Inquietações éticas: sobre a possibilidade de (des)encontros

Autores

  • Daniela Dalbosco Dell'Aglio Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Edson Pilger Dias_Sbeghen Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Rossana Bogorny Heinze Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.97767

Palavras-chave:

ética, implicação, diário de campo, subjetividade, pesquisa.

Resumo

No lugar de pesquisador e pesquisadoras no campo da Psicologia Social, partimos do sentimento de angústia para pensar o processo do fazer pesquisa. Problematizamos como as inquietações, dúvidas e incertezas ao longo da experiência de pesquisar produz o sujeito pesquisadora. Sujeito, esse, que não estará sozinho, uma vez que se relaciona constantemente com o campo de pesquisa em que se insere. Como tornar essa prática reflexiva e ética no modo de fazer pesquisa?  Para isso, buscamos compreender a ética diferentemente dos protocolos, pensando essa enquanto uma atitude que borra as fronteiras de quem pesquisa e de quem é “pesquisado”. A partir do exercício da escrita e do diário de campo, podemos pensar como se constrói a todo tempo esse sujeito que se inquieta, se angustia e que possibilita uma reflexão ética frente às suas prácticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Dalbosco Dell'Aglio, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional - UFRGS.

Edson Pilger Dias_Sbeghen, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Docente na Universidade do Oeste de Santa Catarina. Doutorando no Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional - UFRGS.

Rossana Bogorny Heinze, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional - UFRGS.

Referências

Barros, Eduardo, & Passos, Regina Benevides. (2015). A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In E. Silva, V. Kastrup, & L. Escóssia. (Orgs.), Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp. 17-31). Porto Alegre: Sulina.

Butler, Judith. (2016). Relatar a si mesmo. São Paulo: Autêntica.

Candiotto, Cesar. (2010). Ética e Política em Michel Foucault. Trans/Form/Ação, 33(2), 157-176.

Clifford, James. (1998). A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ.

Favret-Saada, Jeanne. (2005). Ser afetado. Cadernos de Campo, 13, 155-161.

Foucault, Michel. (1990). Qu'est-ce que la critique? Critique et Aufklärung. Bulletin de la Société française de philosophie, Vol. 82, nº 2, pp. 35 - 63. (Conferência proferida em 27 de maio de 1978). Tradução de Gabriela Lafetá Borges e revisão de wanderson flor do nascimento.

Foucault, Michel. (1994). História da Sexualidade: a vontade de saber. V.1. Lisboa:

Relógio D ́Àgua.

Foucault, Michel. (2003). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora.

Foucault, Michel. (2004). A ética do cuidado de si como prática de liberdade. Entrevistadores: H. Becker, R. Fornet-Betancourt, & A. Gómez-Müller. In M. Foucault. Ética, sexualidade, política (Coleção Ditos e Escritos, 5) (pp. 265-­287). Organizador: M. B. Motta. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. (2008). A arqueologia do saber (7ª ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. (2010a). A hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, Michel. (2010b). O sujeito e o poder. In H. Dreyfus, & P. Rabinow. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica (pp. 273-295). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, Michel. (2012). A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 (22ª ed.). São Paulo: Loyola.

Larrosa, Jorge Bondía. (2002). Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, (19): 20-28.

Lourau, René. (1993) Análise Institucional e Práticas de Pesquisa. In: René Lourau na UERJ. Rio de Janeiro: UERJ.

Machado, Leila Domingues. (2004). O desafio ético da escrita. Psicologia & Sociedade, 16(1): 146-150, Número Especial.

Martins, Líbia Monteiro. (2016). O diário de campo como dispositivo para análise de implicação em pesquisa. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia Institucional da Universidade Federal do Espírito Santo.

Ribeiro, Djamila. (2017) O que é: lugar de fala? Belo Horizonte (MG):Letramento.

Scott, Joan. W. (1999). Experiência. In A. L. Silva, M. C. S. Lago, & T. R. O. Ramos. (Orgs.), Falas de gênero (pp. 21-55). Florianópolis: Mulheres.

Downloads

Publicado

2019-12-23

Como Citar

Dell’Aglio, D. D., Dias_Sbeghen, E. P., & Heinze, R. B. (2019). Inquietações éticas: sobre a possibilidade de (des)encontros. Revista Polis E Psique, 36–53. https://doi.org/10.22456/2238-152X.97767