Impactos e rupturas na educação superior brasileira após a Emenda Constitucional 95/2016: o caso dos institutos federais

Norivan Lustosa Lisboa Dutra, Lívia Santos Brisolla

Resumo


O presente artigo objetiva analisar os impactos e as rupturas que a Emenda Constitucional 95/2016 (EC 95/2016) provocou na educação superior brasileira, com ênfase dada aos institutos federais de educação, ciência e tecnologia (IFs). A EC 95/2016 instituiu um novo regime fiscal no Brasil para vigorar pelos próximos 20 anos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho bibliográfico e documental, que tem como referência a Lei nº 11.892/2008, a EC 95/2016 e a Lei nº 13.005/2014, bem como sites das instituições integrantes da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (RFEPCT). Alguns questionamentos norteiam a reflexão: de que forma a EC 95/2016 e o Plano Nacional da Educação (PNE) 2014-2024 se relacionam, considerando que possuem objetivos distantes? Quais os efeitos colaterais da EC/2016 para a educação superior, em especial para os institutos federais? Com a redução do orçamento, os estudos apontam uma grave crise orçamentária para a rede federal de ensino e a inviabilidade de execução do PNE (2014-2024).


Palavras-chave


Emenda Constitucional 95/2016. Institutos federais. Financiamento da Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Nelson Cardoso. PEC 241/55 a “morte” do PNE (2014-2024) e o poder de diminuição dos recursos educacionais. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v. 32, n. 3, p. 653-673, set./dez. 2016.

AMARAL, Nelson Cardoso. A cobrança de mensalidades nas universidades federais: uma fonte alternativa viável? In: CÂMARA DOS DEPUTADOS. Financiamento da educação superior no Brasil: impasses e perspectivas [recurso eletrônico] / relator Alex Canziani; consultores legislativos Ricardo Chaves de Rezende Martins (coordenador); Aldenise Ferreira dos Santos... [et al.]. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2018. (Série estudos estratégicos; n. 11 e-book). Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2019.

BRASIL. Decreto n. 7.566, de 23 de setembro de 1909. Crêa nas capitães dos Estados da República Escolas de Aprendizes Artíficies para o ensino profissional primário gratuito. Diário Official, Rio de Janeiro, 1909.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2020.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 1 mar. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.677, de 25 de junho de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2020.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 jun. 2014. Disponível em:. Acesso em: 5 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 15, de 11 de maio de 2016. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para instituir um Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 16 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Página Informativa Setec/MEC. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

CHAUÍ, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 1-15, out/dez. 2003.

CONIF. Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Matriz Orçamentária da Rede de Ensino Profissional e Tecnológica de 2016. Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2017.

CONIF. Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Rede Federal: modalidades ofertadas. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 ago. 2017.

CONIF. Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Conif e Rede Federal: avanços internacionais. Brasília, 8 de novembro de 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2019.

FERRARI, Mari. A internacionalização dos institutos federias: um estudo sobre o acordo Brasil-Canadá. Educação & Sociedade, Campinas, v. 36, n. 133, p. 1003-1019, out./dez. 2015.

IFB. Instituto Federal de Brasília. Processo de contas anuais: relatório de gestão 2016. Brasília: IFB, 2016.

IFMT. Instituto Federal do Mato Grosso. Carta aberta à comunidade. Cuiabá, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2017.

IFRS. Instituto Federal do Rio Grande do Sul. Crise financeira afeta todas as universidades e institutos federais gaúchos. Porto Alegre, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

IFSC. Instituto Federal de Santa Catarina. Série orçamento: como os cortes afetam o IFSC e o que a instituição faz para superá-los. Florianópolis, 2017. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2017.

IFSP. Instituto Federal de São Paulo. Nota do IFSP sobre o corte no orçamento. São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 de jun. 2017.

MARIANO, Cynara Monteiro. Ementa constitucional 95/2016 e o teto dos gastos públicos: Brasil de volta ao estado de exceção econômico e ao capitalismo do desastre. Revista de Investigações Constitucionais, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 259-281, jan./abr. 2017.

MENEZES, Mauricio Ferreira et al. Matriz de distribuição do orçamento para a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica: análise crítica e proposição de um novo modelo. In: CONGRESSO LATINO IBERO AMERICANO DE GESTAO DA TECNOLOGIA, 16., 2015. Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2015. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2019.

MOURA, Marina Lourenço. Avaliação do Programa Ciência Sem Fronteiras: um estudo na área de ciências agrárias da Universidade Federal de Viçosa – VIÇOSA/MG. 2008. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) – Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, Viçosa, 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2019.

ROMANELLI, Otázia de Oliveira. História da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fineduca adota o formato de publicação contínua.

 

Fontes de Indexação:

LATINDEX

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.