Quem fala consente? Diálogo sobre o dizer e o calar na Academia

Autores

  • Ariadne Cedraz Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Marciana ZAMBILLO Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Raquel Guerreiro Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.97564

Palavras-chave:

conceito, escrita acadêmica, método da dramatização

Resumo

Este escrito, que se pretende um Texto – conceito exposto por Costa (2017), o qual considera que o encontro com uma escrita produz acontecimento – parte das proposições colocadas por Deleuze em O método da dramatização e em Um manifesto de menos, além de considerar os escritos de Sílvia Balestreri acerca do trabalho de Carmelo Bene e seus desdobramentos. Trata-se de uma escrita que começa em um percurso que se instaura antes mesmo do início de uma sentença e vale-se de Clarice Lispector para firmar-se como algo que começa e cresce pelo meio. Ao mesmo tempo, é um escrito que, a partir de Costa, Deleuze, Guattari, Lapoujade, entre outros autores e artistas, pede passagem para não ter fim. Flertando com a escrita teatral, o presente trabalho intenta apresentar o fenômeno-circunstância – personificado na personagem Palavra dita-demais – por meio do qual conceitos perdem força e sentido, ao serem aplicados e replicados de forma vazia, em nossos próprios discursos. Tal fenômeno sinaliza que dadas palavras-conceito podem virar símbolo de status, assim como podem servir para viabilizar um diálogo que repete o mesmo, sem levar ao pensamento e à criação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariadne Cedraz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda do Programa de Pós-graduação de Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Marciana ZAMBILLO, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda do Programa de Pós-graduação de Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Raquel Guerreiro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda do Programa de Pós-graduação de Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

Andrade, Carlos Drummond de (2013). No meio do caminho. In Alguma poesia (p. 36). São Paulo: Companhia das Letras.

Buarque, Chico (1995). Uma palavra [Gravada por Chico Buarque] In Uma palavra [CD] Rio de Janeiro, RJ: Sony & BMG. (1995).

Costa, Luciano Bedin da. (2017) Ainda escrever - 58 combates para uma política do Texto. São Paulo: Lumme.

Camus, Albert (2018). Estado de sítio. Rio de Janeiro: Record.

Deleuze, Gilles. (2004) O método da dramatização. In Lapoujade, David (Org.) A ilha deserta e outros textos – Textos e entrevistas (1953-1974) (pp. 131- 161). São Paulo: Iluminuras.

Deleuze, Gilles. (2010). Um manifesto de menos. In Deleuze, Gilles Sobre o teatro (pp.25-64). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Deleuze, Gilles & Guattari, Félix. (1992) O que é a filosofia. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Huizinga, Johan (1999). Homo Ludens – O jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva.

Lapoujade, David (2017). Existências mínimas. São Paulo: n-1 edições.

Lispector, Clarice (1998). Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres. Rio de Janeiro: Rocco.

Marques, Roberto (2014). Quem se “garante” no forró eletrônico? – produzindo diferenças em contextos de fronteira e ebulição social. Cadernos Pagu, 43, 347-383.

Moraes, Vinicius de (1970). A porta. In A arca de Noé. Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/livros/arca-de-noe

Nietzsche, Friedrich (1998). Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras.

Nunes, Silvia Balestreri (2004). Boal e Bene: contaminações para um teatro menor (Tese de doutorado). Departamento de Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

Nunes, Silvia Balestreri (2018). Carmelo Bene, uma máquina de guerra gaguejante. Revista brasileira de estudos da presença, 8(1), 82-98.

Pelbart, Peter Pál (2016). Introdução. In Pelbart, Peter Pál O avesso do niilismo (pp.13-21). São Paulo: n-1 edições. Pirandello, Luigi (2004). Seis personagens em busca de autor. São Paulo: Peixoto Neto.

Rolnik, Suely (1993). Pensamento, corpo e devir: uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de subjetividade, 1(2), 241-251.

Sartre, Jean-Paul (1964). As palavras. Lisboa: Editores Associados.

Sokal, Alan & Bricmont, Jean (1999). Transgredindo as fronteiras: em direção a uma hermenêutica transformativa da gravitação quântica. In Sokal, Alan & Bricmont, Jean Imposturas intelectuais. Rio de Janeiro: Record.

Taylor, Brigham (Produção) & Foster, Marc (Direção). (2018). Christopher Robin - Um reencontro inesquecível [Filme]. Estados Unidos: Walt Disney Company.

Downloads

Publicado

2019-12-23

Como Citar

Cedraz, A., ZAMBILLO, M., & Guerreiro, R. (2019). Quem fala consente? Diálogo sobre o dizer e o calar na Academia. Revista Polis E Psique, 75–98. https://doi.org/10.22456/2238-152X.97564