Gestão Autônoma de Medicação (GAM) como dispositivo grupal: uma experiência de pesquisa-intervenção

Indianara Maria Fernandes Ferreira, Carlos Eduardo Silva Feitosa, Ana Karenina de Melo Arraes Amorim

Resumo


O presente trabalho trata de uma experiência com a Gestão Autônoma de Medicação (GAM) em um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPSad) no estado do Rio Grande do Norte (Brasil) a partir de uma pesquisa-intervenção com base na Análise Institucional. O objetivo deste artigo consiste em realizar uma análise sobre a GAM como dispositivo grupal e suas potencialidades para produção de transformações sociais e da realidade no campo no próprio percurso do processo de pesquisa-intervenção, com ênfase nos movimentos micropolíticos, co-gestionários e na produção de autonomia.


Palavras-chave


gestão autônoma de medicação; pesquisa-intervenção; saúde mental

Texto completo:

PDF

Referências


Barrio, L. R., Cyr, C., Benisty, L., & Richard, P. (2013). Autonomous Medication Management (GAM): new perspectives on well-being, quality of life and psychiatric medication. Ciência & Saúde Coletiva, 18(10), 2879–2887.

Barros, R. D. B. (1994). Grupo e produção. Em A. Lancetti (Org.), SaúdeLoucura: Grupos e Coletivos (Vol, 4. pp. 145-54). São Paulo: Hucitec.

Bell, S. E., & Figert, A. E. (2012). Medicalization and pharmaceuticalization at the intersections: Looking backward, sideways and forward. Social Science & Medicine, 75(5), 775- 783

Campos, R. T. O.; Palombini, A. L.; Silva, A. E.; Passos, E.; Leal, E. M.; Serpa Júnior, O. D.; Marques, C. C; Gonçalves, L. L. M.; Santos, D. V. D.; Surjus, L. T. L. S.; Arantes, R. L.; Emerich, B. F.; Otanari, T. M. C.; Stefanello, S. (2012). Adaptação multicêntrica do guia para a gestão autônoma da medicação. Interface - Comunicação, Saúde, Educação 8(43), 967-980.

Coimbra, C. M. B. (1995) Os Caminhos de Lapassade e da Análise Institucional: uma Empresa Possível. Revista do Departamento de Psicologia da UFF, 7(1), 52-80.

Coimbra, C. M. B., & Nascimento, M. L. (2008). Análise de implicações: desafiando nossas práticas de saber/poder. In A. R. R. Geisler, A. L. Abrahão & C. M. B. Coimbra (Orgs.). Subjetividades, violência e direitos humanos: produzindo novos dispositivos em saúde (pp. 143-153). Niterói, RJ: EdUFF.

Conrad, P., & Leiter, V. (2004). Medicalization, markets and consumers. Journal of Health and Social Behavior, 45, 158- 176.

Conrad, P., Mackie, T., & Mehrotra A. (2010). Estimating the costs of medicalization. Social Science & Medicine, 70(12), 1943-1947.

Deleuze, G. (1999). O que é um dispositivo? Em: Deleuze, G.(1999). O mistério de Ariana. Ed. Vega – Passagens. Lisboa.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2011). Introdução: rizoma. Em Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (pp.11-37). Rio de Janeiro: Editora 34. (Original publicado em 1995).

Deleuze, G., & Parnet, C. (1998). Diálogos. São Paulo: Editora Escuta.

Garcia, I. F., Lira, J. A., Severo, A. K., Amorim, A. K., & Silva, A. V. (2017). "Saia do meu caminho, eu prefiro andar sozinho, deixem que eu decida a minha vida!": experiências de empoderamento em um grupo de saúde mental. Mental, 11(21), 411-430.

Gøtzsche, P. C. (2016). Medicamentos mortais e crime organizado: Como a indústria farmacêutica corrompeu a assistência médica. Porto Alegre: Bookman.

Guattari, F. (2004). Psicanálise e transversalidade: ensaios de análise institucional. São Paulo: Idéias & Letras.

Kinoshita, R. T. (1996). Contratualidade e reabilitação psicossocial. Em A. M. F Pitta. (Ed.), Reabilitação psicossocial no Brasil (p. 55-59). São Paulo: Hucitec.

Medeiros, R. G. (2013). O bem e o mal-estar das drogas na atualidade: Pesquisa, experiência e gestão autônoma. Dissertação de mestrado. Curso de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Organización Mundial de la Salud. (2013). Plan de acción sobre salud mental 2013- 2020. Ginebra, Suiza. Recuperado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/97488/9789243506029_spa.pdf?sequence=1

Passos, E., Palombini, A. de L., & Campos, R. O. (2013). Estratégia cogestiva na pesquisa e na clínica em saúde mental. Estudos Contemporâneos Da Subjetividade, 3(1), 4–17.

Silveira, M., & Moraes, M. (2018). Gestão Autônoma da Medicação (GAM): uma experiência em Saúde Mental. Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 8(1), 137-152.

Rodriguez, L., & Poirel M. L. (2007). Émergence d’espaces de parole et d’action autour de l’utilisation des psychotropes: la gestion autonome des médicaments de l’âme. Nouvelles pratiques sociales, 19(2), 111-127.

Rodrigues, H. B. C. & Souza, V. L. B. (1987). A análise institucional e a profissionalização do psicólogo. In: V. Kamkhagi & O. Saidon (Orgs.), Análise Institucional no Brasil (pp. 27-46). Rio de Janeiro: Rosas dos Ventos.

Rocha, M. L. da, & Aguiar, K. F. de. (2003). Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(4), 64–73.

Romagnoli, R. C. (2014). O conceito de implicação e a pesquisa-intervenção institucionalista. Psicologia & Sociedade, 26(1), 44-52.

Rossi, A. & Passos, E. (2014). Análise institucional: revisão conceitual e nuances da pesquisa-intervenção no Brasil. Revista EPOS. Rio de Janeiro. 5 (1), 156-181.

Santos, D. V. D. (2009). Uso de psicotrópicos na atenção primária no Distrito Sudoeste de Campinas e sua relação com os arranjos da clínica ampliada. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Santos, E. G., & Siqueira M. M. (2010). Prevalência de transtornos mentais na população brasileira: uma revisão sistemática de 1997 a 2009. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(3), 238-246.

Vasconcelos, E. M. (2008). Reinvenção da Cidadania no Campo da Saúde Mental e Estratégia Política no Movimento de Usuários. Em L. C. Santos, I. C. G. Pereira, J. A. Bisneto & E. M. Vasconcelos. (Orgs.). Saúde Mental e Serviço Social: O desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade (pp. 69-95). São Paulo: Cortez.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.103567

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X