O corpo e o movimento como matrizes de criação e conhecimento: paralelos entre a poiésis grega e o vitalismo schopenhauriano

Autores

  • Odilon José Roble Universidade Estadual de Campinas
  • Marina Souza Lobo Guzzo Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Conrado Augusto Gândara Federici Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Vinícius Demarchi Silva Terra Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.24964

Palavras-chave:

Corpo. Conhecimento. Estética.

Resumo

Esse artigo apresenta uma reflexão sobre o corpo e sua relação com o conhecimento tendo como ponto de partida a epistemologia aristotélica, mais especificamente, a distinção entre Theoria, Práxis e Poiésis. As ciências teoréticas foram consideradas, pelo próprio Aristóteles, como as de mais elevado valor. Também as ciências práticas tiveram seu posterior reconhecimento, sobretudo, pelo desenvolvimento científico moderno. Já as ciências poiéticas parecem representar uma possibilidade epistemológica pouco reconhecida pela tradição do pensamento ocidental, sendo relegadas à condição de supérfluas. Em um primeiro momento desse texto buscamos identificar alguns limites da tradição pós aristotélica fundamentada nesses conceitos e que apresentam relação com a educação do corpo. Nesse esforço detectamos, por um lado, um modelo fortemente marcado pela redução racionalista da causalidade, e por outro, uma amplitude mal explorada do conceito de Kínesis (movimento). Com base em uma metodologia filosófica-conceitual buscamos apresentar perspectivas para a constituição de novos olhares sobre essa temática, talvez mais capazes de considerar a poiésis como suporte epistemológico para os saberes sobre o corpo e o movimento. Para tanto, encontramos amparo, sobretudo, a partir do suporte de filosofias vitalistas como a de Arthur Schopenhauer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Odilon José Roble, Universidade Estadual de Campinas

Prof. Dr. Odilon José Roble

Bacharel em Filosofia, Licenciado em Educação Física, Mestre em Educação, Doutor em Educação.

Professor do Departamento de Educação Física e Humanidades. Faculdade de Educação Física da Unicamp

Marina Souza Lobo Guzzo, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Doutora em Psicologia Social, Bacharel em Psicologia, Licenciada em Educação Física

Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Departamento de Ciências da Saúde

Conrado Augusto Gândara Federici, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Doutor em Educação, Licenciado em Educação Física

Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Departamento de Ciências da Saúde

Vinícius Demarchi Silva Terra, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Doutor em Educação, Licenciado em Educação Física

Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Departamento de Ciências da Saúde

Downloads

Publicado

2012-04-13

Como Citar

ROBLE, O. J.; GUZZO, M. S. L.; FEDERICI, C. A. G.; TERRA, V. D. S. O corpo e o movimento como matrizes de criação e conhecimento: paralelos entre a poiésis grega e o vitalismo schopenhauriano. Movimento, [S. l.], v. 18, n. 2, p. 297–313, 2012. DOI: 10.22456/1982-8918.24964. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/24964. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Ensaios