A iconografia da morte no final da Idade Média: um estudo sobre a Dança Macabra

Autores

  • Daniel Henrique Alves de Castro Universidade Estadual de Londrina

Palavras-chave:

Imagem Medieval, Dança Macabra, Iconografia da Morte, Morte no Ocidente

Resumo

Ao longo da Idade Média, a visão sobre a morte foi se modificando, assumindo a partir do século XII, características que se preocupam com a memória dos mortos e a post-mortem. Imagens e textos com representações alegóricas da morte como cadáveres em decomposição, apoiaram a popularização do imaginário macabro. Acrescenta-se a esse contexto, outros fatores sociais, como o surto da Peste Negra, que tornou a morte uma realidade cotidiana. Diante desses precedentes, dialogaremos sobre suas relações com o surgimento da Dança Macabra e sua definição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Henrique Alves de Castro, Universidade Estadual de Londrina

Possui graduação em Artes Visuais pela Universidade Estadual de Londrina (2019). Tem experiência na área de Artes, atuando principalmente nos seguintes temas: Imagem Medieval, Iconografia Franciscana e Nicolás Francés.

Downloads

Publicado

2021-11-05

Como Citar

Castro, D. H. A. de. (2021). A iconografia da morte no final da Idade Média: um estudo sobre a Dança Macabra. Ícone: Revista Brasileira De História Da Arte, 5(6), 62–85. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/icone/article/view/107550

Edição

Seção

Artigos