Contribuições basaglianas na interseção da perspectiva institucional com as políticas públicas.

Autores

  • Gustavo Zambenedetti Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.97455

Palavras-chave:

análise institucional, Psicologia, Políticas Públicas, Produção do conhecimento

Resumo

Partindo de uma preocupação em relação às perspectivas tecnicistas e aos riscos relacionados às formas de burocratização da atuação profissional, propomos discutir possíveis contribuições de Franco Baságlia na interseção da perspectiva institucional com as políticas públicas. Tomando como campo analítico os escritos de Franco Basaglia das décadas de 1960 e 1970, propomos explorar três aspectos. O primeiro diz respeito a relação entre atuação profissional e produção do conhecimento, destacando o conceito de profissional-pesquisador. O segundo aspecto coloca em evidência a relação entre teoria e prática, no qual buscamos afirmar uma perspectiva de modulação e não de aplicação de um sobre o outro, explorando também a noção de crítica-prática. O terceiro aspecto refere-se à emergência do efeito-Foucault e do efeito-Goffman em Baságlia. Espera-se extrair dessa discussão ferramentas que contribuam para a atuação no campo das políticas públicas sob uma perspectiva institucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Zambenedetti, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO)

Psicólogo (UFSM). Mestre e doutorando em Psicologia Social e Institucional (UFRGS). Professor da área de Psicologia da Saúde (UNICENTRO).

Referências

Amarante, P.D.C. (Org.). (2005). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Garamond.

Andrade, E.O., Givigi, L.R.P., & Abrahão, A.L. (2018). A ética do cuidado de si como criação de possíveis no trabalho em Saúde. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 22(64), 67-76.

Baremblitt, G. (2012). Compêndio de Análise Institucional e outras correntes: teoria e prática. Belo Horizonte: IGB/IFG.

Baságlia, F. (2005a). A destruição do hospital psiquiátrico como lugar de institucionalização: mortificação e liberdade do espaço fechado. Em P.D.C. Amarante (Org.). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica (pp. 23 – 34). Rio de Janeiro: Garamond.

Baságlia, F. (2005b). Apresentação a Che cos’è la psichiatria?. Em P.D.C. Amarante (Org.). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica (pp. 61 - 72). Rio de Janeiro: Garamond.

Baságlia, F. (2005c). As instituições da violência. Em P.D.C. Amarante (Org.). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica (pp. 91 – 132). Rio de Janeiro: Garamond.

Baságlia, F. (2005d). Corpo e instituição: considerações antropológicas e psicopatológicas em psiquiatria institucional. Em P.D.C. Amarante (Org.). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica (pp. 73 - 90). Rio de Janeiro: Garamond.

Baságlia, F., & Baságlia, F.O. (2005a). Introdução a Asylums. Em P.D.C. Amarante (Org.). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica (pp. 133 – 150). Rio de Janeiro: Garamond.

Baságlia, F., & Baságlia, F.O. (2005b). Loucura/Delírio. Em P.D.C. Amarante (Org.). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica (pp. 259 – 298). Rio de Janeiro: Garamond.

Baságlia, F., & Gianichedda, M.G. (2005). O circuito do controle: do manicômio a descentralização psiquiátrica. Em P.D.C. Amarante (Org.). Escritos Selecionados em Saúde Mental e reforma psiquiátrica (pp. 237 – 258). Rio de Janeiro: Garamond.

Bock, A.M.B. (2015). Perspectivas para a formação em psicologia. Psicologia: Ensino & Formação, 6(2), 114-122

Bourdieu, P. (2004). Goffman, o descobridor do infinitamente pequeno. Em E. Gastaldo (Org.). Erving Goffman – desbravador do cotidiano (pp. 11 – 12). Porto Alegre: Tomo editorial.

CFP. Jornal do Federal. Ano XXIII, nº 104 - Jan/Ago 2012.

Coimbra, C.M.B. (1995). Os Caminhos de Lapassade e da Análise Institucional: uma Empresa Possível. Revista do Departamento de Psicologia da UFF, 7(1), 52-80.

Deleuze, G. (1992). O que é a filosofia. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Dell’Aglio, D.D., Sbeghen, E.P.D., & Heinze, R.B. (2019). Inquietações éticas: sobre a possibilidade de (des)encontros. Polis & Psique, nº especial.

Ewald, F.; Fontana, A. (2008). Nota. Em M. Foucault. Segurança, território, população (p. XIII – XVIII). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2002). História da loucura na idade clássica. 6ª ed. São Paulo: Ed. Perspectiva.

Foucault, M. (2004). Vigiar e Punir. Petrópolis: Ed. Vozes.

Foucault, M.; & Deleuze, G. (1979). Os intelectuais e o poder – Conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze. Em M. Foucault. Microfísica do poder (pp. 69-78). Rio de Janeiro: Graal.

Goffman, E. (2008). Estigma – notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC.

Goffman, E. (2003). Manicômios, prisões e conventos. 7ª ed. São Paulo: Editora Perspectiva.

Guattari, F. (2004). Psicanálise e transversalidade: ensaios de análise institucional. Aparecida-SP: Idéias & Letras.

Guirado, M. (1987). Psicologia Institucional. São Paulo: EPU, 1987.

Guizard, F.L., Lopes, M.R., & Cunha, M.L.S. (2015). Contribuições do Movimento Institucionalista para o estudo de políticas públicas de saúde. Em R.A. Mattos, R. A., & T.W.F. Baptista (Orgs.). Caminhos para análise das políticas de saúde (pp 319 - 346). Porto Alegre: Rede Unida.

Lavergne, C. D. (2007). La posture du praticien-chercheur: un analyseur de l’évolution de la recherche qualitative. Recherches qualitatives – Hors Série, 3, p. 28 – 43.

Lourau, R. (1993). Lourau na UERJ: Análise Institucional e prática de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ.

Rolnik, S., & Guattari, F. (2005). Micropolítica: Cartografias do Desejo. Petrópolis: Ed. Vozes.

Rotelli, F. (1994). Superando o manicômio – o circuito psiquiátrico de Trieste. Em P. Amarante (Org.). Psiquiatria Social e Reforma Psiquiátrica (pp. 149-170). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Saint-Martin, C., Pilotti, A., & Valentim, S. (2014). La réflexivité chez le Doctorant-Praticien-Chercheur. Une situation de Liminalité. ¿ Interrogations ?, 19, s/p.

Zambenedetti, G, & Silva, R. A. N. (2011). Cartografia e genealogia: aproximações possíveis para a pesquisa em psicologia social. Psicologia & Sociedade, 23(3), 454-463.

Downloads

Publicado

2019-12-23

Como Citar

Zambenedetti, G. (2019). Contribuições basaglianas na interseção da perspectiva institucional com as políticas públicas. Revista Polis E Psique, 54–74. https://doi.org/10.22456/2238-152X.97455