PROCURANDO O LAZER NA CONSTITUINTE: SUA INCLUSÃO COMO DIREITO SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO DE 1988

Autores

  • Flávia da Cruz Santos Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.43785

Palavras-chave:

História. Lazer. Direito social.

Resumo

Este trabalho reconstitui sinteticamente a trajetória do lazer na Assembleia Nacional Constituinte 1987-1988, identificando os atores políticos responsáveis por sua inclusão como direito social na Constituição, bem como os interesses e os significados de lazer envolvidos nesse processo. Privilegia como fontes os documentos produzidos pela Assembleia Nacional Constituinte de 1987-1988. Os vestígios encontrados nos permitem perceber que apesar de o lazer ter sido compreendido como fundamental para a vida dos cidadãos brasileiros por todos os atores políticos participantes desse processo, não houve mobilização e organização em torno do lazer que justificasse sua definição como direito social na Constituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia da Cruz Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer da Universidade Federal de Minas Gerais.

Publicado

2014-07-08

Como Citar

SANTOS, F. da C. PROCURANDO O LAZER NA CONSTITUINTE: SUA INCLUSÃO COMO DIREITO SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO DE 1988. Movimento, [S. l.], v. 20, n. 4, p. 1305–1327, 2014. DOI: 10.22456/1982-8918.43785. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/43785. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais