Tocar o futuro em seu lado de cá: tradução em Sandra Mara Corazza

Autores

  • Cristiano Bedin da Costa Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre/RS – Brasil

Palavras-chave:

Sandra Mara Corazza; Docência; Tradução; Transcriação.

Resumo

Na geografia do pensamento de Sandra Mara Corazza, a tradução constitui um entre-lugar de apropriação e recuperação poética da tradição. Estruturada desde Walter Benjamin, Paul Valéry, Jacques Derrida, Haroldo de Campos, entre outros, a noção é um desdobramento crítico da escrileitura, neologismo que nomeia um modo transcriador de ler e reescrever elementos originais científicos, filosóficos, artísticos, na língua curricular e didática. O vínculo entre tradução e escrileitura se estabelece por montagens alegóricas de diferentes tempos e usos do signo na operação do texto e ocasião da aula. Esse saber-fazer peculiar, chamado didática-artista da tradução, sugere uma imagem docente sempre em via de fazer-se, continuamente reimaginada pelo presente da criação. Assim como as matérias de seu ofício, a didática-artista vive e adquire mais vida em transcriação, condição que faz de seu dever-traduzir um compromisso ético e político de diferenciar, diferenciando-se. Na vida/obra de Sandra, o encontro contém a ruptura, um modo de tocar o futuro em seu lado de cá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Bedin da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre/RS – Brasil

Cristiano Bedin da Costa é professor do Departam ento de Ensino e Currículo e do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Coordenador da Rede de Pesquisa Escrileituras da Diferença em Filosofia-Educação.

Publicado

2022-11-01

Como Citar

Costa, C. B. da. (2022). Tocar o futuro em seu lado de cá: tradução em Sandra Mara Corazza. Educação &Amp; Realidade, 47. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/124432

Edição

Seção

Sandra Mara Corazza: uma vida...