Alinhavos para pensar o presente: arte de Rosana Paulino e Beth Moysés

Catia Paranhos Martins

Resumo


Neste texto busco articular mulheres, arte e política como dimensões para pensar o presente. A produção artística é utilizada como dispositivo para problematizar o que nos acontece e enxergar o que deveria ser intolerável, bem como procurar os germens de vida que possam descolonizar o pensamento e o desejo. Rosana Paulino e Beth Moysés são artistas com reconhecimento internacional e apontam questões sobre o que é ser/estar mulher e não branco ao desnaturalizarem as violências e violações cotidianas e históricas do projeto colonial e patriarcal. Quais são as dores e os silêncios nas obras comentadas? Quanto de violência há em ser/estar mulher ou corpos generificados, feminizados e racializados? É sobre as políticas de vida e morte vigentes que as artistas contribuem para colocar em análise. Ambas usam a arte como estratégia de luta e resistência na construção de estéticas feministas com potência para produzir transformações na sensibilidade coletiva.


Palavras-chave


psicologia social; arte; mulheres; feminismo;

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, A. (2010). Beth Moysés: qual o poder da arte? [página online] Recuperado a partir de http://www.canalcontemporaneo.art.br/quebra/archives/003564.html

Bidaseca, K. (2019). Seminário Estéticas descoloniales desde el Sur. Arte, memorias y cuerpos. El Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Buenos Aires: CLASCO.

Bidaseca, K. (2016). Genealogías críticas de la colonialidad en América Latina, África, Oriente. Buenos Aires: CLACSO.

Blanchot, M. (2013). A comunidade inconfessável. Brasília: UNB.

Biancarelli, A. (2016). Por que as cotas raciais são importantes? Rev. Conselho Regional de Medicina de São Paulo, 77(16). Recuperado a partir de https://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Revista&id=877

Canton, K. (2009). Das políticas às micropolíticas. São Paulo: Martins Fontes.

Carneiro, S. (2011).Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro.

Deleuze, G. (2005). Foucault. São Paulo: Brasiliense.

Deleuze, G.& Guattari, F. (2015). Maio de 68 não ocorreu. Rev. Trágica: estudos de filosofia da imanência, 8(1), 119-121.

Favaretto, C. (1999). É isso arte? [acervo online]. Recuperado a partir de https://www.youtube.com/watch?v=-XG-71wqwUI

Fleury-Teixeira, E. (Org.) (2015). Dicionário Feminino da Infâmia: acolhimento e diagnóstico de mulheres em situação de violência. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Foucault, M. (1984). História da Sexualidade 2– o uso dos prazeres. São Paulo: Graal.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder. In: H. Dreyfus & P. Rabinow (Orgs.), Michel Foucault. Uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica (pp. 231-249). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Fundação Perseu Abramo. (2010).Pesquisas de opinião: mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado. Recuperado a partir de http://www.apublica.org/wp-content/uploads/2013/03/www.fpa_.org_.br_sites_default_files_pesquisaintegra.pdf/

Herkenhoff, P. (2016). Mulheres do presente, a clareza entre sombras. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake.

Lima, E. A. (2009). Arte, Clínica e Loucura: territórios em mutação. São Paulo: Summus/Fapesp.

Mbembe. A. (2016). Crítica de la razón negra. Introducción. “El devenir negro del mundo”. Buenos Aires: Futuro Anterior ediciones.

Mbembe. A. (2018) Necropolítica: Biopoder, Soberania, Estado de Exceção, Política de Morte. São Paulo: N-1 Edições.

Moysés, E. M. C. (2004). Abrigo da memória (Dissertação de mestrado). Curso de Pós-graduação em Artes, UNICAMP, Campinas, SP.

Moreau, A. (2014). Entrevista com Beth Moysés. eRevista Performatus, 2(8). Recuperado a partir de https://performatus.net/entrevistas/entrevista-beth-moyses/

Moreschi, B. (2017). Projeto História da _rte. São Paulo. Recuperado a partir de https://historiada-rte.org/

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. (2017). Guerrilla Girls: gráfica 1985-2017. São Paulo: MASP.

Oliveira, S. M. J.& Miquilini, E. C. (2005). Frequência e critérios para indicar a episiotomia. Rev. Esc. Enferm. USP, 39(3), 288-295.

Paulino, R. (2019). A costura da memória. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo.

Paulino, R. (2013). Assentamento – pdf educativo. São Paulo. Recuperado a partir de http://www.rosanapaulino.com.br/

Paulino, R. (2009). Catálogo do Panorama 97. São Paulo: Museu de Arte Moderna. Recuperado a partir de: http://www.rosanapaulino.com.br/blog/2009/07

Pelbart, P. P. (2013). O avesso do niilismo – cartografias do esgotamento. São Paulo: N-1 Edições.

Preciado, P. B. (2011). Multidões Queer: notas para uma política dos “anormais”. Rev. Estud. Fem., 19(1), 11-20.

Preciado, P. B. (2014). Manifesto Contrassexual – práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: N-1 Edições.

Rago, L. M. (2015). A coragem feminina da verdade: mulheres na ditadura militar no Brasil. Caderno Espaço Feminino, 28(2), 103-122.

Vieira, E. M. (2002). A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro, FIOCRUZ.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.99274

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X