Psicologia Social Comunitária na Escola: Grêmio Estudantil e Pertencimento

Ana Carolina Mauricio, Gabriel Bueno

Resumo


O artigo apresenta um relato de experiência quea partir de uma atividade de extensão desenvolvida em uma escola de ensino médio noturno, visa articular três temáticas: psicologia socialcomunitária, espaço escolar e atuação política. Um grupo de estudantes de graduação em psicologia acompanhou, ao longo de nove meses, o processo de constituição de um grêmio estudantil, passando pela organização da chapa, elaboração do regimento, convocação daassembleia estudantil, processo eleitoral e implementação das propostas da chapa vencedora. Tais acontecimentos foram analisados a partir de referenciais teóricos da psicologia socialcomunitária e da psicologia social crítica, com enfoque na constituição da identidade de estudante, sua relação de pertencimento ao espaço escolar e os movimentos possíveis do político nesse contexto. Por fim, conclui-se pela potência das experiências vividas na constituição do grêmio devido às possibilidades de novas elaborações em relação aos sentidos do que é ser estudante.


Palavras-chave


psicologia socialcomunitária; escola; política; grêmio estudantil;pertencimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Castro, L. R. (2008). Participação política e juventude: do mal-estar à responsabilização frente ao destino comum. Revista de Sociologia e Política, 16(30), 253-268.

Ciampa, A. C. (2004). Identidade. Em S. T. Lane& W. Codo. (Orgs.),Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense.

Coimbra, C. (1989). As funções da instituição escolar: análise e reflexões. Psicologia Ciência e Profissão, 9(3), 14-16.

Barros, R.B.(2013). Grupo: a afirmação de um simulacro.(2ed.). Porto Alegre, RS: UFRGS.

Freitas, M. F. Q. (1998). Inserção na comunidade e análise de necessidades: reflexões sobre a prática do psicólogo. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(1), 0.

Deleuze, G. (1990). ¿Que és un dispositivo? Em E. Balbier; G. Deleuze & H. I. Dreyfus, Michel Foucault, filósofo (pp. 155-161). Barcelona: Gedisa.

Deleuze, G. &Guattari, F. (2010). O que é filosofia?São Paulo: Editora 34.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes.

Rancière, J. (1996). O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34.

Rancière, J.(2010). Lasparadojasdel arte político. Em J.Rancière, El espectador emancipado (pp. 53-85). Vilaboa: EllagoEdiciones.

Zanella, A.V. (2003). Reflexões sobre a atuação do(a) psicólogo(a) em contextos de escolarização formal. Psicologia Ciência e Profissão, 23(3), 68-75.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.91373

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X