Saúde Mental e Interprofissionalidade: experiência de Betim, Minas Gerais, Brasil

Autores

  • Dirley Lellis dos Santos Faria Prefeitura de Betim Instituto René Rachou-FIOCRUZ/MG http://orcid.org/0000-0001-5089-8160
  • Celina Maria Modena Instituto René Rachou - FIOCRUZ/MG; Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Belo Horizonte, Minas Gerais http://orcid.org/0000-0001-5035-3427
  • João Leite Ferreira Neto Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Departamento de Psicologia, Programa de Pós-Graduação, Belo Horizonte, Minas Gerais. http://orcid.org/0000-0003-3900-508X
  • Kênia Lara Silva Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Belo Horizonte, Minas Gerais. http://orcid.org/0000-0003-3924-2122

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.95881

Palavras-chave:

saúde mental, educação permanente, equipe interdisciplinar de saúde

Resumo

O modelo da Atenção Psicossocial trouxe novas formas de organização do trabalho em saúde mental. O objetivo desse estudo foi compreender a dinâmica de trabalho em equipe multiprofissional desenvolvido nos serviços de Betim/MG. O referencial metodológico se baseou na pesquisa qualitativa. Foram realizadas entrevistas narrativas e grupo focal. Sob a orientação da hermenêutica-dialética, foram construídas três categorias de análise: construção do processo de trabalho - aspectos históricos e atuais; trabalho em equipe e repercussões nas profissões; desafios do trabalho. O trabalho na Saúde Mental tem sido desenvolvido por equipes multidisciplinares, numa proposta de organização interprofissional. Os trabalhadores puderam reconstruir lugares identificatórios distintos de suas categorias específicas.  Embora reconheçam que o trabalho em equipe e os dispositivos de reflexão coletiva são essenciais para sustentação do modelo, há desafios que comprometem o cuidado e provocam sofrimento no trabalhador, indicando a necessidade de investimento em Educação Permanente em Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dirley Lellis dos Santos Faria, Prefeitura de Betim Instituto René Rachou-FIOCRUZ/MG

Psicóloga Clínica. Trabalhadora da Saúde Mental

Mestrado em psicologia Social pela UFMG

Doutoranda em Saúde Coletiva pela FIOCRUZ/MG

Celina Maria Modena, Instituto René Rachou - FIOCRUZ/MG; Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Belo Horizonte, Minas Gerais

Possui Pós-Doutorado em Saúde Coletiva pela Fiocruz-MG, Doutorado em Ciências pela UFRRJ, graduação em Psicologia pela UFMG e graduação em Medicina Veterinária pela UFRGS. É orientadora de mestrado e doutorado do curso de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, área Ciências Humanas e Sociais em Saúde, da Fiocruz-Minas.

João Leite Ferreira Neto, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Departamento de Psicologia, Programa de Pós-Graduação, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Graduado em Psicologia pela UFMG, mestrado em Filosofia pela UFMG, doutorado em Psicologia Clínica pela PUC-SP  e pós-doutorado em Psicologia Social pela UERJ. Professor adjunto IV do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e técnico superior de saúde da Prefeitura de Belo Horizonte. 

Bolsita do CNPq.

Kênia Lara Silva, Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais, Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais  e Doutorado pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais e pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Ensino e Prática de Enfermagem (NUPEPE). Bolsita do CNPq.

Referências

Abrahão, A. L., Azevedo, F. F. M., Gomes, M. P. C. (2017). A produção do conhecimento em Saúde Mental e o processo de trabalho no Centro de Atenção Psicossocial. Trabalho Educação Saúde, 15(1), 55-71.

Amarante, P. D. C. (2012). Saúde Mental, Desinstitucionalização e Novas Estratégias de Cuidado. Em L. Giovanella (org.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. 2ed. (pp. 635-655) Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Anjos Filho, N. C., Souza, A. M. P. (2017). A percepção sobre o trabalho em equipe multiprofissional dos trabalhadores de um Centro de Atenção Psicossocial em Salvador, Bahia, Brasil. Interface, 21(60), 63-76.

Ayres, J. R. C. M. (2004). O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde e Sociedade [online], 13(3), 16-29. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000300003

Campos, G. W. S. (2000). Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência Saúde Coletiva, 5(2), 219-230.

Ceccim, R. B. (2017). Interprofissionalidade e experiências de aprendizagem: inovações no cenário brasileiro. Em R. F. C. Toassi (org.). Interprofissionalidade e formação na saúde: onde estamos? [recurso eletrônico]. 1.ed. (pp. 49-67). Porto Alegre: Rede Unida. Recuperado de: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/183942/001064798.pdf?

Ferreira Neto, J. L. (2010). A atuação do psicólogo no SUS: análise de alguns impasses. Psicologia, Ciência e Profissão, 30(2), 390-403.

Furtado, J. P. (2007). Equipes de referência: arranjo institucional para potencializar a colaboração entre disciplinas e profissões. Interface, 11(22), 239-255.

Gadamer, H. G. (1997). Verdade e método. Petrópolis: Vozes.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), (2017). Brasil em Síntese / Minas Gerais. Brasília: IBGE.

Koda, M. Y., Fernandes, M. I. A.(2007). A reforma psiquiátrica e a constituição de práticas substitutivas em saúde mental: uma leitura institucional sobre a experiência de um núcleo de atenção psicossocial. Cadernos de Saúde Pública , 23(6), 1455-1461.

Meirelhes, M. C. P., Kantorski, L. P., Hypolito, A. M. (2011). Reflexões sobre a interdisciplinaridade no processo de trabalho de centros de atenção psicossocial. Revista de Enfermagem da UFSM, 1(2), 282-289.

Merhy, E. E. (2013). Os CAPS e seus trabalhadores: no olho do furacão antimanicomial. Alegria e alívio como dispositivos analisadores. Em T. B. Franco, E. E. Merhy. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde – Textos reunidos. São Paulo: HUCITEC.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec.

Ministério da Saúde. (2011). Portaria n° 3.088. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 30 dez.

Oliveira, T. T. S. S., Leme, F. R. G., Godoy, K. R. G. (2009). O cuidado começa na escuta: profissionais de saúde mental e as vicissitudes da prática. Mental, 7(12), 119-138.

Peduzzi, M. (2017). Educação Interprofissional para o Desenvolvimento de Competências Claborativas em Saúde. Em R. F. C. Toassi (org.) Interprofissionalidade e formação na saúde: onde estamos? [recurso eletrônico]. 1.ed. (pp. 49-67). Porto Alegre: Rede Unida.

Ramminger, T., Brito, J. C. (2008). O trabalho em saúde mental: uma análise preliminar relativa à saúde dos trabalhadores dos serviços públicos. Revista brasileira de saúde ocupacional, 33(117), 36-49.

Ribeiro, M. C. (2015). Trabalhadores dos Centros de Atenção Psicossocial de Alagoas, Brasil: interstícios de uma nova prática. Interface, 19(52), 95-107.

Robaina, C. M. V. (2010). O trabalho do Serviço Social nos serviços substitutivos de saúde mental. Serviço Social e Sociedade, 102, 339-335.

Sampaio, J. J. C., Guimarães, J. M. X., Carneiro, C., Garcia Filho, C. (2011). O trabalho em serviços de saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica: um desafio técnico, político e ético. Ciência e Saúde Coletiva, 16(12), 4685-4694.

Silva, A. L. A., Fonseca, R. M. G. S. (2005). Processo de trabalho em saúde mental e o campo psicossocial. Revista Latino-americana de Enfermagem [online], 13(3), 441-49. Recuperado de: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010411692005000300020

Silva, E. A., Costa, I. I. (2008). Saúde mental dos trabalhadores em saúde mental: estudo exploratório com os profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial de Goiânia/Go. Psicologia em Revista, 14(1), 83-106.

Silva, S. S., Diniz, A. S., Costacurta, M. R. R., Bueno, S. M. V. (2009). O enfermeiro na promoção da saúde mental dos indivíduos: aspectos históricos. Revista de Enfermagem Herediana, 2(2), 99-104.

Tonizza de Almeida, D., Trevisan, E. R. (2011). Estratégias de intervenção da Terapia Ocupacional em consonância com as transformações da assistência em saúde mental no Brasil. Interface, 15(36), 299-307.

Publicado

2022-05-03

Como Citar

Faria, D. L. dos S., Modena, C. M., Ferreira Neto, J. L., & Silva, K. L. (2022). Saúde Mental e Interprofissionalidade: experiência de Betim, Minas Gerais, Brasil. Revista Polis E Psique, 12(1), 7–32. https://doi.org/10.22456/2238-152X.95881

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)