FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS E ANTROPOLÓGICOS DA TEORIA DO SE-MOVIMENTAR E A FORMAÇÃO DE SUJEITOS EMANCIPADOS, AUTÔNOMOS E CRÍTICOS: O EXEMPLO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Mauro Betti, Jorge Knijnik, Luciana Venâncio, Luiz Sanches Neto, Jocimar Daolio

Resumo


Este artigo analisa os fundamentos filosóficos e antropológicos subjacentes à Teoria do Se-Movimentar com base na filosofia fenomenológica de Merleau-Ponty e na antropologia social de Mauss e Geertz. Considera também implicações para os currículos de Educação Física do Ensino Fundamental e Médio que tenham por mote a formação de sujeitos emancipados, autônomos e críticos, tomando como exemplo o Currículo de Educação Física do Estado de São Paulo. Conclui que o currículo precisa imbricar-se com a vida social dos alunos e levar em conta desafios e temas da sociedade contemporânea.


Palavras-chave


Movimento Humano; Fenomenologia; Antropologia Social; Currículo.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.46732



 

 


Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                                      

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment