Diagnóstico do processo de implantação do INSS Digital: Perspectivas da Gestão da Informação

Autores

  • Patricia Soares da Silva Bertotti Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGCIn-UFSC) http://orcid.org/0000-0001-9394-1130
  • Ana Clara Cândido Docente no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PGCin), Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC; CICS.NOVA - Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais FCSH/UNL, Portugal http://orcid.org/0000-0003-1897-3946
  • Luciane Paula Vital Docente no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PGCin), Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC http://orcid.org/0000-0003-2526-227X

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245271.456-483

Palavras-chave:

Arquivologia. Gestão da Informação. Preservação Digital. Documento Digital

Resumo

No poder Executivo Federal tramita considerável volume de documentos e o seu cuidado não deve ater-se apenas à guarda, mas também a sua preservação, garantindo o acesso a longo prazo. Este trabalho busca ressaltar, mediante uma pesquisa do atual cenário do processo de Transformação Digital no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), o desafio de produzir e preservar os documentos arquivísticos digitais confiáveis, autênticos e acessíveis. Este estudo tem por objetivo identificar e apontar as perspectivas de Gestão da Informação no Processo de Transformação Digital no Instituto Nacional do Seguro Social a partir de uma análise diagnóstica. Caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório e descritivo, utilizando como procedimento metodológico um estudo de caso aplicado. Os resultados obtidos expressam a necessidade de a instituição adotar uma política de gestão que contemple todos os aspectos desde a produção até a destinação final, já que seus documentos têm a necessidade de preservação a longo prazo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Soares da Silva Bertotti, Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGCIn-UFSC)

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGCIn-UFSC), na área de concentração Gestão da Informação e Linha de Pesquisa Organização, Representação e Mediação da Informação e do Conhecimento. Possui graduação em Arquivologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2019).

Ana Clara Cândido, Docente no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PGCin), Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC; CICS.NOVA - Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais FCSH/UNL, Portugal

Doutora em Avaliação de Tecnologia - Universidade Nova de Lisboa. Atualmente é professora no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PGCin) e no Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Pesquisadora Associada no Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa (CICS.NOVA).

Luciane Paula Vital, Docente no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PGCin), Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Professora no Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina. Doutorado e Mestrado em Ciência da Informação (UFSC). Temas de interesse: Organização do Conhecimento. Sistemas de Organização do Conhecimento. Gestão documental. Arquivos. Descrição arquivística. Documento digital. Vice-líder do Grupo de Pesquisa em Representação e Organização do Conhecimento - ROC (UFSC). Membro do Grupo de Pesquisa em Organização do Conhecimento e Gestão Documental - KOD (UFSC).

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Número de aposentadorias de servidores do INSS quadruplica. 2019. Disponível em: https://www.anasps.org.br/numero-de-aposentadorias-de-servidores-do-inss-quadruplica/. Acesso em: 02 ago. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016. 279 p.

BELLOTTO, H. L. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

BERNARDES, I. P. Como avaliar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado de São Paulo, 1998. 89 p. Coleção Como Fazer 1.

BERNARDES, I. P. gestão de documentos e direito de acesso: interfaces. Acervo - Revista do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, v. 28 No 2 jul. n. 2, p. 164-179, dez, 2015.

BRASIL. Lei n. 5433, de 08 de maio de 1968. Regula a microfilmagem de documentos oficiais e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1968. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5433.htm. Acesso em: 14 abr. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm#art5xxxiii. Acesso em: 05 nov. 2020.

BRASIL. Lei n. 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Brasília, DF: Diário oficial da União, 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8159.htm. Acesso em: 08 abr. 2019.

BRASIL. Conarq. Classificação, temporalidade e destinação de documentos de arquivo relativos às atividades-meio da administração pública. Rio de janeiro: Arquivo Nacional, 2001. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/cctt_meio.pdf. Acesso em: 8 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 4073, de 03 de janeiro de 2002. Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4073.htm. Acesso em: 16 abr. 2019.

BRASIL. Conarq. Resolução nº 20 de 16 de junho de 2004. Dispõe sobre a inserção dos documentos digitais em programas de gestão arquivística de documentos dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos. Disponível em: http://www.conarq.gov.br/resolucoes-do-conarq/262-resolucao-n-20,-de-16-de-julho-de-2004.html. Acesso em: 28 mar. 2018

BRASIL. A. N. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BRASIL. Lei nº 12527/2011, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 12682, de 09 de julho de 2012. Dispõe sobre a elaboração e o arquivamento de documentos em meios eletromagnéticos. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12682.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Resolução nº 37, de 19 de dezembro de 2012. Aprova as Diretrizes para a Presunção de Autenticidade de Documentos Arquivísticos Digitais. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2014. Disponível em: http://www.conarq.gov.br/resolucoes-do-conarq/279-resolucao-n-37,-de-19-de-dezembro-de-2012.html. Acesso em: 16 abr. 2019.

BRASIL. Nota Técnica nº 3, de novembro de 2015. Cenários de uso de RDC-Arq em conjunto com o SIGAD. Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos: Orientação Técnica n.º 3. Disponível em: http://www.conarq.gov.br/images/ctde/Orientacoes/Orientacao_tecnica_rdcarq_2015_v8_pub.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.

BRASIL. Resolução nº 43, de 04 de setembro de 2015. Altera a redação da Resolução do CONARQ nº 39, de 29 de abril de 2014, que estabelece diretrizes para a implementação de repositórios digitais confiáveis para a transferência e recolhimento de documentos arquivísticos digitais para instituições arquivísticas dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR. Arquivo Nacional Conselho Nacional de Arquivos: RESOLUÇÃO Nº 43, DE 04 DE SETEMBRO DE 2015. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2015. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/resolucoes-do-conarq/335-resolucao-n-43-de-04-de-setembro-de-2015.html. Acesso em: 16 abr. 2019.

BRASIL. Decreto nº 8936, de 19 de dezembro de 2016. Institui a Plataforma de Cidadania Digital e dispõe sobre a oferta dos serviços públicos digitais, no âmbito dos órgãos e das entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8936.htm. Acesso em: 16 abr. 2019.

BRASIL. Portaria n°1.106/PRES/INSS, de 30 de junho de 2017. Dispõem sobre procedimentos para expansão do Projeto INSS Digital – Uma nova forma de atender. Brasília, DF: Publicada no BS 124, de 30 de junho de 2017.

BRASIL. Lei nº 13874, de 20 de setembro de 2019. Institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica; estabelece garantias de livre mercado; e dá outras providências. Lei Nº 13.874, de 20 de Setembro de 2019: Conversão da Medida Provisória nº 881, de 2019. 1. ed. Brasília, DF, 20 set. 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Lei/L13874.htm. Acesso em: 22 set. 2019.

CERVO, A.L.; BERVIAN, P.A.; SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Person Prentice Hall, 2007.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac, 2003. 425 p.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (Brasil). Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. e-ARQ Brasil: Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011. 136 p. Disponível em: http://www.siga.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes/e-arq.pdf. Acesso em: 13 de mai. 2020.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: porque só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 15. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DURANTI, L. Registros documentais contemporâneos como prova de ação. Trad. Adelina Novaes e Cruz. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v.7, n13, p.49-64, jan./jun. 1994.

FLORES, D. Cadeia de custódia dos documentos arquivísticos digitais: do SIGAD ao RDC-Arq. Palestra. UFES. Vitória - ES. 76 slides, color, Padrão Slides Google Drive/Docs 4x3. Material elaborado para a Palestra no Curso de Arquivologia, 16 de junho de 2016. Disponível em: http://www.arquivologia.ufes.br/sites/arquivologia.ufes.br/files/field/anexo/cadeia_de_custodia_dos_documentos_arquivisticos_digitais-_do_sigad_ao_rdc-arq.pdf. Acesso em: 08 de jun. 2019.

INDOLFO, A. C. Avaliação de documentos de arquivo: atividade estratégica para a gestão de documentos. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 6, p. 13-37, anual, 2012. Disponível em: http://www0.rio.rj.gov.br/arquivo/pdf/revista_agcrj_pdf/revista_AGCRJ_6_2012.pdf

INNARELLI, H. C. Preservação digital: a gestão e a preservação do conhecimento explícito digital em instituições arquivísticas. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 3 n. 2, n. 2, p. 48-63, jul./dez. 2012. DOI: 10.11606/issn.2178-2075.v3i2p48-63 Acesso em: 31 mar. 2019.

LE COADIC, Y.F. A ciência da informação. 2. ed. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2004.

LEHMKUHL, C. S.; MACEDO, D. D. J.; SILVA, E. C. L. Uma análise qualitativa dos repositórios digitais arquivísticos confiáveis (rdc-arq). Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, n. XIX ENANCIB, 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/102547. Acesso em: 13 maio 2020.

MENDONÇA, F. M.; ZAIDAN, F. H. Ontologias para organização da informação em processos de transformação digital. Em Questão, v. 25, n. 1, p. 295-320, jan./abr.2019. DOI: 10.19132/1808-5245251.295-320. Acesso em: 23 abr. 2019.

PAES, M. L. Arquivo: teoria e prática. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004, 228 p.

ROUSSEAU, J. Y.; COUTURE, C. Fundamentos da disciplina arquivística. Tradução de Magda Bigotte de Figueiredo. Portugal: Lisboa, Dom Quixote, 1998.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Repositórios digitais confiáveis para documentos arquivísticos: ponderações sobre a preservação em longo prazo. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 198-218, abr./jun.2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/36891. Acesso em: 31 mar. 2019.

TOLBOOM, I. The impact of digital transformation: A survey-based research to explore the effects of digital transformation on organizations. Amsterdam: Master Thesis Report, 2016.101 p. Disponível em: https://repository.tudelft.nl/islandora/object/uuid:d1d6f874-abc1-4977-8d4e-4b98d3db8265/datastream/OBJ. Acesso em: 12 maio de 2019.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

BERTOTTI, P. S. da S.; CÂNDIDO, A. C.; VITAL, L. P. Diagnóstico do processo de implantação do INSS Digital: Perspectivas da Gestão da Informação. Em Questão, Porto Alegre, v. 27, n. 1, p. 456–483, 2020. DOI: 10.19132/1808-5245271.456-483. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/101248. Acesso em: 20 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.