DILEMAS INSURGENTES NO ESPORTE: AS PRÁTICAS ESPORTIVAS DISSONANTES

Wagner Xavier Camargo

Resumo


Como produto da modernidade e fenômeno em franco desenvolvimento no século XX, o esporte igualmente foi afetado pelas reivindicações dos movimentos revolucionários dos anos 1960 e, assim, se esfacelou em múltiplas expressões. Esta pesquisa se preocupa com duas delas em particular: competições esportivas de atletas “com deficiência” (notadamente os Jogos Paralímpicos) e torneios em que lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans (LGBT) competem entre si (Gay e OutGames). O objetivo é ponderar sobre corpos em ação por meio do que almejo denominar “práticas esportivas dissonantes”, para discutir em que medida tais práticas teriam potencial disruptivo em relação a uma normatividade instituída. A contribuição justamente consistirá em pensar antropologicamente em que medida essas práticas estariam no esporte mainstream imiscuídas/representadas, abrindo possíveis reconsiderações sobre ele.

 


Palavras-chave


Corporalidades disruptivas. Gay Games. Jogos Paralímpicos. Etnografia.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.66188

Direitos autorais 2016 Movimento (ESEFID/UFRGS)




Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment