Relações Multi/interculturais em Tempos de Pandemia: Reflexões Identitárias com Acadêmicos Indígenas no Ambiente Universitário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.107570

Palavras-chave:

Identidade, Multicultural, Indígenas, Pandemia, Educação

Resumo

Esse artigo pretende fazer uma reflexão sobre relações Multi/interculturais no ambiente universitário em tempo de pandemia, com o olhar para os acadêmicos indígenas. Nesse sentido, o trabalho mostra a inserção dos indígenas na Educação Básica e no Ensino Superior para compreender a produção identitária nos espaços educacionais de fronteira na relação com alteridade, diferença e hospitalidade, bem como, discutir inclusão\exclusão dos indígenas face às dificuldades apresentadas com o advento da pandemia de Sars-CoV-2 no Brasil, tendo como suporte teórico os Estudos Culturais. Como estratégias metodológicas utiliza-se revisão de literatura e acompanhamento de estratégias do Núcleo de Estudos e Pesquisas das Populações Indígenas (NEPPI) da Universidade Católica Dom Bosco durante o período de pandemia para atender os alunos indígenas no calendário remoto. Refletir sobre alteridade, hospitalidade e diferença face ao contexto da pandemia se torna urgente para pensar os jogos de inclusão\exclusão dos povos indígenas na Educação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Francisco Sarmento Nogueira, Universidade Católica Dom Bosco

Professor no curso de Design e Filosofia, professor colaborador do programa de Pós-Graduação Stricto Sensu: Mestrado e Doutorado em Psicologi e pesquisador do NEPPI/UCDB (Núcleo de Estudos e Pesquisas das Populações Indígenas) na Universidade Católica Dom Bosco.

Júlia Arruda da Fonseca Palmiere, Universidade Católica Dom Bosco

Psicóloga e mestranda em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco.

Referências

Bauman, Z. (2003). Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Zahrar.

Bauman, Z. (2012). Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Benites, E. (2014). Oguata Pyahu (Uma Nova Caminhada) no Processo de Desconstrução e Construção da Educação Escolar Indígena da Aldeia Te’ýikue. (Dissertação de Mestrado, 130 f). Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS. Brasil.

Bergamaschi, & Medeiros (2010) História, memória e tradição na educação escolar indígena: o caso de uma escola Kaingang. Revista Brasileira de História, 30(60). https://doi.org/10.1590/S0102-01882010000200004

Bhabha, H. K. (2003). O local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Brand, A. (1998). Autonomia e globalização: temas fundamentais no debate sobre educação escolar indígena no contexto do Mercosul. Série-Estudos. 3(7), 7-20. Recuperado de https://www.serie-estudos.ucdb.br/serie-estudos/article/view/620.

Canclini, N. F. (1998). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP.

Candau, V. Sociedade multicultural e educação: tensões e desafios. In F Candau (Org.). Didática crítica e intercultural: aproximações (pp. 15-40). Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

Canevacci, M. (2005, março). Gemação diaspórica e subjetividade sincrética. In: Seminário internacional gemas da terra: imaginação estética e hospitalidade. Departamento de Filosofia da USP. São Paulo, SP, Brasil.

Carrara, G. (2020, 18, maio). Situação de estudantes indígenas se agrava sem acesso à internet. Notícias R7. Recuperado de https://noticias.r7.com/educacao/situacao-de-estudantes-indigenas-se-agrava-sem-acesso-a-internet-18052020

CNN Brasil. (2020). Leia a íntegra da transcrição da reunião ministerial com Bolsonaro. São Paulo. Recuperado de https://asmetro.org.br/portalsn/wp-content/uploads/2020/05/Leia-a-%C3%ADntegra-da-transcri%C3%A7%C3%A3o-da-reuni%C3%A3o-ministerial-com-Bolsonaro-_-CNN-Brasil.pdf

Colman, R. S. (2007). Território e sustentabilidade: os Guarani e os Kaiowá de Yvy Katu (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Local. Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, Brasil.

Conselho Nacional de Educação Básica (1999). Resolução nº 03, de 10 de novembro de 1999. Brasília, Brasil.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1995). Mil Platôs, v. 03. São Paulo: Editora 34.

Derrida, J. (2003). Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar da hospitalidade. São Paulo: Escuta.

Fleuri, R. M. (2001). Desafios à educação intercultural no Brasil. Sociedade e Culturas, 2(16), 45-62. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/184878.

Grosfoguel, R. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, 1(31), 25-49. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, 2(22), 15-46. https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71361

Hall, S. (2004). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP & A.

Krenak, A. (2020). O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras.

Lima, F. (2018). Bio-necropolítica: diálogos entre Michel Foucault e Achille Mbembe. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 70(n. esp.), 20-33. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672018000400003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Melià, B. (1979). Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Edições Loyola.

Melià, B. (1999). Educação indígena na escola. Caderno Cedes, 11(49), 11-17. https://doi.org/10.1590/S0101-32621999000200002

Mídia Max (2020, jul). Aquidauana tem mais 2 mortes por coronavírus; entre os 20 pacientes internados, 15 são indígenas. Recuperado de https://www.midiamax.com.br/cotidiano/2020/aquidauana-tem-mais-2-mortes-por-coronavirus-entre-os-20-pacientes-internados-15-sao-indigenas.

Milanez, F. & Vida, S. (2020). Pandemia, racismo e genocídio indígena e negro no Brasil: coronavírus e a política da morte. São Paulo: N-1. Recuperado de https://n-1edicoes.org/096

Ministério da Educação (2020). Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. Diário Oficinal da União. Recuperado de https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376

Nascimento, A. C. & Vieira, C. M. (2011). A escola indígena guarani e kaiowá em Mato Grosso do Sul: experiência emancipatória de educação indígena. In Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH (p. 1-11). São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300889820_ARQUIVO_AnpuhNacional.pdf.

Noelli, F. (1999). A ocupação humana na região Sul do Brasil: arqueologia, debates e perspectivas: 1872-2000. Revista USP, (44), 218-269. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i44p218-269

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In E Lander (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais (pp. 118-142). Buenos Aires: Colección Sur Sur.

Ramires, D. (2009). Ponto de Cultura Teku Arandu. Campo Grande: UCDB.

Said, E. (2011). Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Silva, T. T. (2000). A produção social da identidade da diferença. In T T Silva, S Hall, K Woodward (Orgs.). A perspectiva dos Estudos Culturais (pp. 73-102). Rio de Janeiro: Vozes.

Simão, L. (2003). Historiografia do Contato: demografia indígena e deslocamento através do Território Nacional. In D Guimaraens (Org.). Relatório de pesquisas FAPERJ (pp. 134-160). Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Susnik, B. (1965). El indio colonial del paraguay: el Guarani Colonial Vol. I. Assunção: Museu Etnográfico “Andrés Barbero”.

Susnik, B. (1966). Os Aborígenes do Paraguai: etnohistória dos Guaranis Vol. II. Assunção: Museu Etnográfico “Andrés Barbero”.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

Nogueira, J. F. S., & Palmiere, J. A. da F. (2021). Relações Multi/interculturais em Tempos de Pandemia: Reflexões Identitárias com Acadêmicos Indígenas no Ambiente Universitário. Revista Polis E Psique, 11, 204–226. https://doi.org/10.22456/2238-152X.107570

Edição

Seção

Número especial: “Corpos, cidades e hospitalidades”

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)