Eficiência de softwares nacionais e internacionais na detecção de similaridade e de plágio em manuscrito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245284.123123

Palavras-chave:

plágio, similaridade e plágio, detecção de plágio, software antiplágio

Resumo

Este estudo visa identificar a eficiência de quatorze softwares de detecção de similaridades em um texto com fragmentos sobre educação financeira, encontrados em websites da internet, anais de eventos acadêmicos e revistas científicas de acesso aberto e restrito. Os fragmentos foram usados para elaborar um texto coeso, escrito em língua portuguesa, contendo reproduções textuais literais, paráfrases, com trechos traduzidos do idioma inglês, manipulados com inserção de caractere oculto e com substituição de palavras por sinônimos. Os relatórios de similaridade gerados pelos softwares foram analisados de acordo com quatro critérios: 1 identificação de fragmentos citados corretamente; 2 identificação de fragmentos plagiados; 3 identificação de textos manipulados para enganar o software; 4 identificação de fontes originais; os quais foram pontuados em uma escala de 0 a 4 pontos. Os softwares Turnitin, StrikePlagiarism, PlagScan e Plagium tiveram performance elevada e CopySpider e Plagium (complemento do Google) foram os mais ineficientes. Constatou-se que os softwares operam com eficiência variável, o que reforça a convicção de que embora sejam ferramentas úteis para a identificação de plágio, contribuem de forma limitada para aspectos como reconhecimento de reproduções textuais literais que nem sempre correspondem à fonte original. As fontes originais de textos reescritos, manipulados e traduzidos não foram encontradas por nenhum software. O estudo contribui para o aprimoramento da capacidade do usuário na escolha, uso e análise dos relatórios de similaridades gerados por softwares, cuja eficiência pode ser maior no caso da utilização de mais de um software.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Krokoscz, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

Pós-doutor em Ciência da Informação (USP), Doutor e Mestre em Educação (USP), licenciado em Filosofia (UNIFAI) e Pedagogia (UNIBAN), bacharel em Teologia (ASSUNÇÃO). Professor do Centro Universitário da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) desde 2008, onde já atuou como coordenador da Comissão Própria de Avaliação (CPA), que teve prática premiada pelo Prêmio Nacional de Gestão Educacional e também foi coordenador do Programa de Iniciação Científica, tendo como principal êxito a elaboração do projeto para aquisição de bolsas de fomento de pesquisa para alunos da graduação junto ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Atualmente, leciona Metodologia Científica nos cursos de graduação da FECAP. É autor dos livros Autoria e plágio: Um Guia para Estudantes, Professores, Pesquisadores e Editores e Outras palavras sobre autoria e plágio, ambos publicados pela Editora Atlas. Fundador do Instituto Antiplágio (www.institutoantiplagio.com.br) e editor do canal Marcelo.Krokoscz, no YouTube, que divulga conteúdo regularmente sobre o plágio acadêmico. Desenvolve pesquisas e apresenta conferências sobre autoria e plágio no processo de redação e publicação científica. Nas suas atividades como pesquisador, já teve trabalhos publicados no Brasil e no Exterior. No ensino superior é professor de Metodologia Científica e Raciocínio Lógico na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP). Atua na Educação Básica há mais de 20 anos e desde 2015 é diretor do Colégio FECAP, escola de Ensino Médio e Técnico. Alguns destaques nesta tarefa foram: 1) aumento da captação dos alunos; 2) diminuição da evasão; 3) aumento da fidelização; 4) Implementação de projetos de inovação e; 5) Melhoria nos resultados acadêmicos dos alunos. Contatos: marcelix@usp.br supermarcelix@gmail.com marcelok@fecap.br

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

KROKOSCZ, M. Eficiência de softwares nacionais e internacionais na detecção de similaridade e de plágio em manuscrito. Em Questão, Porto Alegre, v. 28, n. 4, p. 123123, 2022. DOI: 10.19132/1808-5245284.123123. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/123123. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos