O RISCO COMO ORGANIZADOR DAS EXPERIÊNCIAS DE ATLETAS DE VAQUEJADA DO SERTÃO PERNAMBUCANO

José Murilo Gomes de Lima, Roberta de Sousa Mélo

Resumo


A vaquejada é tida como uma manifestação tradicional do Nordeste brasileiro. Seu processo de reconhecimento como atividade profissional tem sido marcado por novas regras e exigências e, dentre essas, o controle de riscos que historicamente têm sido associados a essa prática. Considerando tais mudanças, o estudo investigou os modos pelos quais a percepção do risco tem mobilizado o cotidiano de um grupo de vaqueiros. Utilizamos uma abordagem qualitativa e realizamos uma observação participante em conjunto com entrevistas semiestruturadas. Participaram deste estudo 19 vaqueiros. A análise dos dados foi guiada pelas premissas da antropologia interpretativa. Os participantes reconhecem a gestão dos riscos como uma responsabilidade individual. Identificam nas novas dinâmicas da vaquejada o estímulo à reflexividade tido como fundamental para a mitigação das ameaças. Através de saberes e de atitudes tecnicamente orientadas, racionalizam os perigos de sua rotina de vaqueiro cultivando disposições corporais e emocionais que assegurem sua permanência nesse universo.

 

 


Palavras-chave


Corpo. Cultura. Risco.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.86800



 

 


Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment