Uma Composição Experimental do Guia GAM: favorecendo vidas pulsantes

Ricardo Pimentel Méllo, Juliana Vieira Sampaio, Natalia Sousa Barros, Tárcila Silva de Lima, Carolina Castro e Veras

Resumo


O Guia de Gestão Autônoma de Medicação (GAM), originalmente canadense e com versão brasileira publicada em 2012, se configura como um dispositivo que visa a contribuir para que sujeitos em tratamento de saúde se responsabilizem pelo seu próprio cuidado singularizado. Este texto narra pesquisa desenvolvida na cidade de Fortaleza (CE) com a GAM. Buscou-se potencializar esse instrumento para ações de saúde, por meio da composição experimental do Guia GAM, nomeado de GAM@. Uma peculiaridade de nossa experimentação é utilizar a GAM no cuidado de pessoas que fazem uso abusivo e/ou compulsivo de substâncias (drogas), em um CAPS-ad. A pesquisa tem quatro etapas e, neste texto, relatamos as duas primeiras: os estudos preliminares e a composição experimental GAM@. Indicamos como o material foi estruturado, quais os pressupostos teóricos orientaram essa produção e seus conteúdos principais.

Palavras-chave


autonomia; cuidado; drogas; GAM; CAPS-ad.

Texto completo:

PDF

Referências


Alberti, S., Inem, C. L., & Rangel, F. C. (2003, setembro). Fenômeno, estrutura, sintoma e clínica: a droga. Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental, VI (3), 11-29. Consultado em 10 de julho de 2019 através de

http://www.redalyc.org/pdf/2330/233018065002.pdf

Brandão, C. R. (Org.). (1981). Pesquisa Participante. São Paulo: Brasiliense.

Brandão, C. R. (Org.). (1984). Repensando a Pesquisa Participante. São Paulo: Brasiliense.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. (2005). Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília: Ministério da Saúde.

Cazanatto, E., Martta, M. K., & Bisol, C. A. (2016, abril-junho). Escuta Psicanalítica em Instituição: construindo espaços. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 486-496.

Dilthey, W. (2010). Introdução às ciências humanas – tentativa de uma fundamentação para o estudo da sociedade e da história. Marco Antônio Casanova (Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Emicida (Leandro Roque de Oliveira). (2015). Passarinhos. Em Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa... [CD, lojas digitais e serviços de streaming]. São Paulo: Sony Music Entertainment.

Kehl, M. R. (2002). Sobre Ética e Psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras.

Lourau, R. (1993). Análise institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ.

Melman, C. (1992). Alcoolismo, delinquência, toxicomania: uma outra forma de gozar. São Paulo: Escuta.

Méllo, R. P. (2016). As drogas cotidianas em tempos de sobrevivência. Em L. L. F. Vieira, L. F. Rios, & T. T. Queiroz (Orgs.). A problemática das drogas: contextos e dispositivos de enfrentamento (pp. 20-53). Recife: Editora UFPE.

Méllo, R. P. (2018) Cuidar? De quem? De quê? A ética que nos conduz. Curitiba: Appris.

Mol, A. (2008). The logic of care: health and the problem of patient choice. London/New York: Routledge.

Nietzsche, F. (2008). A Vontade de Poder. Marcos Sinésio Pereira Fernandes e Francisco José Dias de Moraes (Trad.). Rio de Janeiro: Contraponto.

Onocko-Campos, R. S., Passos, E., Palombini, A. e cols. (2012). Guia da Gestão Autônoma da Medicação – GAM.

Onocko-Campos, R. S., Passos, E., Palombini, A. de L., Santos, D. V. D. dos, Stefanello, S., Gonçalves, L. L. M., Andrade, P. M. de, & Borges, L. R. (2014). Gestão Autônoma da Medicação – Guia de Apoio a Moderadores.

Passos, E., Palombini, A. de L., Campos, R. O., Rodrigues, S. E., Melo, J., Maggi, P. M., Marques, C. de C. E., Zanchet, L., Cervo, M. da R., & Emerich, B. (2013, maio-agosto). Autonomia e cogestão na prática em saúde mental: o dispositivo da gestão autônoma da medicação (GAM). Aletheia, 41, 24-38.

Poulichet, S. (1987). Toxicomanies et psychanalyse – les narcoses du désir. Paris: PUF.

Rolnik, S. (2006). Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina, Editora da UFRGS.

Rotelli F., Leonardis, O. de, & Mauri, D. (2001). Desinstitucionalização, uma outra via. Em F. Rotelli, O. de Leonardis, D. Mauri, & C. de Risio, C. (Orgs.), Desinstitucionalização (pp. 17-59). São Paulo: Hucitec.

Santiago, J. (2000). A droga do toxicômano – uma parceria cínica na era da ciência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Stengers, I. (2018, abril). A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, 69, 442-464.

Thiollent. M. (2005). Metodologia da pesquisa-ação. (14a. ed.) São Paulo (SP): Cortez.

Vorcaro, A. (2004, novembro). Seria a toxicomania um sintoma social? Mental, ano II, 3, 61-73.

Zambillo, M., & Palombini, A. L. (2017, janeiro-março). Autonomias errantes: processos de autonomização em saúde mental. Estudos de Psicologia, 22(1), 78-88.

Zourabichvili, F. (2004). O vocabulário de Deleuze. André Telles (Trad.). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.103875

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X