Interferências do fator cor da pele na percepção térmica de transeuntes

Autores

  • Eduardo Leite Krüger Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Patricia Regina Chaves Drach UERJ/UFRJ

Palavras-chave:

clima urbano, percepção térmica em espaços abertos, UTCI, cor da pele

Resumo

O estudo analisa os efeitos da cor da pele na percepção térmica de transeuntes em espaços abertos. O estudo de campo foi realizado no centro da cidade do Rio de Janeiro, tendo sido analisados votos de sensação e preferência térmica de transeuntes. Respostas obtidas por meio de entrevistas estruturadas foram comparadas a resultados do índice de conforto em espaços abertos UTCI (Universal Thermal Climate Index). Os entrevistados foram agrupados de acordo com a autoclassificação quanto à cor da pele segundo o IBGE (Categorias Raciais nos Censos Demográficos). As campanhas de monitoramento foram realizadas em períodos de primavera/verão ao longo de 2012 a 2015, entre 10h e 15h. Utilizou-se uma estação meteorológica Davis Vantage Pro2 para a coleta de dados concomitantemente à aplicação de questionários estruturados segundo a ISO 10551, nos quais a questão quanto à cor da pele do entrevistado foi incluída. Comparando-se sensação e preferência térmicas sob o aspecto de cor da pele, observa-se que, embora o grupo de pessoas de cor da pele branca tenha demonstrado maior tolerância ao estresse térmico por calor, ele mostra preferência mais acentuada por condições térmicas mais frias, de modo a neutralizar tal desconforto. Observaram-se diferenças estatísticas apenas na preferência térmica entre os grupos analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-02

Edição

Seção

Conforto e Eficiência Energética no Ambiente Construído

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >>