VIOLÊNCIA SIMBÓLICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE CRÍTICA DAS EXPERIÊNCIAS NEGATIVAS DO FUTURO DOCENTE DE EDUCAÇÃO PRIMÁRIA

Autores

  • Maria José Camacho-Miñano Facultad de Educación. Universidad Complutense de Madrid
  • María Prat Grau University Autónoma of Barcelona.

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.79171

Palavras-chave:

Docentes. Narrativa. Violência. Masculinidade.

Resumo

Este estudo aprofunda as experiências negativas da Educação Física Escolar cursada pelo futuro docente de Educação Primária, usando o conceito de violência simbólica de Bourdieu para a análise. Foi realizada uma análise de 155 narrativas de estudantes de graduação em Educação Primária de duas universidades espanholas. Os resultados indicam que a violência simbólica é exercida pela inadequação das identidades físicas dos graduandos aos discursos do rendimento, os quais, por sua vez, são legitimados pelos docentes e por estudantes exitosos. Este tipo de violência subliminar projeta-se também nas identidades físicas e profissionais do futuro docente.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Camacho-Miñano, Facultad de Educación. Universidad Complutense de Madrid

Professor titular da universidade
Área de Educação Física


María Prat Grau, University Autónoma of Barcelona.

Professor titular da universidade
Área de Educação Física

Publicado

2018-09-30

Como Citar

CAMACHO-MIÑANO, M. J.; PRAT GRAU, M. VIOLÊNCIA SIMBÓLICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: UMA ANÁLISE CRÍTICA DAS EXPERIÊNCIAS NEGATIVAS DO FUTURO DOCENTE DE EDUCAÇÃO PRIMÁRIA. Movimento, [S. l.], v. 24, n. 3, p. 815–826, 2018. DOI: 10.22456/1982-8918.79171. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/79171. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais