O Lugar do Conceito de Sublimação na Psicodinâmica do Trabalho

Autores

  • Graziele Alves Amaral Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí, Unidade de Ciências Humanas e Letras.
  • Ana Magnólia Bezerra Mendes Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia
  • Daniela Scheinkman Chatelard Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia.
  • Isalena Santos Carvalho Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Humanas (CCH) / Departamento de Psicologia.

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.66740

Palavras-chave:

sublimação, mobilização subjetiva, psicodinâmica do trabalho, clínica do trabalho.

Resumo

Esse artigo, de natureza teórica, objetiva investigar de que maneira o desenvolvimento do conceito dejouriano de mobilização subjetiva no trabalho pode estar atrelado ao conceito freudiano de sublimação. A leitura de Dejours sobre o processo de sublimação concebido por Freud e sua utilização na compreensão da relação do sujeito com o trabalho, permite ampliar a conceituação original e lançar luzes sobre a forma como o sujeito mobiliza-se subjetivamente no trabalho. Este itinerário reflexivo pode contribuir para fundamentar as intervenções propostas pela clínica psicodinâmica do trabalho e instrumentalizar os clínicos do trabalho a atuarem numa perspectiva de emancipação e engrandecimento subjetivo por meio do trabalho. Concebe-se a potência da clínica do trabalho como um dos meios para possibilitar abrir alguns canais na organização do trabalho de modo a favorecer a satisfação sublimatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graziele Alves Amaral, Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí, Unidade de Ciências Humanas e Letras.

Professora Assistente do curso de Psicologia da Universidade Federal de Goiás (UFG) / Regional Jataí, Doutoranda em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações pela Universidade de Brasília (UnB) Mestre em Administração pela FEAD, Psicóloga pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Ana Magnólia Bezerra Mendes, Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia

Professora da Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Social e do Trabalho e Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações - PSTO. Estágio Sênior no Freudian-Lacanian Institute Après-Coup Psychoanalytic Association em parceria com a School of Visual Arts, New York (EUA). Estágio Pós-Doutorado no Conservatoire National des Arts et Métiers (CNAM), Paris. Doutorado em Psicologia pela UnB e sanduíche na Universidade de Bath, Inglaterra, mestrado e graduação em Psicologia.

Daniela Scheinkman Chatelard, Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia.

Professora associada no Programa da Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura - PCL do Instituto de Psicologia na Universidade de Brasília. Possui Graduação em Psicologia pela Universidade Santa Úrsula- RJ (1986). Mestrado em Psicanálise - Université de Paris VIII (1994) e doutorado em Filosofia - Université de Paris VIII (1999).

Isalena Santos Carvalho, Universidade Federal do Maranhão, Centro de Ciências Humanas (CCH) / Departamento de Psicologia.

Docente-adjunto IV do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Maranhão, com exercício na Graduação e no Mestrado em Psicologia. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Maranhão (2001). Fez Mestrado em Psicologia (2004) e doutorado em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (2008).

Referências

Bendassoli, P. F., & Soboll, L. A. P. (2011). Introdução às clínicas do trabalho: aportes teóricos, pressupostos e aplicações. Em P. F. Bendassoli & L. A. P. Soboll (Orgs.), Clínicas do trabalho (pp. 3-21). São Paulo: Atlas.

Birman, J. (2008). Criatividade e sublimação em Psicanálise. Psicologia Clínica, 20 (1), 11-26.

Dejours, C. (2005). O fator humano. Rio de Janeiro: Editora FGV, 5ª ed.

Dejours, C. (2004) Trabalho, subjetividade e ação. Revista Produção, 14 (03), 27-34.

Dejours, C. (2011a). Addendum: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Em S. Lancman & L. Sznelwar (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 57-123). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dejours, C. (2011b). Análise psicodinâmica das situações de trabalho e sociologia da linguagem. Em S. Lancman & e L. Sznelwar (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 287-339). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dejours, C. (2011c). Entre sofrimento e reapropriação: o sentido do trabalho. Em S. Lancman & L. Sznelwar (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 433-448). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Dejours, C. (2012a). Psicodinâmica do trabalho e teoria da sedução. Psicologia em Estudo, 17 (3), 363-371.

Dejours, C. (2012b). Trabalho Vivo: trabalho e emancipação. Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C. (2012c) Trabalho Vivo – Sexualidade e Trabalho. Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C. (2013). A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, 33 (2), 9-28.

Ferraz, F. (2013). Alienação e sublimação no trabalho. Em A. C. Merlo; A. M. Mendes & R. D. Moraes (Orgs.). O sujeito no trabalho: entre a saúde e a patologia (pp. 139-148). Curitiba: Juruá.

Ferreira, J. B., Macêdo, K. B., & Martins, S. R. (2015). Real do trabalho, sublimação e subjetivação. Em J. K. Monteiro, F. de O. Vieira & A. M. Mendes (Orgs.). Trabalho e prazer: teoria, pesquisas e práticas (pp. 33-49). Curitiba: Juruá.

Freud, S. (1905 / 1996). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume VII. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1909 / 1996). Cinco lições de Psicanálise. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume XI. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1910 / 1996). Uma lembrança infantil de Leonardo da Vinci. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume XI. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1912 / 1996). Totem e Tabu. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume XIII. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1914 / 1996). Sobre o narcisismo: uma introdução. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume XIV. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1915/1996). Os instintos e suas vicissitudes. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume XIV. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1923 / 1996). O ego e o Id. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume XIX. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1930 /1996). O Mal estar na civilização. Em: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standart brasileira – Volume XXI. Rio de Janeiro: Imago.

Gernet, I. & Dejours, C. (2011). Avaliação do trabalho e reconhecimento. Em P. F. Bendassoli, & L. A. P. Soboll (Orgs.) Clínicas do trabalho (pp. 61-70). São Paulo: Atlas.

Ghizoni, L. D. (2013). Cooperação. Em F. de O. Vieira; A. M. Mendes, & A. R. C. Merlo (Orgs.). Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 99-102). Curitiba: Juruá.

Lima, S. C. C. (2013). Reconhecimento no trabalho. Em F. de O. Vieira; A. M. Mendes; & A. R. C. Merlo (Orgs.). Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 259-262). Curitiba: Juruá.

Lucero, A. & Vorcaro, A. (2013). Do vazio ao objeto: das Ding e a sublimação em Jacques Lacan. Ágora, 16 (núm. especial), 25-39.

Macêdo, K. B. (2015) Sublimação e a transformação do sofrimento em prazer: a lente da Psicanálise e da Psicodinâmica do Trabalho. Em: K. B. Macêdo (org.). O diálogo que transforma: a clínica psicodinâmica do trabalho (pp. 70-94) Goiânia: Editora PUC Goiás.

Mendes, A. M. (2007). Novas formas de organização do trabalho, ação dos trabalhadores e patologias sociais. Em A. M. Mendes (Org.). Psicodinâmica do Trabalho: teoria, método e pesquisas (pp. 49-61). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M. (2014). Escuta analítica do sofrimento e o saber-fazer do clínico do trabalho. Em A. M. Mendes, R. D. Moraes; & A. R. C. Merlo (Orgs.). Trabalho & Sofrimento: práticas clínicas e políticas (pp. 65-80). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M. (2015). Meu trabalho me adoece? [Entrevista ao Jornal En(Cena) do Centro Universitário Luterano de Palmas – CEULP/ULBRA - por Patrício Reis]. Disponível em: https://www.google.com.br/?gws_rd=ssl#q=entrevista+ana+magn%C3%B3lia+meu+trabalho+me+adoece

Mendes, A. M. & Araújo, L. K. R. (2007). Ressignificação do sofrimento no trabalho de controle de tráfego aéreo. Em A. M. Mendes; S. C. da C. Lima; & E. P. Facas (Orgs.). Diálogos em psicodinâmica do trabalho (pp. 27-41). Brasília: Paralelo 15.

Mendes, A. M; Araújo, L. K. R. & Merlo, A. R. C. (2011). Prática clínica em psicodinâmica do trabalho: experiências brasileiras. Em P. F. Bendassoli; & L. A. P.Soboll (Orgs.), Clínicas do trabalho (pp. 169-187). São Paulo: Atlas.

Mendes, A. M. & Duarte, F. S. (2013a). Mobilização subjetiva. Em F. de O. Vieira; A. M. Mendes; & A. R. C. Merlo (Orgs.). Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 259-262). Curitiba: Juruá.

Mendes, A. M. & Duarte, F. S. (2013b). Notas sobre o percurso teórico da Psicodinâmica do Trabalho. Em: Freitas, L. G. (coord.) Prazer e Sofrimento no Trabalho Docente – pesquisas brasileiras (pp. 13-24). Curitiba: Juruá.

Merlo, A. R. C.; & Mendes, A. M. B. (2009). Perspectivas do uso da psicodinâmica do trabalho no Brasil: teoria, pesquisa e ação. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 12(2), 141-156.

Torezan, Z. F. & Brito (2012). Sublimação: da construção ao resgate do conceito. Ágora, 15 (2), 245-258.

Vasconcelos, A. C. L. (2013). Inteligência prática. Em F. de O. Vieira; A. M. Mendes; & A. R. C. Merlo (Orgs.). Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho (pp. 237-242). Curitiba: Juruá.

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

Amaral, G. A., Mendes, A. M. B., Chatelard, D. S., & Carvalho, I. S. (2018). O Lugar do Conceito de Sublimação na Psicodinâmica do Trabalho. Revista Polis E Psique, 7(3), 200–223. https://doi.org/10.22456/2238-152X.66740

Edição

Seção

Artigos