A evolução do makerspace

uma revisão de literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245284.119580

Palavras-chave:

makerspace, tendências para bibliotecas, cultura maker

Resumo

O presente artigo traz como tema o makerspace no contexto das bibliotecas. Objetivo: apresentar definições e histórico evolutivo do makerspace na literatura científica. Método: revisão de literatura científica. Análise dos dados: A definição de makerspace remete a um espaço de criação e compartilhamento de conhecimento que surgiu na literatura em 2012. É um espaço derivado da cultura Do It Yourself e do movimento maker que tem ganhado espaço dentro dos ambientes educativos e industriais em países desenvolvidos, sobretudo nos Estados Unidos. De acordo com a literatura, entende-se que o makerspace tem grande potencial educativo que ainda está apenas começando a ser explorado e pode ser uma ferramenta de grande importância para o desenvolvimento das bibliotecas num futuro próximo. No Brasil, o tema é ainda muito incipiente, tendo pouca representatividade na literatura. Conclusões: É um tema com potencial para ser desenvolvido e aplicado, que tende a crescer no país, se acompanhar a tendência mundial. Pode representar uma ferramenta revolucionária para o espaço físico tradicional das bibliotecas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deise Lourenço de Jesus, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília e bibliotecária do Instituto Federal de Brasília Campus Planaltina, atualmente pesquisadora das áreas de tecnologias em bibliotecas e tendências para as bibliotecas com foco em makerspace.

Murilo Bastos da Cunha, Universidade de Brasília

É graduado em Biblioteconomia pela Universidade de Brasília (UnB, 1968), mestrado em Administração de Bibliotecas pela Universidade Federal de Minas Gerais (1978), doutor (Ph. D.) em Library Science pela Universidade de Michigan ( EUA,1982). Professor titular aposentado da UnB, professor permanente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da UnB, líder do Grupo de Pesquisa sobre Biblioteca digital (UnB-FCI). Foi presidente da Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal e do Conselho Federal de Biblioteconomia. Na UnB ocupou os cargos de diretor da Faculdade de Estudos Sociais Aplicados, chefe do Departamento de Ciência da Informação e Documentação e Diretor da Biblioteca Central (em dois períodos). Publicou os livros: Uso de informações científicas e técnicas no Brasil, com Victor Rosenberg (1983); Bases de dados e bibliotecas brasileiras (1984); Documentação de hoje e de amanhã, com Jaime Robredo (1986 e 1994); Para saber mais: fontes de informação em ciência e tecnologia (2a. ed., 2016); Dicionário de biblioteconomia e arquivologia (2008), com Cordélia R. O. Cavalcanti; Manual de fontes de informação (2.ed. 2020); Manual de estudo de usuários da informação (2015), com Sueli Amaral e Edmundo Dantas. Atua na pesquisa e docência nas áreas de informação científica e tecnológica, biblioteca digital, estudo de usuários e biblioteca universitária. Editor da Revista Ibero-americana de Ciência da Informação [http://periodicos.unb.br/index.php/RICI/index]; editor do blog Biblioteca do Bibliotecário [ https://www.facebook.com/bibliotecadobibliotecario/]

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

LOURENÇO DE JESUS, D.; CUNHA, M. B. da. A evolução do makerspace: uma revisão de literatura. Em Questão, Porto Alegre, v. 28, n. 4, p. 119580, 2022. DOI: 10.19132/1808-5245284.119580. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/119580. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos