Custos de Escolas de Educação Infantil em Porto Alegre pelo Método ABC: um estudo de caso

Ivanor Paulo Bochi Junior, Francisco José Kliemann Neto

Resumo


Neste artigo, o método do Custeio Baseado em Atividades (ABC) é aplicado a duas escolas de educação infantil do município de Porto Alegre. Discute-se, inicialmente, a atual capacidade de atendimento dos setores público e privado nesse serviço, bem como a necessidade de adoção de ferramentas mais precisas para mensurar os custos de serviços, especialmente em um ambiente mercadológico de demanda decrescente em virtude de uma baixa taxa de natalidade. Em seguida, levanta-se bibliografia referente a serviços educacionais, princípios e métodos de custeio. Após a aplicação do método em ambas as escolas, traz-se a comparação dos resultados e discussões pertinentes à saúde financeira e à adequação do método proposto aos ambientes público e privado. Tais resultados apontam para um melhor uso dos recursos no ambiente privado em relação à Prefeitura e para a necessária implementação de um banco de dados que centralize informações de forma a possibilitar análises gerenciais e tomadas de decisão no ambiente público.


Palavras-chave


Método ABC. Custos Indiretos. Escola Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


AMES, A. F. Proposta de Implementação de uma Sistemática de Gestão de Custos para um Escritório de Advocacia. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

BEBER, S. J. N.; SILVA, E. Z.; DIÓGENES, M. C.; KLIEMANN NETO, J. F. Princípios de custeio: uma nova abordagem. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO – ENEGEP, 24., 2004. Anais... 2004.

BORNIA, A. C. Análise Gerencial de Custos – Aplicação em Empresas Modernas. 3. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 1988.

BRASIL. Lei Nº 9.394 – Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, dez. 1996.

BRASIL. Lei Nº 13.005 – Aprovação do Plano Nacional de Educação – PNE. Diário Oficial da União, Brasília, jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo Escolar 2017 – Notas Estatísticas. Brasília: INEP, jan. 2018.

CAMPAGNOLO, R. R. Identificação dos Fatores Fundamentais para Estruturação de uma Sistemática que Alinhe os Sistemas de Custeio e de Avaliação de Desempenho. 2013. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

CORREA, B. C. A Gestão da Educação Infantil em 12 Municípios Paulistas. Fineduca – Revista de Financiamento da Educação, Porto Alegre, v. 8, 2018.

CORRÊA, R. C. Custos Em Empresas Prestadoras de Serviços de Informática: Aplicação do ABC. 2002. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

COX, Betty; WEILER, Spencer C.; CORNELIUS, Luke M. The Costs of Education. England: ProActive Publications, 2013.

EIZERIK, B. Proposta de Sistemática Apoiada no Custeio Baseado em Atividades para Avaliação e Controle de Custos em Instituições de Ensino. 2004. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

FITZSIMMONS, J. A.; FITZSIMMONS, M. J. Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2000.

GRÖNROOS, C. Marketing, Gerenciamento e Serviços. Traduzido por Arlete Simille Marques. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

LIMA, P. F. de A. Proposta de Sistemática de Gestão Econômica para Instituições de Ensino Complementar. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

LOPES, L. V. M.; FLOR, C. N. M.; LIMA, M. Y. G.; VIEIRA, S. F. A.; BACCARO, T. Custos, Desempenho e Estrutura Educacional do Ensino Fundamental: Uma Análise em um Município do Interior do Paraná. ABCustos, São Leopoldo: Associação Brasileira de Custos, 2017.

MARTINS, E. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

MORDUCHOWICZ, A. Teoría y Práctica de la Estimación de Costos Educativos. Fineduca – Revista de Financiamento da Educação, Porto Alegre, v. 1, 2011.

MÜLLER, C. J. A Evolução dos Sistemas de Manufatura e a Necessidade de Mudança nos Sistemas de Controle e Custeio. 1996. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996.

PEREIRA, S. T.; PINTO, J. M. R. Uma Análise das Fontes de Receita, dos Gastos e do Padrão de Atendimento de uma Instituição de Educação Infantil Filantrópica na Cidade de Ribeirão Preto. Fineduca – Revista de Financiamento da Educação, Porto Alegre, v. 1, 2011.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul. Estatísticas da Educação. 2019. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2019.

SALES, L. C.; SOUSA, A. M. O Custo Aluno da Educação Infantil de Teresina: Entre a Realidade do FUNDEB e o Sonho do CAQi. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 32, 2016.

SANTOS, A. R. Metodologia Científica: a construção do conhecimento. 3.ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2000.

SEPLAG-RS. Cenário Demográfico – RS e Brasil. Porto Alegre, 2019. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2019.

SONNEBORN, M. J. Desenvolvimento de um modelo de apoio à gestão para uma instituição de educação superior baseado em indicadores de desempenho. 2004. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.