OS OBJETOS ESPORTIVOS NA CULTURA INFANTIL: DIMENSÕES MATERIAIS E REPRESENTAÇÕES

Autores

  • Pascale Garnier EXPERICE/Université Paris 13. Université Paris 13 / Sciences de l’Éducation Centre de Recherche EXPERICE
  • Alexandre Moraes de Mello Escola de Educação Física e Desportos – UFRJ Av. Carlos Chagas Filho, 540 – EEFD Laboratório LABJOGOS (2º.andar) Cidade Universitária – Ilha do Fundão CEP: 21941-599 – Rio de Janeiro – RJ Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.51409

Palavras-chave:

Jogos e brinquedos. Criança. Equipamentos esportivos. Características culturais.

Resumo

Os objetos esportivos destinados à criança são parte da cultura material infantil. Colocam em jogo o corpo da criança, com suas reais características físicas, psicológicas, intelectuais e sociais, e as representações de criança pensadas no momento de concepção e produção dos objetos que convêm a cada idade. O objetivo deste artigo foi proceder, através de uma pesquisa qualitativa, à análise dos objetos esportivos, considerando a sua materialidade e influência sobre os corpos das crianças, bem como desvendar as formas de significar a infância e o esporte.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pascale Garnier, EXPERICE/Université Paris 13. Université Paris 13 / Sciences de l’Éducation Centre de Recherche EXPERICE

Professora da Université Paris 13, Sciences de l’Éducation. Co-diretora do Centre de Recherche EXPERICE (da Univ. Paris 13 e Paris 8), França.

Alexandre Moraes de Mello, Escola de Educação Física e Desportos – UFRJ Av. Carlos Chagas Filho, 540 – EEFD Laboratório LABJOGOS (2º.andar) Cidade Universitária – Ilha do Fundão CEP: 21941-599 – Rio de Janeiro – RJ Brasil

Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Educação Física e Desportos, coordenador do laboratório LABJOGOS; pesquisador convidado do Centre de Recherche EXPERICE/Université Paris 13.

Publicado

2015-03-31

Como Citar

GARNIER, P.; MELLO, A. M. de. OS OBJETOS ESPORTIVOS NA CULTURA INFANTIL: DIMENSÕES MATERIAIS E REPRESENTAÇÕES. Movimento, [S. l.], v. 21, n. 3, p. 717–729, 2015. DOI: 10.22456/1982-8918.51409. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/51409. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais