Adesão da elite brasileira de pesquisadores aos periódicos de acesso aberto: a relação com gênero, região geográfica e grande área do conhecimento

Autores

  • Elaine Hipólito dos Santos Costa Doutora; Unifesp - Bibliotecária, São Paulo, SP, Brasil ; http://orcid.org/0000-0003-1011-3095
  • Simone da Rocha Weitzel Doutora; Professora Associada III da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, RJ, Brasil http://orcid.org/0000-0002-6498-9861
  • Jacqueline Leta Doutora; chefe do Programa de Educação, Gestão e Difusão em Ciências, do Instituto de Bioquímica Médica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil; http://orcid.org/0000-0002-3271-7749

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245263.15-42

Palavras-chave:

Acesso aberto. Periódicos científicos. Ciência brasileira. ScriptLattes. Produção Científica.

Resumo

O presente estudo tem por objetivo avaliar o nível de adesão da elite brasileira de pesquisadores aos periódicos de acesso aberto como estratégia para publicar suas pesquisas. Neste estudo, a elite foi definida como o grupo de 1.205 pesquisadores que recebiam bolsa de produtividade PQ 1A do CNPq em 2016. Foram coletados, na Plataforma Lattes, dados pessoais e acadêmicos e dados sobre a produção científica desses pesquisadores referentes ao período de 2000 a 2015, em quadriênios. Definiu-se adesão como a fração de artigos em acesso aberto de cada um dos 1.205 pesquisadores PQ 1A em relação ao total de artigos que eles publicaram. Foram realizadas três análises, buscando identificar a relação da adesão aos periódicos de acesso aberto com: (1) o gênero dos pesquisadores, (2) a região geográfica da instituição de vínculo e (3) a grande área de pesquisa definida pelo CNPq. Verificou-se, ao longo dos quadriênios, uma redução na faixa de pesquisadores classificados como de muito baixa adesão ao acesso aberto, porém, somente 10% dos pesquisadores foram classificados como de alta ou muito alta adesão. Pesquisadoras mulheres, pesquisadores da região Nordeste e pesquisadores das ciências agrárias e das ciências sociais aplicadas mostraram maior adesão aos periódicos de acesso aberto. O conjunto de resultados indica que a adesão a periódicos de acesso aberto pela elite brasileira de pesquisadores, apesar de crescente, ainda é baixa, um cenário preocupante, dado que esse grupo é referência para a comunidade científica brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine Hipólito dos Santos Costa, Doutora; Unifesp - Bibliotecária, São Paulo, SP, Brasil ;

graduada em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Universidade Federal de São Carlos (2007). Mestre em Política Científica e Tecnológica pela Unicamp (2010) abordando temas relacionados a fluxos de informação e a Tecnologia social em empreendimentos solidários. Doutora em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação IBICT/UFRJ (2018) pesquisando a produção científica dos pesquisadores PQ1A do CNPq e a publicação dos resultados em periódicos de acesso aberto. Tem experiência na área de Biblioteconomia e Ciência da Informação atuando em bibliotecas públicas e universitárias. Atualmente, é Bibliotecária na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Campus São Paulo (desde 2010) e suas áreas de interesse versam sobre redes de colaboração, informação tecnológica, implantação de periódicos digitais, produção científica, repositórios institucionais, saúde, revisão sistemática, acesso aberto, Lei de Acesso à informação e Políticas públicas.

 

Simone da Rocha Weitzel, Doutora; Professora Associada III da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Professora Associada III da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), doutora em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo (2006), Mestre em Ciência da Informação pelo convênio Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995) e Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal Fluminense (1988). Faz parte do corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Biblioteconomia (PPGB) onde leciona e orienta na Linha de Pesquisa Biblioteconomia, Cultura e Sociedade no Curso de Mestrado Profissional em Biblioteconomia. Lidera o Grupo de Pesquisa Espaços e Práticas Biblioteconômicas que estuda princípios e conceitos clássicos no ambiente contemporâneo. Desenvolve a pesquisa Em busca de uma abordagem histórica em desenvolvimento de coleções a partir das obras identificadas por Jacques-Charles Brunet. Atua nas áreas de Biblioteconomia e Ciência da Informação com ênfase em desenvolvimento de coleções, comunicação científica, repositórios digitais, e metodologia da pesquisa. Foi bolsista do Programa Pesquisador UNIRIO Produtividade em Pesquisa-PROPG (PQ-UNIRIO) e da FBN e recebeu auxílio APQ1 FAPERJ

Jacqueline Leta, Doutora; chefe do Programa de Educação, Gestão e Difusão em Ciências, do Instituto de Bioquímica Médica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil;

Possui graduação em Ciencias Biológicas pela UFRJ (1992), tendo obtido os títulos de mestrado e doutorado em Gestão, Educação e Difusão em Ciências pela UFRJ nos anos de 1995 e 1999, respectivamente. Desde 1994, tem liderado pesquisas no campo da Bibliometria e Cienciometria, com ênfase nas análises da comunicação científica brasileira, principalmente nas temáticas Ciência e Saúde e Ciência e Gênero. Foi pesquisadora da Pró-Reitoria de Pesquisa da USP (2000 a 2002), membro da Comissão Permanente de Indicadores de C&T, do MCT (2003) e membro da Comissão de Avaliação do Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil (2010). Participa do corpo de editores de revistas nacionais e internacionais, sendo, desde 2015, integrante da comissão editorial dos Anais de Academia Brasileira de Ciências. Membro do Comitê Executivo da International Society of Scientometrics and Informetrics (ISSI) de 2013 a 2017, organizou o 1o Encontro Brasileiro em Bibliometria e Cientometria em 2008 e a Conferência Internacional em Cientometria e Informetria em 2009, ambos no Rio de Janeiro. Realizou o pós-doutorado na Univ Católica de Leuven em 2005, sob a coordenação do Dr. Glanzel, um dos principais nomes da cientometria mundial. De 2015, foi eleita coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, convênio IBICT - UFRJ, do qual participa como docente permanente desde 2009. Atualmente é chefe do Programa de Educação, Gestão e Difusão em Ciências, do Instituto de Bioquímica Médica, onde tem vínculo de docente associada. Ao longo da carreira, orientou dezenas de alunos da graduação e da pós-graduação e publicou um livro, capítulos de livros e diversos artigos sobre a ciência brasileira. 

Referências

ARCHAMBAULT, E. et al. Proportion of open access papers published in peer-reviewed ¬journals at the European and world levels-1996-2013. Montreal: Science-Metrix, 2014.

ARCHAMBAULT, E. et al. Research impact of paywalled versus open access papers. Copyright, Fair Use, Scholarly Communication, etc., Nebraska, n. 29, p. 1-6, 2016.

BARTHOLOMEW, R. E. Science for sale: the rise of predatory journals. Journal of the Royal Society of Medicine, London, v. 107, n. 10, p. 384-385, Oct. 2014. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0141076814548526. Acesso em: 30 set. 2020.

BJÖRK, B.; HOLMSTRÖM, J. Benchmarking scientific journals from the submitting author's viewpoint. Learned Publishing, Hatfield, v. 19, n. 2, p. 147-155, 2006.

BOUKACEM-ZEGMOURI, C. et al. French publishing attitudes in the open access era: the case of mathematics, biology, and computer science. Learned Publishing, Hatfield, v. 31, p. 345-354, 2018.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.Chamada CNPq Nº 09/2018 Bolsas de Produtividade em Pesquisa - PQ. Brasília, DF: CNPq, 2018. Disponível em: http://cnpq.br/chamadas-publicas?p_p_id=resultadosportlet_WAR_resultadoscnpqportlet_INSTANCE_0ZaM&filtro=abertas&detalha=chamadaDivulgada&idDivulgacao=8022. Acesso em: 1 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. RN-028/2015. Bolsas individuais no país. Resolve estabelecer as normas gerais e específicas para as modalidades de bolsas individuais no País relacionadas no Anexo I. Brasília, DF: CNPq, 2015. Disponível em:http://cnpq.br/web/guest/view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/2958271?COMPANY_ID=10132. Acesso em: 4 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. IS-004/2003. Bolsa de Produtividade em Pesquisa. Resolve estabelecer os procedimentos para o processo de concessão e implementação da bolsa de Produtividade em Pesquisa, visando ao incentivo à execução de projetos de pesquisa científica e/ou tecnológica. Brasília, DF: CNPq, 2003. Disponível em: http://cnpq.br/view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/71276. Acesso em: 9 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Brasil: Pesquisadores cadastrados no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq por sexo, 2000/2016. In: BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Recursos Humanos: indicadores de grupos de pesquisa. Brasília: MCTIC, 2019a. cap. 3.6.2. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/indicadores/detalhe/Recursos_Humanos/RH_3.6.2.html. Acesso em: 8 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Brasil: pesquisadores cadastrados no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq por grande área e sexo, 2000/2010. In: BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Recursos Humanos: indicadores de grupos de pesquisa. Brasília: MCTIC, 2019b. cap. 3.6.4. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/indicadores/detalhe/Recursos_Humanos/RH_3.6.4.html. Acesso em: 8 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 013, de 15 de fevereiro de 2006. Institui a divulgação digital das teses e dissertações produzidas pelos programas de doutorado e mestrado reconhecidos. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2006. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Portaria_013_2006.pdf. Acesso em: 25 jul. 2020.

BRÖCHNER, J.; BJÖRK, B. C. Where to submit? Journal choice by construction management authors, London, v. 26, n. 7, p. 739-749, 2008.

CHEUNG, C. K. Audience matters: a study of how authors select educational journals. Asia-Pacific Education Researcher, Singapore, v. 17, n. 2, p. 191-201, 2008.

COSTA, E. H. S. Periódicos de acesso aberto: um canal de disseminação dos pesquisadores bolsistas PQ1A do CNPq? 2018. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

COSTA, S. M. S.; KURAMOTO, H.; LEITE, F. C. L. Acesso Aberto no Brasil: aspetos históricos. In: RODRIGUES, E.; SWAN, A.; BAPTISTA, A. A. (ed.). Uma década de acesso aberto na UMinho e no mundo. Braga: Publito, 2013. p. 133-150.

DOAJ Directory of Open Access Journals. [S. l.]: DOAJ, c2019. Disponível em: https://doaj.org/. Acesso em: 9 dez. 2019.

EISEN, Michael. The OA Interviews: Michael Eisen, co-founder of the Public Library of Science [Entrevista concedida à] Richard Poynder. Feb. 2012. 19 p. Disponível em: https://www.richardpoynder.co.uk/Eisen_Interview.pdf. Acesso em: 21 jul. 2020.

FIOCRUZ. Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde. Bolsa de produtividade em Pesquisa (Chamada CNPq 06/2019). Salvador, 2019. Disponível em: https://cidacs.bahia.fiocruz.br/2019/05/23/bolsas-de-produtividade-em-pesquisa-chamada-cnpq-06-2019/. Acesso em: 21 jul. 2020.

FURNIVAL, A. C.; GUIRRA, D. A. R. As percepções e práticas de publicação em acesso aberto dos pesquisadores de dois programas de pós-graduação em engenharia. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 469-488, 2017.

FURNIVAL, A. C. M.; SILVA-JEREZ, N. S. Percepções de pesquisadores brasileiros sobre o acesso aberto à literatura científica. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 27, n. 2, p. 153-166, 2017.

GORDON, M. D. How authors select journals: a test of the reward maximization model of submission behaviour. Social Studies of Science, Beverly Hills, v. 14, n. 1, p. 27-43, 1984.

GUMPENBERGER, C.; OVALLE-PERANDONES, M. A.; GORRAIZ, J. On the impact of Gold Open Access journals. Scientometrics, Amsterdam, v. 96, n. 1, p. 221-238, 2013.

HARLEY, D. et al. The Influence of academic values on scholarly publication and communication practices. Berkeley: Center for Studies in Higher Education, 2006.

HARNAD, S. OA advocate Stevan Harnad withdraws support for RCUK policy. In: POYNDER, R. Blog Open & Shut? [S. l.], 26 July 2012a. Disponível em: https://poynder.blogspot.com/2012/07/oa-advocate-stevan-harnad-withdraws_26.html. Acesso em: 10 dez. 2019.

HARNAD, S. Why the UK Should Not Heed the Finch Report. In: TASTE, M. Blog LSE Impact.[S. l.], 4 July 2012b. Disponível em: https://blogs.lse.ac.uk/impactofsocialsciences/2012/07/04/why-the-uk-should-not-heed-the-finch-report/. Acesso em: 21 jul. 2020.

KHOMAMI, N. All scientific papers to be free by 2020 under EU proposals: results of research supported by public and public-private funds set to be made freely available to all. The Guardian, [London], 28 May 2016.

KHOO, SY-S. Article processing charge hyperinflation and price insensitivity: an open access sequel to the serials crisis. LIBER Quarterly, Hague, v. 29, n. 1, p. 1-8, 2019.

KURAMOTO, H. O relatório FINCH e suas repercussões. In: KURAMOTO, H. Blog do Kuramoto. [S. l.], 21 ago. 2012. Disponível em: https://kuramoto.wordpress.com/2012/08/21/o-relatorio-finch-e-suas-repercussoes/. Acesso em: 10 dez. 2019.

LARIVIÈRE, V. G.; LOZANO, A.; GINGRAS, I. Are elite journals declining? Journal of the Association for Information Science and Technology, Hoboken, v. 65, n. 4, p. 649-655, 2014.

LARIVIÈRE, V.; HAUSTEIN, S.; MONGEON, P. The Oligopoly of Academic Publishers in the Digital Era. PLoS One, San Francisco, v. 10, n. 6, p. 1-15, 2015.

LIMA, B. S.; BRAGA, M. L. S.; TAVARES, I. Participação das mulheres nas ciências e tecnologias: entre espaços ocupados e lacunas. Gênero, Niterói, v. 16, n. 1, p. 11-31, 2015.

MARQUES, F. FAPESP lança política para acesso aberto. Pesquisa FAPESP, São Paulo, v. 277, 2019.

MENA-CHALCO, J. P.; CESAR-JÚNIOR, R. M. ScriptLattes: uma ferramenta para extração e visualização de conhecimento a partir de Currículos Lattes. Journal of the Brazilian Computer Society, [s. l.], v. 15, n. 4, p. 31-39, 2009. Disponível em: http://scriptlattes.sourceforge.net/. Acesso em: 29 out. 2019.

MOORE, G. Survey of University of Toronto Faculty awareness, attitudes, and practices regarding scholarly communication: a preliminary report. Toronto: University of Toronto, 2011.

NASSI-CALÒ, L. Taxas de publicação em Acesso Aberto: nova crise das publicações seriadas? In: SCIELO. Blog SciELO em Perspectiva. São Paulo, 2016. Disponível em: https://blog.scielo.org/blog/2016/11/29/taxas-de-publicacao-em-acesso-aberto-nova-crise-das-publicacoes-seriadas/#.Xqiu_ilKjcd. Acesso em: 9 dez. 2019.

NICHOLAS, D. et al. Early career researchers and their publishing and authorship practices. Learned Publishing, Hatfield, v. 30, n. 3, p. 205-217, 2017.

ODLYZKO, A. The economics of electronic journals. In: EKMAN, R.; QUANDT, R. E. (ed.). Technology and scholarly communication. Berkerley: University of California Press, c1999. p. 380-393.

OPEN ACCESS 2020. Expression of interest in the large-scale implementation of open access to scholarly journals. Munich: Max Planck Digital Library, 2019. Disponível em: https://oa2020.org/mission/#eois. Acesso em: 10 dez. 2019.

OPEN SOCIETY INSTITUTE. Iniciativa de Budapeste pelo Acesso Aberto. Budapest: Open Society Institute, c2001.

PACKER, A. L.; MENEGHINI, R. O SciELO aos 15 anos: raison d'être, avanços e desafios para o futuro. In: PACKER, A. L., et al. (ed.). SciELO – 15 Anos de Acesso Aberto: um estudo analítico sobre Acesso Aberto e comunicação científica. Paris: UNESCO, 2014. p. 15-28. Disponível em: http://old.scielo.org/local/File/livro.pdf. Acesso em: 4 nov. 2019.

PAVAN, C.; BARBOSA, M. C. Article processing charge (APC) for publishing open access articles: the Brazilian scenario. Scientometrics, Amsterdam, v. 117, n. 2, p. 805-823, 2018.

PEPERMANS, G.; ROUSSEAU, S. The decision to submit to a journal: another example of a valence-consistent Shift? Journal of the Association for Information Science and Technology, Hoboken, v. 67, n. 6, p. 1372-1383, 2016.

PRÍNCIPE, P. et al. Os investigadores em Portugal e a sua relação com o Acesso Aberto à produção científica. In: RODRIGUES, E.; SWAN, A.; BAPTISTA, A. A. (ed.). Uma década de acesso aberto na UMinho e no mundo. Braga: Publito, 2013. p. 173-186.

RODRIGUES, E. Implementação do Plano S: reação do RCAAP e apelo à comunidade. In: UMIC. Blog RCAAP: Repositórios Científicos de Acesso Aberto de Portugal. [S. l.], 2019. Disponível em: https://blog.rcaap.pt/2019/02/05/implementacao-do-plano-s-reacao-do-rcaap-e-apelo-a-comunidade/#more-3278. Acesso em: 5 nov. 2019.

RODRIGUEZ, J. E. Awareness and attitudes about open access publishing: a glance at generational differences. The Journal of Academic Librarianship, Amsterdam, v. 40, n. 6, p. 604-610, 2014.

SCHILTZ, M. Why Plan S. Bruxelas: Science Europe, 2018. Disponível em: https://www.coalition-s.org/why-plan-s/. Acesso em: 9 dez. 2019.

SCHROTER, S.; TITE, L.; SMITH, R. Perceptions of open access publishing: interviews with journal authors. British Medical Journal, London, v. 330, n. 7494, p. 756, 2005.

SHEIKH, A. Faculty awareness, use and attitudes towards scholarly open access: a Pakistani perspective. Journal of Librarianship and Information Science, London, v. 51, n. 3, p. 612-628, 2017.

SOLOMON, D. J. Strategies for developing sustainable open access scholarly journals. First Monday, Bridgman, v. 11, n. 6, 2006.

STARBUCK, W. H. How much better are the most-prestigious journals? The statistics of academic publication. Organization Science, New York, v. 16, n. 2, p. 180-200, 2005.

SWAN, A. The costs and benefits to the research community of Open Access: a briefing paper. [S. l.]: PASTEUR4OA, Mar. 2016. Disponível em: http://www.pasteur4oa.eu/sites/pasteur4oa/files/resource/Costs%20of%20OA%20final_0.pdf. Acesso em: 8 abr. 2020.

TENOPIR, C. et al. Imagining a gold open access future: attitudes, behaviors, and funding scenarios among authors of academic scholarship. College & Research Libraries, Chicago, v. 78, n. 6, p. 824-843, 2017.

Downloads

Publicado

2020-09-16

Como Citar

COSTA, E. H. dos S.; WEITZEL, S. da R.; LETA, J. Adesão da elite brasileira de pesquisadores aos periódicos de acesso aberto: a relação com gênero, região geográfica e grande área do conhecimento. Em Questão, Porto Alegre, v. 26, n. 3, p. 15–42, 2020. DOI: 10.19132/1808-5245263.15-42. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/99359. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo