Revista Polis e Psique https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique <p><a href="https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/issue/view/1572">Fundada em 2011</a>, a Revista Polis e Psique é uma revista eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – PPGPSI/UFRGS. Destina-se à publicação quadrimestral de artigos originais que apresentem resultados de pesquisa, ensaios teóricos, relatos de experiência, resenhas e entrevistas de autores nacionais e estrangeiros relevantes ao âmbito da produção de conhecimento em Psicologia Social e áreas afins, contribuindo para a divulgação do conhecimento científico proveniente de um exercício crítico, inventivo, problematizador, interdisciplinar e implicado ética e politicamente com o presente.</p> <p>A Polis e Psique tem acesso aberto e não cobra taxas de qualquer natureza.</p> <p>A abreviatura de seu título é Rev. Polis e Psique e deve ser usada em bibliografias, notas de rodapé e em referências e legendas bibliográficas.</p> <p>Versão online ISSN: 2238-152X</p> <p class="MsoNormal"><!-- [if gte mso 10]> <mce:style><! /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin:0cm; mso-para-margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman";} > <! [endif] ></p><p class="MsoNormal">A <strong>Revista Pólis <em>e</em> Psique</strong> é uma revista on-line do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – PPGPSI/UFRGS.</p><p>< >< >< >< >< >< >< >< >< ></p></bo ></p></bo ></p></bo ></p></bo ></p></bo >< >< >< >< >< >< >< ></p></bo ></p></bo--></p> Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS pt-BR Revista Polis e Psique 2238-152X <p><strong><span>IMPORTANTE:</span></strong><span> a carta de declaração de direitos deverá ser submetida como documento suplementar.</span></p> Fazer-se Manada, coexistir na diferença: a experiência de cartografar um processo de criação em dança. https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/123160 <p>Esse trabalho decorre da produção da pesquisa “Potências clínicas nos corpos em criação nas experimentações artísticas do programa TOCCA” realizada durante os anos de 2018 e 2021. O artigo se volta a mostrar a análise cartográfica de um dos grupos observados e os processos de constituição de corpos dançarinos e de uma obra em dança. Compreendeu-se que o entrelaçamento dos conhecimentos da terapia ocupacional e das artes da cena pode vir a criar saberes transversais, desde as práticas de educação somática, que fortalecem e ampliam ambos os campos em suas potências éticas, estéticas e políticas. Bem como, podem instaurar um dispositivo poético clínico para a produção do comum.</p> Andrea do Amparo Carotta Angeli Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 6 28 10.22456/2238-152X.123160 Autoexpressão: efeitos da escuta no cuidado em saúde mental na Atenção Básica em Saúde. https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/123286 <p>Esta pesquisa busca compreender a relação do expressar-se com o cuidado em saúde mental dos usuários de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de um município no Rio Grande do Sul. Como pesquisa qualitativa, os dados foram coletados em entrevistas semiestruturadas. A amostra inicial foi de dez participantes que compareceram a cinco atendimentos psicológicos feitos semanalmente pela estagiária de psicologia, sendo que sete deles permaneceram até o fim devido às faltas aos atendimentos associadas ao tempo reduzido para a realização da coleta de dados. Os resultados indicaram o acompanhamento psicológico como um espaço de escuta associado à livre expressão, proporcionando significados aos usuários, como: percepção de mudanças em seus sentimentos, pensamentos e comportamento, além das dificuldades e melhorias durante o processo. Estes dados trazem um novo significado atribuído pelos usuários sobre a realização dos atendimentos psicológicos, o autoconhecimento, descentralizando a ideia de busca pelo cuidado apenas quando há adoecimento.</p> Franciele Rodrigues Etcheverry Mayara Squeff Janovik Fabiana Guilhermano da Silva Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 29 56 10.22456/2238-152X.123286 Distender o tempo e alinhavar o cuidado: o bordado inventado e a tecnologia da palavra https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/126745 <p>O projeto de pesquisa-intervenção <em>As narrativas ficcionais e o cuidado à dor crônica</em> atuou no Setor de Dor e Cuidados Paliativos de um hospital público, oferecendo-se como coadjuvante do cuidado em saúde. O <em>Ateliê Jardim de Histórias</em> foi um de seus dispositivos e propôs o bordado inventado como linhas de sustentação para um fazer compartilhado. No contexto latinoamericano, o bordar remete à transmissão transgeracional e a práticas políticas e processos de luta e luto no laço social. Este artigo propõe recuperar a história do bordado para além da perspectiva colonial e, a partir disso, <em>a-bordar</em> essa experiência da pesquisa-intervenção no hospital e suas possibilidades. Entende-se que o bordado inventado ressalta a dimensão de improviso e de criatividade dessa prática enquanto um suporte afetivo para a tessitura de narrativas, a partir da disposição de estar com o outro em torno de um fazer sem prescrições.</p> Larissa Souza Gasparin Janniny Gautério Kierniew Simone Moschen Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 57 75 10.22456/2238-152X.126745 Suicídio como sintoma social: um estudo sobre os impactos do capitalismo nas subjetividades https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/124065 <p>O suicídio é um fenômeno multifatorial, considerado um grave problema de saúde pública que atinge, em média, cerca de 700 mil pessoas todos os anos. Diante disso, este artigo tem por objetivo analisar este fenômeno e sua relação com o capitalismo, tendo como base a determinação social da saúde e o cenário individualista deste modelo de sociedade que podem ser causadores da morte autoprovocada. Com isso, foi realizada uma pesquisa bibliográfica que evidenciou a precarização da vida na realidade brasileira e o sofrimento social envolto à população marginalizada, mediado pelas desigualdades do sistema capitalista, dentre elas o desemprego, precarização do trabalho, racismo, sexismo, lgbtfobia e a pobreza como alguns dos elementos envolvidos no suicídio. Verificou-se a importância de considerar os atravessamentos sociais, políticos, econômicos, históricos e culturais no debate sobre a morte voluntária e na promoção e valorização da vida, contrapondo uma visão individualista e reducionista do fenômeno.</p> Isadora Loyola Pinheiro Camila Claudiano Quina Pereira Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 76 96 10.22456/2238-152X.124065 Trilhas Nômades Nordestinas de Cuidado Entre GAM e Redução de Danos https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/126902 <p>O presente trabalho tem por objetivo cartografar as potencialidades do encontro entre a estratégia da Gestão Autônoma da Medicação (GAM) com a perspectiva ético-política da Redução de Danos, a partir da experiência de um grupo GAM no Centro de Atenção Psicossocial para Álcool e Outras Drogas (Caps-Ad) da cidade de Garanhuns-PE. Nos valemos de diários de campo produzidos durante o grupo e, depois, em retorno ao campo para atualização da experiência. Os diários auxiliaram na composição de narrativas de análise com foco nas práticas de cuidado de si e nos efeitos do grupo nas trajetórias dos atores envolvidos e do serviço. Conclui-se que a estratégia GAM enriquece e amplia o paradigma da Redução de Danos, potencializando o cuidado integral aos que usam drogas e gerando efeitos de autonomia e emancipação nas trajetórias de cuidado e vida.</p> Wamberto da Silva Medeiros Mario Francis Petry Londero Ana Karenina de Melo Arraes Amorim Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 97 116 10.22456/2238-152X.126902 Público e privado: masculinidades e práticas de cuidados na pandemia. https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/128117 <p>Frente ao cenário pandêmico de COVID-19 vivenciado por todo o mundo, fomos forçados a produzir rearranjos relacionais para lidar com as dificuldades impostas por esse momento e uma das grandes mudanças que tivemos foi a necessidade de distanciamento social para não propagação do vírus. Neste sentido, trazemos para análise as mudanças da dimensão do público para o privado de homens brasileiros, tendo como objetivo compreender como tal mudança reverberou em suas práticas de cuidado para si e para o outro. Tivemos como referencial metodológico as práticas discursivas para a análise de entrevistas realizadas com homens que participam de um grupo terapêutico virtual. Concluímos que no contexto pandêmico, estes homens tiveram que lidar com dimensões do cuidado doméstico, de filhos, do outro e de si de forma inédita, que por vezes acarretaram situações angustiantes e desafiadoras que exigiram ressignificação e novas relações com as práticas de cuidado.</p> Mateus Felipe Otaviano Pedro Jáder Ferreira Leite Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 117 137 10.22456/2238-152X.128117 Sexualidade Feminina e os Usos de Sex Toys https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/128551 <p><em>Sex toys </em>nem sempre foram utilizados visando prazeres sexuais, mas também como instrumentos terapêuticos e/ou de dominação. O objetivo dessa pesquisa foi compreender significados dos usos dos <em>sex toys</em> por mulheres. Quinze mulheres cisgêneras responderam a uma entrevista cujos conteúdos foram organizados em duas categorias analisadas a partir dos argumentos sobre contrassexualidade e sociedade farmacopornográfica. Os principais resultados destacaram aspectos positivos (produção do prazer, da saúde e do empoderamento; novas experiências sexuais; autoconhecimento) e negativos (custo; culpabilização; julgamentos) no uso dos <em>sex toys</em>. Destacam-se as potencialidades destes objetos enquanto produtores de transformações nos esquemas normalizadores do dispositivo da sexualidade.</p> Rafael De Tilio Jaqueline Martins Pereira Alves Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 138 157 10.22456/2238-152X.128551 A Mediação Remota das Afecções do Corpo: Reflexões Sobre Virtualidade e Corporeidade https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/127008 <p>Este ensaio teórico se propõe a pensar o corpo sob a ótica da pluralidade e das afecções, para compreender como o trabalho da psicologia na modalidade remota atinge a corporeidade e a sua potência de existir. Tais questões foram evocadas num Grupo de Escuta e Acolhimento na modalidade remota. O olhar teórico parte da concepção espinosana das afecções, articulada com a noção de cuidado de si. A solidão relatada nos grupos foi tomada como analisador para refletir sobre o enfraquecimento da produção do encontro. Isso nos levou a pensar os impactos da perda do corpo na presença <em>on-line</em>, a (im)possibilidade do encontro com a diferença e sobre o papel da virtualidade na atualidade do modelo econômico liberal aplicado à psicologia. É necessário considerar as possibilidades de atuação e mediação que não se abstenham perante as demandas da atualidade, mas que reconheçam também os perigos dos aparelhos de captura.</p> Luiza Marson Morais André Luiz Strappazzon Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 158 181 10.22456/2238-152X.127008 Psicologia e política de Assistência Social https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/127427 <p>Esse trabalho trata-se de uma pesquisa qualitativa de revisão narrativa que busca apresentar e discutir as práticas da Psicologia na política de Assistência Social em situações de violência infantojuvenil, tendo como fonte de informações as publicações científicas da área. A pesquisa foi realizada em três bases de dados e contou com um montante final de 23 artigos que foram lidos e analisados. O tema mostra-se relevante pois, ainda nos dias de hoje, crianças e adolescentes aparecem como as maiores vítimas de violência no Brasil e a política de Assistência Social se apresenta como um importante espaço de intervenção visando o enfrentamento de tais situações. Por meio da análise dos artigos científicos, conclui-se que as práticas descritas nas produções ora se articulam com matrizes de pensamento individualizantes e hegemônicas da Psicologia, ora produzem discursos que buscam a construção de saberes pautados na perspectiva social, territorial e no pensamento crítico.</p> Rafael Bianchi Silva Anyelle Karine de Andrade Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 182 200 10.22456/2238-152X.127427 Estratégias de reinvenção do presente: ética, estética e política https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/136764 Henrique Caetano Nardi Neuza Maria de Fátima Guareschi Giovana Barbieri Galeano Dan Pinheiro Montenegro Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 1 5 10.22456/2238-152X.136764 Inventando cuidados em tempo de pandemia https://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/127170 <p><span style="font-weight: 400;">Durante a pandemia de Covid-19, ações grupais de cuidado realizadas nos cursos de formação superior brasileiros tiveram de ser adaptadas para o ambiente virtual. Apresenta-se a experiência formativa realizada em 2020 por alunos da Universidade Federal de São Paulo juntamente com um grupo de mulheres em situação de vulnerabilidade, participantes do “Projeto Delicadas Coreografias”, um projeto de extensão de cuidado em saúde por meio de práticas corporais. Considerando o sofrimento causado pelo momento pandêmico e as barreiras comunicacionais de acesso vivido pelos estudantes e pelas mulheres, foram realizados encontros remotos na busca de promover cuidado a partir da produção de um espaço de confiança, que fosse também lúdico, vincular e inventivo. Os encontros no ambiente virtual permitiram dar visibilidade e dizibilidade a processos singulares, configurando, então, em outros modos de produzir cuidado e tecer uma formação em saúde em tempos de pandemia.</span></p> Maria Carolina Medeiros Souto Mendes de Almeida Flavia Liberman Conrado Augusto Gandara Federici Copyright (c) 2023 Revista Polis e Psique 2023-11-13 2023-11-13 13 2 201 219 10.22456/2238-152X.127170