Pesquisa Participativa Decolonial: Movimentos de Pensamento entre Terra e Marte

Douglas Casarotto de Oliveira, Rafael Wolki de Oliveira, Lucia Almeida

Resumo


O presente artigo tem por finalidade colocar em problematização o colonialismo invisível presente nas práticas de pesquisa. Inspirados pela perspectiva decolonial e pela perspectiva da filosofia da diferença, os autores optaram por utilizar elementos ficcionais para colocar em questão o lugar do pesquisador, principalmente, do pesquisador-trabalhador no seu encontro com o campo de pesquisa. O texto se move através do problema que se coloca por entre-sujeitos, entre-lugares e entre-saberes da e na pesquisa, buscando discutir se é possível uma pesquisa decolonial. O artigo propõe, mesmo para metodologias em que o pesquisar e o pesquisador se constituem no processo da investigação, que o pesquisador esteja atento ao “colonizador que o habita”. Trata-se de estar atento ao fato de que sua simples presença no campo marca uma diferença com relação ao outro, colocando-o neste limiar colonizador/não colonizador.


Palavras-chave


Pesquisa Participativa; perspectiva decolonial; psicologia social

Texto completo:

PDF

Referências


BASTIAN, Angela Ixkic Duarte y PALOMO, Lina Rosa Berrío (2011) Mujeres indígenas y académicas en la construcción del conocimiento. En: Xochitl Leyva Solano et al. Conocimientos Y Prácticas Políticas: Reflexiones desde Nuestras Prácticas de Conocimiento Situado Chiapas, Ciudad de México, Ciudad de Guatemala y Lima. CIESAS, UNICACH, PDTG-UNMSM.80-118.

DELEUZE, Gilles. O método da dramatização. In: ____. A ilha deserta e outros textos. http://conexoesclinicas.com.br/wp-content/uploads/2015/12/deleuze-g-a-ilha-deserta-e-outros-textos.pdf#page=112

DELIGNY, Fernand (2015). O aracniano e outros textos. São Paulo: n-1 edições.

DELIGNY, Fernand & VICTOR, Renaud. Le cinéma de Fernand Deligny, DVD: Le Moindre geste et deux films de Renaud Victor: Ce gamin, là et À propos d’un film à faire. Éditions Montparnasse, 2007.

FAVRET-SAADA, Jeanne (2005). Ser afetado (tradução de Paula de Siqueira Lopes). Cadernos de Campo, n. 13. 155-161.

GALEANO, Eduardo (2000) As veias abertas da América Latina. Tradução de Galeno de Freitas. 39ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 307p.

GOMES, Igor. (2013). CO-RAP a rima das ruas [Internet]. Revista o Viés. [cited 2013 Aug 12]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=o4gSfKD98Sw

JESUS, Carolina Maria (2004) Quarto de Despejo. São Paulo. Ática.

KOPENAWA, D.; ALBERT, B. (2015). A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras.

LEYVA, Xochitl Solano y SPEED, Shannon (2008). Hacia la investigación descolonizada: nuestra experiencia de co-labor. En Xochitl Leyva, Araceli Burguete y Shannon Speed (Coordinadoras) Gobernar (en) la diversidad: experiencias indígenas desde América Latina. Hacia la investigación de co- labor. México D.F., CIESAS, FLACSO Ecuador y FLACSO Guatemala. 34-59.

MARTINS, Geovani. (2018). O Sol na Cabeça. São Paulo. Cia do Livros.

MELITOPOULOS, Angela e LAZZARATO, Maurizio (2012). Agenciamentos: Félix Guattari e o Animismo Maquínico. Projeto de pesquisa visual, disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4L_m5vPQoaY&t=1s

RIBEIRO, Djamila (2017). O que é lugar de fala? Belo Horizonte (MG): Letramento; Justificando. 112p

SPIVAK, Gayatri Chakravorty (2010). Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: Editora UFMG.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.97526

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X