O Sujeito Emancipado nas Pedagogias Críticas

Autores

  • Maria Manuela Alves Garcia UFPel

Palavras-chave:

pós-estruturalismo, pedagogias críticas, subjetividade educada crítica.

Resumo

O texto enfoca as relações entre pedagogia crítica e subjetivação, a partir das contribuições teóricometodológicas de Michel Foucault, Gilles Deleuze e outros autores pós-estruturalistas, argumentando acerca do envolvimento das pedagogias críticas em formas de governo da conduta dos sujeitos contemporâneos. Utilizo como corpus discursivo de análise alguns discursos pedagógicos críticos e progressistas que circularam no campo educacional brasileiro entre as décadas de 1980 e 1990, descrevendo as formas de subjetividade que são instituídas por esses discursos. O sujeito crítico das pedagogias analisadas é o indivíduo ou a classe social esclarecidos, soberanos, ativos, (auto-)reflexivos, plenamente desenvolvidos, emancipados e auto-responsáveis por suas próprias condutas no mundo e na história; trata-se de uma forma de subjetividade que se insere em um regime do eu humanista que tem raízes numa antropologia socrático-cristã

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Manuela Alves Garcia, UFPel

Professora do Departamento de Ensino da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Arquivos adicionais

Como Citar

Alves Garcia, M. M. (2012). O Sujeito Emancipado nas Pedagogias Críticas. Educação &Amp; Realidade, 26(2). Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/26137

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)