Companhias de Arlequins:

o resgate de uma tradição popular esquecida nas feiras de Lisboa

Autores

Palavras-chave:

Feiras, Teatro, Arlequins, Ginastas, Parada

Resumo

Em Lisboa, as feiras e os seus divertimentos foram uma das mais concorridas manifestações da cultura popular durante a segunda metade do século XIX e o início do século XX. Entre os divertimentos oferecidos, o teatro era um dos mais apreciados, mas a história apenas guardou a memória das barracas que, nas feiras, passaram a apresentar repertório declamado (comédias, paródias, mágicas e revistas). Votadas ao esquecimento ficaram as barracas de arlequins e saltimbancos, trupes ambulantes que, de terra em terra, apresentavam acrobacias, pantomimas e cenas cómicas. Este artigo pretende trazer à ribalta práticas de teatro popular outrora ‘esquecidas’, como as trupes de arlequins e os seus espetáculos, redefinindo a sua importância no contexto da época e da História do Teatro em Portugal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Gomes Magalhães, Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Paula Gomes Magalhães é doutora e mestre em Estudos de Teatro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Investigadora do Centro de Estudos de Teatro da mesma Universidade. É licenciada em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É membro da ArteViva - Companhia de Teatro do Barreiro, onde, há cerca de 30 anos, desenvolve atividade como atriz, formadora e encenadora.

Publicado

2023-10-24

Como Citar

Gomes Magalhães, P. (2023). Companhias de Arlequins: : o resgate de uma tradição popular esquecida nas feiras de Lisboa. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 13(4). Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/129706

Edição

Seção

Culturas Populares

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)