OS “PESOS” DE SER OBESO: TRAÇOS FASCISTAS NO IDEÁRIO DE SAÚDE CONTEMPORÂNEO

Alexandre Palma de Oliveira, Monique Assis, Murilo Vilaça, Marcelo Nunes de Almeida

Resumo


A obesidade e o sedentarismo têm sido considerados dois grandes vilões da Saúde Pública. O objetivo do estudo é examinar a ideia em torno da relação entre saúde, obesidade e exercício. O eixo analítico é um texto que congrega pontos-chave dessa ideia, defendendo uma polêmica sobretaxação dos obesos e sedentários. Analisamos o texto pela Teoria da Análise do Discurso detectando e explorando três categorias discursivas: a) culpabilização; b) reificação; e c) punição. Os discursos partem da concepção de que ser obeso é uma questão de escolha para justificar a perigosa proposta de responsabilizá-lo, culpá-lo e puni-lo inclusive tributariamente.

 



Palavras-chave


obesidade. estilo de vida sedentário. promoção da saúde

Texto completo:

PDF-BR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.29089

Direitos autorais




Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment