CORPO, SEXUALIDADE E DEFICIÊNCIA

Sônia Berenice Hoffmann, Eva Regina Carrazoni Chagas

Resumo


Colocamos a teoria em prática e desenvolvemos um trabalho sobre a sexualidade junto a um grupo de adolescentes portadores de deficiência visual. O grupo está formado por moças e rapazes, na faixa etária de 14 a 21 anos, cuja grande maioria são portadores de cegueira e alguns/as apresentam visão subnormal. São oriundos/as de escola estadual de 2° grau e todos/as desenvolvem atividades físicas e/ou desportivas, no CETE. Na tendência de atender as necessidades relativas às questões sexuais, expressas de forma indireta através de risos irônicos e nervosos, cochichos e deboches e, mesmo, angústias e atos reprimidos (agressividades mascarando toques afetivos), iniciamos uma série de encontros semanais que relatamos neste artigo.

Palavras-chave


Sexualidade. Deficiência. Espaço. Debate. Vivências. Parceiros(as) de trabalho. Programas e currículos. Melhoria da qualidade de vida.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.2233

Direitos autorais




Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment