Paradoxos da biopolítica e democracias atuais e seus efeitos de segurança/seguridade no espaço das cidades

Autores

  • Daiane Gasparetto da Silva Mestranda em Psicologia/UFPA.
  • Flavia Cristina Silveira Lemos Psicóloga, Mestre em Psicologia e Doutora em História (UNESP). Profa. adjunta III em Psicologia Social na graduação e na Pós-graduação em Psicologia (UFPA).
  • Leandro Passarinho Prof. de Psicologia da Educação/UFPA.

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.43284

Palavras-chave:

biopolíticas, democracia, racismos e cidades, Foucault, paradoxos.

Resumo

Este artigo aborda uma análise das tramas sociais presentes na contemporaneidade, na qual se observa um número crescente de encomendas concernentes e relacionadas ao exercício da democracia representativa e participativa. Todavia, um primeiro paradoxo é o constituído pela relação entre sujeito de direitos entrecruzado com o sujeito empresarial, em uma sociedade punitiva neoliberal, em que, para circular, é preciso aceitar e compor o jogo de liberdade e segurança, simultaneamente. Vizinho a esse paradoxo, encontramos um segundo, o racismo de Estado e de sociedade aliado às perdas de direitos com a ampliação das desigualdades sociais e econômicas que podem culminar em processos de desfiliação social. Um terceiro paradoxo é a relação entre uma categoria demográfica, como a população, com a de povo, na soberania jurídica da democracia atual, gerando efeitos específicos no governo da vida, em que o risco aparece vinculado à população e o direito ao povo. Novas segregações e a produção de inimigos sociais são forjadas na atualidade, nas cidades, como resultantes da vinculação arbitrária entre medo e anormalidade, racismos e penalidades, discriminações variadas e as maneiras de deixar morrer e matar em nome da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Gasparetto da Silva, Mestranda em Psicologia/UFPA.

Psicóloga/UFPA. Mestranda em Psicologia/UFPA. Foi bolsista de IC na graduação. Realizou intercâmbio internacional durante a graduação, em Portugal. Integrante do grupo Transversalizando.

Flavia Cristina Silveira Lemos, Psicóloga, Mestre em Psicologia e Doutora em História (UNESP). Profa. adjunta III em Psicologia Social na graduação e na Pós-graduação em Psicologia (UFPA).

Faculdade de Psicologia/IFCH (UFPA). Líder do grupo Transversalizando.

Leandro Passarinho, Prof. de Psicologia da Educação/UFPA.

Psicólogo/UFPA. Mestre e Doutor em Educação/UFPA. Prof. de Psicologia da Educação/UFPA.

Downloads

Publicado

2014-07-31

Como Citar

Silva, D. G. da, Lemos, F. C. S., & Passarinho, L. (2014). Paradoxos da biopolítica e democracias atuais e seus efeitos de segurança/seguridade no espaço das cidades. Revista Polis E Psique, 4(1), 4. https://doi.org/10.22456/2238-152X.43284

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)