Efeito barreira em cidades médias brasileiras: o caso de viagens não motorizadas em São Carlos, SP

Autores

Palavras-chave:

Efeito Barreira, Separação da Comunidade, Pedestres, Infraestrutura de Transporte, Modos não-motorizados.

Resumo

Sistemas de transporte visam melhorar as condições de mobilidade. Podem, no entanto, provocar efeitos negativos sobre os deslocamentos, como é o caso do efeito barreira. O objetivo deste estudo é avaliar se uma via urbana se constitui em uma barreira para deslocamentos a pé, bem como identificar variáveis que alteram a percepção dos pedestres sobre esse efeito. A via estudada, localizada em uma cidade média (São Carlos, SP), apresenta intenso tráfego motorizado. Um questionário foi utilizado para identificar características pessoais (idade, renda, etc.) e padrões de viagens e mobilidade (dificuldades de caminhar, percepções sobre o tráfego, etc.). Os dados de 103 respondentes foram examinados com o teste Qui-quadrado de independência, em busca de evidências de associações entre as dificuldades enfrentadas pelos entrevistados ao andar a pé e suas características individuais e percepções do efeito barreira. No caso da percepção do efeito barreira devido à velocidade e ao volume de tráfego, há evidências de associação entre os trechos que exigem esforço físico excessivo, ruas muito largas e poluição sonora ou do ar. Assim, a via analisada representa, em alguns aspectos, uma barreira aos deslocamentos a pé.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-05-24

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)