Moreira é doutora em Educação (UEM). Docente Adjunto do Programa de Pós-graduação em Educação (PPE) e do Departamento de Teoria e Prática da Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Líder do Grupo de estudos e pesquisas em políticas educacionais, gestão e financiamento da educação (GEPEFI/CNPq).

Telma Adriana Pacifico Martineli, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá/PR

Telma Adriana Pacifico Martineli é Doutora em Educação (UEM). Docente Adjunto do do Programa de Pós-graduação em Educação (PPE) e doDepartamento de Educação Física (DFE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Políticas e Práticas Pedagógicas da Cultura Corporal.

Renata Valério da Silva, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá/PR

Renata Valério da Silva é Mestranda em Educação (PPE/UEM). Graduada em Pedagogia (UEM). Bolsista CAPES. Estudante do Grupo de estudos e pesquisas em políticas educacionais, gestão e financiamento da educação (GEPEFI/CNPq).

Carolina de Moura Vasconcelos, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá/PR

Carolina de Moura Vasconcelos é Mestranda em Educação (PPE/UEM). Graduada em Educação Física (UEM). Bolsista CAPES. Estudante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Políticas e Práticas Pedagógicas da Cultura Corporal.

Referências

ALTMANN, H. Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, jan./jun. 2002.

AMARAL, N. C. Uma análise do documento “Um Ajuste Justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”. Goiás: UFG, 2017.

AVRITZER, L. O pêndulo da democracia no Brasil: uma análise da crise 2013-2018. Revista Novos Estudos, ¬¬CEBRAP, São Paulo¬¬, v. 37, n. 02, p. 273-289 ¬¬ maio/ago. 2018. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/nec/v37n2/1980-5403-nec-37-02-273.pdf>. Acesso em: 25 maio 2019.

BALL, S. J. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça Social, pesquisa e política educacional. In: MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 303‐318, jan./abr. 2009.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion: Examen Del Banco Mundial. Washington, 1995.

BANCO MUNDIAL. Guia prático da governança corporativa: experiências do círculo de companhias da América Latina. 2009.

BANCO MUNDIAL. Banco internacional para a reconstrução e o desenvolvimento e corporação financeira internacional: estratégia de parceria de país para a república federativa do Brasil exercícios fiscais (2012 a 2015). 2011.

BANCO MUNDIAL. Retomando o caminho para a inclusão, o crescimento e a sustentabilidade. 2016.

BANCO MUNDIAL. Um Ajuste Justo: Análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Washington, 2017.

BANCO MUNDIAL. Por um ajuste justo com crescimento compartilhado: uma agenda de reformas para o Brasil, 2018.

BANCO MUNDIAL. Office of executive diretor – EDS21. 2019.

BORGES, André. Governança e política educacional: a agenda recente do Banco Mundial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 52, 2003.

BRASIL DEBATE. FUNDAÇÃO FRIEDRICH EBERT. Austeridade e retrocesso: impactos sociais da política fiscal no Brasil. São Paulo. 2018. Disponível em: <http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/14632.pdf>. Acesso em: 25 maio 2019.

BRASIL. Plano Nacional de Educação 2014-2024: Linha de base. Brasília, DF: Inep, 2015.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 15 de setembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, Senado Federal, 2016.

CARDOZO, M. J. P. B. Crise do capital: ajuste estrutural e as reformas educacionais propostas pelo Banco Mundial, 2005.

CASIMIRO, F. H. A nova direita no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

CASTRO, M. H. G. Sistemas de Avaliação da Educação no Brasil: avanços e novos desafios. Perspectivas, São Paulo, n. 1, v. 23, 2009.

DE BONIS, D. Políticas de remuneração variável na educação pública brasileira: uma análise comparada. Revista Temas de Administração Pública, Araraquara, v. 10, n. 1, p.67-86, 2015.

FONSECA, M. O financiamento do Banco Mundial à educação brasileira: vinte anos de cooperação internacional. In: DE TOMMASI, L.; WARDE M. J.; HADDAD, S. O Banco Mundial e as políticas educacionais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003. p. 229-251.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FUNDAÇÃO ULYSSES GUIMARÃES; PMDB. Uma ponte para o futuro. 2016. Disponível em: <http://www.fundacaoulysses.org.br/wp-content/uploads/2016/11/UMA-PONTE-PARA-O-FUTURO.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2019.

GAJARDO, M. Reformas educativas en América Latina balance de una década. In: PREAL, 15., 1999, Santiago. Documento de Trabajo. Santiago de Chile, set. 1999.

JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 61-67.

KRAWCZYK, N. A sustentabilidade da reforma educacional em questão: aposição dos organismos internacionais. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 43-62, 2002.

LEHER, R. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para alívio da pobreza. 1998. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

LEHER, R. Um Novo Senhor da Educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 19-30, 1999.

LUCENA, C.; PREVITALI, F. S.; LUCENA, L. A crise da democracia brasileira. Uberlândia: Editora Navegando, 2017.

MOREIRA, J. A. S. Políticas Públicas para a educação infantil no Brasil (1990-2001). Maringá: EDUEM, 2012.

MOREIRA, J. A. S. Políticas de Financiamento e Gestão da Educação Básica (1990-2010): os casos Brasil e Portugal. Maringá: EDUEM, 2015.

MOREIRA, J. A. S. Reformas educacionais e políticas curriculares para a educação Básica: prenúncios e evidências para uma resistência ativa. Revista Germinal, v. 10, n. 02, p. 199-213, 2018.

NASCENTES, Ana Luisa; SALINET, Maria Fernanda. O labirinto das verbas para a educação. Zero. Jornal-laboratório do curso de Jornalismo da UFSC, Florianópolis, 2017. Disponível em: <https://medium.com/@zeroufsc/o-labirinto-das-verbas-para-a-educa%C3%A7%C3%A3o-47648d8ce3da>. Acesso em: 25 maio 2019.

PANSARDI, M. V. A Formação de Professores e o Banco Mundial. Caderno do Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Educação, Porto Alegre, ANPAE, 2009.

PEREIRA, J. M. M. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro (1944-2008). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

PEREIRA, J. M. M. Banco Mundial, reforma dos Estados e ajuste das políticas sociais na América Latina. Ciência & Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 7, p. 2187-2196, 2018.

PRONKO, M. A. O Banco Mundial no campo internacional da educação. In: PRONKO, M. A.; PEREIRA, J. M. M. (Org.). A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde (1980-2013). Rio de Janeiro: EPSJV, 2014. v. 1. p. 89-112.

ROSSI, P.; DWECK, E. Impactos do novo regime fiscal na saúde e educação. Espaço temático: austeridade fiscal, direitos e saúde. Caderno Saúde Pública, v. 32, n. 12, 2016. Disponível em: <https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0102311X2016001400501&script=sci_arttext>. Acesso em: 25 maio 2019.

RUIZ, M. J. F.; BUFALO, K. S. Uma ponte para o futuro: políticas educacionais e parcerias público-privadas. Educação em Análise, Londrina, v. 2, n. 1, p. 37-58, jan./jun. 2017. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/educanalise/article/view/29921>. Acesso em: 25 maio 2019.

SANTOS, L. L. de C.P. A implementação de políticas do Banco Mundial para a formação docente. Cadernos de Pesquisa, Belo Horizonte, UFMG, n. 11, p. 173-182, dez. 2000.

SILVA, M. A. Do projeto político do banco mundial ao projeto político-pedagógico da escola pública brasileira. Cadernos Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 283-301, dez. 2003.

SILVA, M. A. O consenso de Washington e a privatização da educação brasileira. Revista Linhas Críticas, v. 11, n. 21, p. 255-264, jul./dez. 2005.

SOARES, M. C. C. Banco Mundial: políticas e reformas. In: TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2009. p. 15-39.

TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez, 2003.

UNESCO. Clasificación Internacional Normalizada de la Educación (CINE). 2011. Disponível em <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000220782>. Acesso em: 28 maio 2019.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Edição

Seção

Artigos