A NOÇÃO DE EXPERIÊNCIA NA GAM BRASILEIRA: RELAÇÕES RACIAIS E SUBALTERNIDADES

Livia Zanchet, Analice de Lima Palombini

Resumo


Este artigo decorre de uma pesquisa de doutorado que investigou a noção de experiência nos artigos sobre a Gestão Autônoma da Medicação no Brasil publicados entre 2011 e 2018. Nele, aborda-se um dos aspectos evidenciados pela pesquisa: a discussão da noção de experiência a partir da perspectiva decolonial, na companhia de autores como Achille Mbembe, Gayatri Spivak e Conceição Evaristo, com o objetivo de aproximar tal discussão das particularidades que dizem respeito à população brasileira quanto ao tema das subalternidades e das relações raciais. Os resultados apontam para a invisibilidade e o silenciamento a respeito de tais questões na produção referente à estratégia GAM durante o período mencionado. Ao mesmo tempo, são localizadas passagens onde os usuários fazem resistência e apresentam saídas para enfrentar a opressão. Assim, reconhece-se na GAM um potencial antirracista que pode vir a se fortalecer.


Palavras-chave


experiência; gestão autônoma da medicação; pensamento decolonial, relações raciais

Texto completo:

PDF

Referências


Akotirene, C. (2018). O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Editora Letramento.

Brasil. (2013) Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde integral da população negra : uma política do SUS. Brasília : Editora do Ministério da Saúde. 36 p.

Carone, I.; Bento, M. A. S. (2014). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes

David, E. C. (2018). Saúde mental e racismo: a atuação de um Centro de Atenção Psicossocial II Infantojuvenil. Dissertação. PUC/SP. Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social, São Paulo

Evaristo, C. (2007). Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: Alexandre, M. A. (org.) Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, p. 16-21

Evaristo, C. (2015) Encontros de interrogação (vídeo). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=dHAaZQPIF8I

Flores, A. e cols. (2015). A experiência da produção de saber no encontro entre pesquisadores e usuários de serviços públicos de saúde mental: a construção do Guia Gam brasileiro. Cadernos HumanizaSUS do Ministério da Saúde, v. 5, p. 257-275.

Foucault, M. (2014). Os intelectuais e o poder. Em Foucault, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

IBGE. (2017). Site.https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-populacao-chega-a-205-5-milhoes-com-menos-brancos-e-mais-pardos-e-pretos. Acesso em fevereiro de 2020.

Kon, N. M.; Abud, C. C.; Silva, M. L. (2017) O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva.

Mbembe, A. (2014) O devir-negro no mundo. Em Mbembe, A. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona Editores Refractários.

Mbembe, A. Necropolítica. (2016) Arte e Ensaios (UFRJ). n.32 pp. 123-151.

Melo, J. J. M. (2015) A política de narratividade entre a pesquisa e a clínica: relato de uma experiência com a Gestão Autônoma da Medicação. Tese. UFF. Programa de Pós-graduação em Psicologia. Niteroi, RJ.

Onocko Campos, R. T. e cols. (2012) Adaptação multicêntrica do Guia para a Gestão Autônoma da Medicação. Interface. Comunic., Saude, Educ., v. 17, n’43, p. 967-80.

Onocko Campos, R. T. e cols. (2013) A Gestão Autônoma da Medicação: uma intervenção analisadora de serviços em saúde mental. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 18, n. 10, p. 2889-2898.

Palombini, A., Del Barrio, L. R. (2019). Gestão Autônoma da Medicação, do Quebec ao Brasil: Uma aposta democrática. (manuscrito, não-publicado)

Passos, E., Palombini, A. L.; Onocko Campos, R. T. (2013) Estratégia cogestiva na pesquisa e na clínica em saúde mental. Estudos Contemporâneos da Subjetividade, v. 3, p. 4-17.

Reis, M. N., Andrade, M. F. F. (2008). O pensamento decolonial: análise, desafios e perspectivas. Revista Espaço Acadêmico, n 202, issn 1519.6186

SEPPIR. (2011) Site. Seppir e MS firmam acordo de cooperação com foco na Saúde da População Negra. Disponível em: http://leliagonzalez-informa.blogspot.com/2011/10/seppir-e-ministerio-da-saude-firmam.html Acesso fev/2020

Silveira, M. (2013). Vozes no corpo, territórios na mão: loucura, corpo e escrita no PerquisarCOM. Dissertação. UFRGS. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Porto Alegre, RS

Ramil, V. (2004). A estética do frio: conferencia de Genebra. Porto Alegre: Satolep.

Spivak, G. C. (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG

Soares, L. V., Machado P. S. (2017). “Escrevivências” como ferramenta metodológica na produção de conhecimento em Psicologia Social. Rev. psicol. polít., vol.17, n.39, pp. 203-219

Yasui, S. (2010) Rupturas e Encontros – desafios da reforma psiquiátrica brasileira. São Paulo: Hucitec.

Zambillo, M. (2015) Autonomias errantes: entre modos de ser autoimpostos e possibilidades de invenção de si. Dissertação. UFRGS. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Porto Alegre, RS.

Zanchet, L. (2019) A noção de experiência no contexto da gestão autônoma da medicação no Brasil: uma travessia rumo ao pensamento decolonial. Tese. UFRGS. Instituto de Psicologia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Porto Alegre, RS.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.104026

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X