SÍNDROME DE BURNOUT: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Edilene Cunha Sinott, Mariângela da Rosa Afonso, José Antonio Bicca Ribeiro, Gelcemar Oliveira Farias

Resumo


A docência tem, como atributo, o contato direto e intenso com pessoas, característica favorável ao desenvolvimento da Síndrome de Burnout. Este estudo descritivo tem por objetivo verificar a presença dessa síndrome nos professores de Educação Física das escolas municipais da cidade de Pelotas/RS. Os dados revelam que 60,6% dos professores estavam com alta exaustão emocional; 22,3% com alta despersonalização; 34,0% com baixa realização profissional. Os índices sinalizam a presença da síndrome em 8,5% deles. Os resultados indicam a eminência da atenção dos gestores para a implementação e o cumprimento de políticas públicas na prevenção de doenças que acometem professores.

Palavras-chave


Síndrome de Burnout. Professores. Educação Física.

Texto completo:

PDF-BR PDF-ENG (English)


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.43226

Direitos autorais




Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment