Software, dado e algoritmo como formas culturais na Netflix

Autores

  • Kélliana Braghini Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) / Mestra
  • Sonia Estela Montaño La Cruz Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) / Doutora

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583201944.161-183

Palavras-chave:

Software, Dados, Algoritmos, Formas culturais, Netflix.

Resumo

O audiovisual contemporâneo – principalmente o que circula em plataformas de vídeo na web – exige olhar para além das narrativas, à medida em que se insere em ambientes mediados por softwares, tornando-se ao mesmo tempo produto e produtor de bancos de dados geridos por algoritmos. Pretendemos neste artigo, compreender como os bancos de dados e os algoritmos se constituem formas culturais e de que maneira impactam particularmente o modo em que o audiovisual da Netflix se enuncia. Para isso, articulamos a metodologia das molduras (KILPP, 2003) e os pressupostos de autores que abordam as mídias na perspectiva tecnocultural – como McLuhan (1993), Manovich (2006, 2015), Flusser (2007) e Chun (2005).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kélliana Braghini, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) / Mestra

Atualmente é mestranda em Ciências da Comunicação na Universidade do Vale do Rio dos Sinos na linha de pesquisa I - Mídias e Processos Audiovisuais e integrante o grupo de pesquisa Audiovisualidades e Tecnocultura: comunicação, memória e design (TCAv). Possui graduação em Jornalismo pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (2014). Foi coordenadora de gestão de talentos - AIESEC Chapecó (2015). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em jornalismo, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura, arte, audiovisual, reportagem e jornalismo literário.

Sonia Estela Montaño La Cruz, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) / Doutora

Sonia Montaño é professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos e nos Cursos de Comunicação Digital e Jornalismo da mesma universidade. Graduada em Comunicação Social Hab Jornalismo, mestre e doutora em Ciências da Comunicação (Unisinos, 2007 e 2012), integra o grupo de pesquisa Audiovisualidades e Tecnocultura: Comunicação, Memória e Design (TCAv). Tem experiência nas áreas de Comunicação Audiovisual, televisão; Audiovisual da web; Comunicação Digital e Metodologias de Pesquisa em Comunicação.

Downloads

Publicado

2019-01-01

Como Citar

Braghini, K., e S. E. Montaño La Cruz. “Software, Dado E Algoritmo Como Formas Culturais Na Netflix”. Intexto, nº 44, janeiro de 2019, p. 161-83, doi:10.19132/1807-8583201944.161-183.

Edição

Seção

Artigos