Estratégias e representações em tempos de censura: os casos da La Opinión (Argentina) e Opinião (Brasil)

Marina Poggi

Resumo


A “imprensa de análise” se consolida na América Latina na década de 70 com o jornal La Opinión (Argentina, 1971) e a Opinião semanal (Brasil, 1972) num contexto de restrição à liberdade de expressão. As novidades foram as colunas assinadas, a falta de espaço editorial, a priorização da análise de alguns tópicos em vez do fornecimento de uma variedade de informações atuais e o foco nas minorias com interesses particulares. A marca que caracteriza ambos os meios residia na utilização de caricaturas e composição de imagens de sentido irônico como uma estratégia para expressar o que não pode ser colocado em texto. Contemplando tais semelhanças, a proposta é estudar o desempenho da imprensa em seu papel de ator político no início de um período de censura que vai deixar a sua marca na história da democracia latino-americana.

Palavras-chave


Análise de imprensa. Representação. Discursos.

Texto completo:

PDF (Español (España))


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201635.177-209



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)