Clínica, Música e Tempo: Agenciamentos Possíveis para uma Experiência Afetiva

Autores

  • Gessica Carneiro da Rosa
  • Vilene Moehlecke Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.76348

Palavras-chave:

Clínica. Música. Tempo. Subjetividade.

Resumo

Esse artigo apresenta um fragmento teórico-conceitual do trabalho de conclusão de curso elaborado a partir de uma experiência de estágio profissional em Psicologia. A forte presença da arte em meio às práticas clínicas suscitou uma série de conexões, produzindo desterritorializações e problematizações de velhas dicotomias, indicando aspectos afetivos, dinâmicos, temporais, de intensidade, nem sempre passíveis de verbalização. Com as contribuições de autores como Regina Benevides, Daniel Stern, Gilles Deleuze e Félix Guattari, as linhas que seguem cartografam os processos de produção subjetiva, evidenciando as ressonâncias entre clínica e música, o modo como a dimensão coletiva se manifesta nos atendimentos ditos individualizados e a possibilidade das experiências afetivas surgirem com a sintonia afetiva entre paciente e estagiária-terapeuta. Ao pesquisarmos com o método cartografia, assumimos a indissociabilidade do fazer e conhecer. Portanto, ainda que seja um recorte conceitual, serão destacadas as vicissitudes da prática do estágio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gessica Carneiro da Rosa

Graduada em Psicologia, com ênfase em Práticas Sociais e Institucionais, pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Mestranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Vilene Moehlecke, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Professora da Graduação em Psicologia (UNISINOS), Doutora em Informática na Educação PGIE/UFRGS, Mestre em Psicologia Social e Institucional PPGPSI/UFRGS.

Referências

Alvarez, J. & Passos, E. (2012). Cartografar é habitar um território existencial. Em: E. Passos; V. Kastrup; L. Escóssia. (Orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. (pp. 131-149). Porto Alegre: Sulina.

Benevides, R. (2002). Clínica e Social: polaridades que se opõem/complementam ou falsa dicotomia? Em: C. Rauter; E. Passos; R. Benevides. (Orgs.). Clínica e Política: subjetividade e violação dos Direitos Humanos (pp. 123-140). Rio de Janeiro: Te Cora.

Benevides, R. (2005). A psicologia e o sistema único de saúde: quais interfaces? Psicologia & Sociedade, 17(2), 21-25. doi: 10.1590/S0102-71822005000200004.

Brazão, J. C. C. (2013). Os sensos de si e a intersubjetividade: uma perspectiva desenvolvimentista não-linear. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 13(1), 254-278. Retrieved from http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view /7935/7270

Brazão, J. C. C. & Rauter, C. M. B. (2014). Sintonia afetiva e intersubjetividade na obra de Daniel Stern. Ayvu: Revista de Psicologia, 1(1), 3-21. Retrieved from http://www.ayvu.uff.br/index.php/AYVU/article/view/19/18

Deleuze, G. (2011). Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1997). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol.4. São Paulo: Editora 34.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2003). Kafka para uma literatura menor. Lisboa: Assírio & Alvim.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2010). O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34.

Escóssia, L. D., & Kastrup, V. (2005). O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em Estudo, 10(2), 295-304. doi: 10.1590/S1413-73722005000200017.

Ferraz, S. (2010). Deleuze, música, tempo e forças não sonoras. Artefilosofia, (9), 67-76. Retrieved from http://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/article/view/634/590.

Gallo, S. (2004). entre kafka e foucault: literatura menor e filosofia menor. Em: Passetti, E. (Org.) kafka-foucault, sem medos (pp. 73-87). Cotia: Ateliê Editorial.

Kayser, R. (2014). Psicologia, ciência e moral: uma reflexão nietzscheana sobre a “vontade de verdade” na Psicologia. Em: Paulon, S. M. (Org.). Nietzsche psicólogo: a clínica à luz da filosofia trágica (pp. 91-110). Porto Alegre: Sulina.

Lapoujade, D. (2013). Potências do tempo. São Paulo: N-1 Edições.

Maciel, A. (2007). Clínica, indeterminação e biopoder. Em: COMISSÃO D. H. CRP–RJ. (Org.). Direitos humanos? O que temos a ver com isso? (pp. 55-62). Rio de Janeiro: Conselho Regional de Psicologia.

Peixoto Jr. C. A. & Arán, M. (2011). O lugar da experiência afetiva na gênese dos processos de subjetivação. Psicologia USP, 22(4), 725-745. doi: 10.1590/S0103-65642011005000032

Pelbart, P. P. (1993). A nau do tempo-rei: sete ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago.

Pelbart, P. P. (1998). O tempo não-reconciliado. São Paulo: Perspectiva: FAPESP.

Rodrigues, S. (2011). Ritmo e subjetividade: o tempo não pulsado. Rio de Janeiro: Multifoco.

Rose, N. (2011). Inventando nossos selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis: Vozes.

Schöenberg, A. (2001). Harmonia. São Paulo: UNESP.

Stern, D. N. (2010). Chapter 5 – Vitality forms in music, dance, theater and cinema. In: Stern, D. N. Forms of vitality: exploring dynamic experience in psychology, the arts, psychoterapy, and development (pp. 75-98). New York: Oxford University Press.

Wisnik, J. M. (2014). O som e o sentido: uma outra história das músicas. São Paulo: Companhia das Letras.

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

Rosa, G. C. da, & Moehlecke, V. (2018). Clínica, Música e Tempo: Agenciamentos Possíveis para uma Experiência Afetiva. Revista Polis E Psique, 7(3), 84–99. https://doi.org/10.22456/2238-152X.76348

Edição

Seção

Artigos