Gestão Autônoma da Medicação: saberes e visibilidades de usuários de saúde mental em universidades no interior do RS

Autores

  • Leonardo Lima de Senna Universidade Federal de Santa Maria
  • Marcos Adegas de Azambuja Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.86774

Palavras-chave:

saúde mental, gam, usuários, autonomia

Resumo

Este artigo abordou os efeitos de uma pesquisa da estratégia da Gestão Autônoma da Medicação em usuárias(os) da saúde mental que passam a ocupar o lugar de palestrantes em ambientes acadêmicos no interior do RS. Por objetivo geral pretendeu analisar como se constituíram esses investimentos e visibilidades no saber das(os) usuárias(os) para frequentarem essas universidades. Também intentou-se descrever as relações de saber e poder e os limites da prática de autonomia nas salas de aula. Por uma abordagem de inspiração foucaultiana, mapeou-se o campo estratégico produzido pela pesquisa e os enunciados ‘saber no corpo’ e ‘autonomia’ pela experiência de seis participações dessas pessoas como palestrantes. Discute-se a produção de um corpo que encontra outras possibilidades além da relação com o medicamento e a loucura, assim como um processo de autonomia temporária no jogo de forças da ação de uns sobre os outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amarante, P. (2000). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Basaglia, F. (1985). A instituição negada. Rio de Janeiro: Graal.

Campos, O. R. T. Palombini, A. L. Silva, A. E. Passos, E. Leal, E. Serpa, O. Marques, C. Gonçalves, L. L. Santos, D. Surjus, L. T. Arantes, R. L. Emerich, B. Otanari, T. M. C. Stefanello, S. et alli. Adaptação multicêntrica de um Guia para a Gestão Autônoma da medicação. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, v. 16, n. 43, p. 967-980, out/dez/2012.

Campos, O. R. T., Passos, E., Leal, E., Palombini, A., Serpa, O. et. al. (2012). Guia da gestão autônoma da medicação – GAM DSC/FCM/UNICAMP; AFLORE; IPUB/UFRJ; DP/UFF; DPP/UFRGS: Disponível em: http://www.fcm.unicamp.br/fcm/ laboratorio-saude-coletiva-e-saude-mental-interfaces.

Campos, O. R. T., Passos, E., Palombini, A. (2014) Gestão autônoma da medicação – Guia de Apoio a Moderadores. DSC/FCM/UNICAMP; AFLORE; DP/UFF; DPP/UFRGS: Disponível em: http://www.fcm.unicamp.br/fcm/laboratorio-saude-coletiva-e-saude- mental-interfaces.

Canguilhem, G. (2009). O normal e o patológico. 6.ed. rev. - Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Deleuze, G. (1988). Diferença e repetição. Tradução L. Orlandi & R. Machado. Rio de Janeiro: Graal.

Deleuze, G. (2005). Foucault. Tradução Claudia Sant’Anna Martins; revisão da tradução Renato Ribeiro. São Paulo, SP. Brasiliense.

Furlan, P.G, Campos, G.W. (2014). Pesquisa-apoio: pesquisa participante e o método Paideia de apoio institucional. Comunicação Saúde Educação. 18(1): 885-894.

Furtado, J.P. (2006). Avaliação de programas e serviços de saúde. In: Minayo, MCS & Campos, GWS & Akerman, M. & Drumond Júnior M. & Carvalho Y. (Org.). Tratado de saúde Coletiva. 1 ed. SP: Hucitec, v. 1, p. 669-714.

Foucault, M. (1972). História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo, SP: Editora Perspectiva.

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Rio de Janeiro, RJ: Graal

Foucault, M. (2000 a). Doença Mental e Psicologia. Rio de Janeiro, RJ: Tempo Brasileiro.

Foucault, M. (2000 b). As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (1988). História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Foucault, M. (2009). O sujeito e o poder. In: Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. Michel Foucault. Uma Trajetória Filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.

Foucault, M. (2014). A Ordem do discurso. São Paulo, SP: Edições Loyola.

Goffman, E. (1982). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

Goffman, E. (1974). Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva.

Guba, E.G. & Lincoln, Y.S. (1989). Fourth Generation Evaluation. Sage Publications. Newbury Park, 1989, 294 p.

Kant, I. (2011). Fundamentação da metafísica dos costumes. Coimbra: Edições 70.

Kinoshita, R. T. (2001). O outro da reforma: contribuições da teoria da autopoiese para a problemática da cronicidade no contexto das reformas psiquiátricas (Tese de Doutorado). Recuperado de http:// libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000218828

Lancetti, A. (2013). Saúdeloucura: Saúde Mental e Saúde da Família, nº7, 3ª ed. São Paulo, Hucitec.

Marques, C.C., Palombini, A, Passos, E., Campos, O. R. T. (2013). Sobre mudar de lugar e produzir diferenças – A voz dos usuários de serviços públicos de saúde mental. Mnemosine Vol.9, nº1, p. 106-126.

Maturana, H. R., & Varela, F. (2004). A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. São Paulo: Palas Athena.

Nietzsche, F. (1999). A gaia ciência. In F. Nietzsche (Org.), Obras incompletas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural.

Onocko, C. R. (2001). Clínica: a palavra negada - sobre as práticas clínicas nos serviços substitutivos de saúde mental. Saúde em debate, Rio de Janeiro, V. 25, n. 58, p. 98-111.

Passos, E., Benevides, R. (2001). Clínica e Política na Experiência do Contemporâneo. Psicologia Clínica,13 (1): 89-100.

Poli, M. C. (2006). O sujeito na ciência: questões à bioética. Psicologia Social, 18(3). doi: 10.1590/S0102-71822006000300002

Rotelli, F., Leonardis, O., Mauri, D.(2001). Desinstitucionalização. São Paulo: Editora Hucitec.

Zambillo, M., Palombini, A. L. (2017). Autonomias errantes: Processos de autonomização em saúde mental, Estudos de Psicologia, 22(1), 78-88.

Downloads

Publicado

2019-07-26

Como Citar

Senna, L. L. de, & Adegas de Azambuja, M. (2019). Gestão Autônoma da Medicação: saberes e visibilidades de usuários de saúde mental em universidades no interior do RS. Revista Polis E Psique, 9(2), 67–86. https://doi.org/10.22456/2238-152X.86774

Edição

Seção

Artigos