QUIS CUSTODIET IPSOS CUSTODES?: SOBRE SER CRÍTICO NA PEDAGOGIA CRÍTICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA

David Kirk

Resumo


Um contínuo desafio para a pedagogia crítica da Educação Física tem sido o de como prosseguir adiante com sua agenda em circunstâncias de precariedade, ao mesmo tempo em que evita muitas armadilhas, como doutrinação, utopismo e arrogância, o que pode diminuir sua efetividade tanto quanto sua reputação. Este artigo considera a possibilidade de ser crítico em relação à própria pedagogia crítica, ao mesmo tempo em que permanece inflamado pela causa da justiça social através da Educação. Até hoje, ela parece ser suficiente para pedagogos críticos em Educação Física regularem a si mesmos, mas tem falhado em produzir qualquer concordância sobre como a pedagogia crítica pode responder, por exemplo, ao crescimento da precariedade. Valendo-se do artigo de Burbules, que reflete sobre ser crítico na pedagogia crítica, cinco chaves de leitura emergem desta análise. Eu considero como nós deveríamos ser autoconscientes e autocríticos no âmbito da pedagogia crítica em Educação Física e, ao fazer isso, abordar seus desafios crescentes e, de fato, enfrentar a questão segundo a qual “quem vigia os próprios vigilantes”?


Palavras-chave


Pedagogia crítica. Educação Física. Precariedade. Autocrítica.

Texto completo:

PDF-ENG (English)


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.96244

Direitos autorais 2019 Movimento (ESEFID/UFRGS)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment