Avaliação do potencial de utilização da escória granulada de fundição em concreto autoadensável

Autores

  • Francieli Tiecher Escola Politécnica de Engenharia Civil, Instituto Meridional.
  • Paulo Manuel Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Daniel Tregnago Pagnussat Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Denise Carpena Coitinho Dal Molin Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Angela Borges Masuero Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Palavras-chave:

escória granulada de fundição, concreto auto-adensável, durabilidade

Resumo

O presente estudo propõe um novo uso para a escória granulada de fundição: contribuir para a obtenção da viscosidade adequada em concretos autoadensáveis. Nesse tipo de concreto, em função de sua elevada fluidez, comumente são relatados problemas de segregação e, para contorná-los, podem ser utilizados fillers. A escória granulada é um resíduo oriundo da produção do ferro fundido. O grande volume gerado é problema para a indústria da fundição, que tem elevados custos para efetuar seu descarte de maneira adequada. A fim de propor um emprego para esse resíduo, garantindo benefícios tanto para a indústria que o gera quanto para a construção civil, o presente estudo tem como objetivo avaliar o emprego da escória granulada de fundição moída como modificador de viscosidade em concretos autoadensáveis, minimizando a potencialidade de segregação desse tipo de concreto. Os resultados obtidos mostram que a escória granulada de fundição moída possibilita a obtenção de concretos autoadensáveis sem segregação e com fluidez adequada. Além disso, tanto para as propriedades mecânicas quanto para a avaliação de durabilidade houve melhora com o emprego do resíduo, o que torna viável seu emprego para o fim proposto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francieli Tiecher, Escola Politécnica de Engenharia Civil, Instituto Meridional.

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade de Passo Fundo (2004), mestrado (2006), doutorado (2010) e pós-doutorado (2012) em Engenharia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professora do Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil do Instituto Meridional (IMED). Atua, principalmente, na área de Construção Civil, Materiais e Componentes de Construção, bem como Patologia das Construções, especialmente nos seguintes temas: reação álcali-agregado, dosagem de concreto com areia de britagem e utilização de resíduos na construção civil.

Paulo Manuel, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal de Santa Catarina (1998), possui o título de Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005). Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Construção Civil, Gestão de Projetos, Materiais e Cálculo e Recuperação de Estruturas de Concreto Armado. Atualmente está finalizando seu doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde participa em pesquisas relacionadas com o Concreto Auto-Adensável (CAA), estudando seu comportamento no estado endurecido, com ênfase no módulo de elasticidade.

Daniel Tregnago Pagnussat, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Daniel T. Pagnussat é Engenheiro Civil, mestre e doutor em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul . Atualmente é professor adjunto do Departamento Interdisciplinar da UFRGS/CLN. Trabalha com os seguintes temas: Dosagem de concretos e argamassas, avaliação de obras em alvenaria estrutural, reciclagem de resíduos, revestimentos de argamassa, blocos de concreto,caracterização e reaproveitamento de resíduos siderúrgicos.

Denise Carpena Coitinho Dal Molin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982), mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1988) e doutorado em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo (1995). Atualmente é Professora Titular e pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Construção Civil. Desenvolve, principalmente, os seguintes temas: tecnologia de concretos convencionais e especiais, aproveitamento de resíduos em materiais de construção, desenvolvimento de novos materiais, avaliação de desempenho de materiais e componentes da construção, patologia e recuperação de estruturas e construções, e processos construtivos.

Angela Borges Masuero, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1988), mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e doutorado em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). Atualmente é Professor Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de Engenharia Civil, com ênfase em Construção Civil. Atua principalmente nos seguintes temas: tecnologia de concretos e argamassas, tecnologia de revestimentos, aproveitamento de resíduos em materiais de construção, desenvolvimento de novos materiais, avaliação de desempenho de materiais e componentes da construção, patologia das edificações e processos construtivos.

Downloads

Publicado

2018-11-26

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >>