Versões de usuários sobre a internação psiquiátrica involuntária

Nayane Keilla Messias, Mário Henrique da Mata Martins, Cássia Bezerra de Castro

Resumo


O estudo analisa versões de usuários de serviços de saúde mental sobre a internação psiquiátrica involuntária. Para alcançar esse objetivo, faz uma revisão crítica da literatura em base de dados especializada, observação do cotidiano de instituições de atendimento a pessoas com transtorno mental que passaram ou se encontram em situação de internação psiquiátrica involuntária e entrevistas semiestruturadas com essas pessoas. A análise se pauta no princípio genealógico e no conceito de versões. Os resultados mostram que os estudos em saúde mental tem privilegiado o discurso de autores e profissionais da rede de saúde sobre o assunto em detrimento dos usuários. Nas entrevistas que realizamos, os usuários denunciam práticas manicomiais geradoras de exclusão e violação de direitos, seja nos serviços psiquiátrico-hospitalares ou nos de atenção psicossocial. Conclui-se pela necessidade de retomar o discurso dos usuários nos estudos científicos e no cotidiano dos serviços para orientar práticas em saúde mental.


Palavras-chave


Internação Psiquiátrica Involuntária; Saúde Mental; Usuários; Versões

Texto completo:

XML PDF

Referências


Amarante P. (Org). (1995). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Assad, F. B., & Pedrão, L. J. (2011). O significado de ser portador de transtorno mental: contribuições do teatro espontâneo do cotidiano. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 7(2), 92-97. Recuperado em 08 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180669762011000200007&lng=pt&tlng=pt.

Bireme/Opas/Oms. Biblioteca virtual em saúde. Recuperado em 08 de julho de 2018 de http://brasil.bvs.br/

Brasil. Lei 10.216, de 6 de abril de 2001: Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: Planalto, 2011. Recuperado em 08 de julho de 2018 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

Delacampagne, C. (2004). A contestação antipsiquiátrica. Mental, 2(2), 27-34. Recuperado em 08 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272004000100003&lng=pt&tlng=pt.

Feitosa, K. M. A., Silva, T., Silveira, M. F. A., & Junior, H. P. O.S. (2012). (Re)construção das práticas em saúde mental: compreensão dos profissionais sobre o processo de desinstitucionalização. Psicologia: teoria e prática, 14(1), 40-54. Recuperado em 08 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872012000100004&lng=pt&tlng=pt.

Ferreira, A. A. A., Sena, G. S., Galvão, M. V. M., Felix, R. H. M., Mendonça, R. M., Guerra, G. C. B., & Rodrigues, F. C. (2007). Tendência temporal da esquizofrenia: um estudo realizado no âmbito hospitalar. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 56(3), 157-161. https://dx.doi.org/10.1590/S0047-20852007000300001

Foucault, M. (1987 e 2010). História da loucura: na idade clássica. [Tradução José Teixeira Coelho Neto]. 9ª ed. São Paulo: PERSPECTIVA.

Foucault, M. (1979 e 2007). Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: EDIÇÕES GRAAL.

Foucault, M. (1984). Vigiar e punir: nascimento da prisão. 3ª Edição. Petrópolis: VOZES.

Gomes, M. S., & Mello, R. (2012). Sobrecarga gerada pelo convívio com o portador de esquizofrenia: enfermagem construindo o cuidado à família. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 8(1), 2-8. Recuperado em 08 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762012000100002&lng=pt&tlng=pt.

Hook, D., Hüning S.M. (2009). Genealogia, contra-saberes e psicologia. Em: Guareschi NMF, Hüning SM. (Orgs.) Foucault e a Psicologia (2a ed.). (pp. 81-102). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

Kilsztajn, S., Lopes, E. S., Lima, L. Z., Rocha, P. A. F., & Carmo, M. S. N. (2008). Leitos hospitalares e reforma psiquiátrica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24(10), 2354-2362. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001000016

Mello, R., & Schneider, J. F. (2011). A família e a internação psiquiátrica em hospital geral. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(2), 226-233. https://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000200003

Mol, A. (2007). Política ontológica. Algumas ideias e várias perguntas. In: Nunes, João; Roque, Ricardo (Org.). Objectos impuros: experiências em estudos sociais da ciência (pp.63-75). Porto: Afrontamento.

Moreira, L. H. O., & Loyola, C. M. D. (2011). Involuntary commitment: implication for psychiatric nursing practice. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(3), 692-699. https://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000300021

Padovani, R. C., & Williams, L. C. A. (2008). Histórico de violência intrafamiliar em pacientes psiquiátricos. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(3), 520-535. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000300007

Parente, C.J.S, Mendes, L.P.F., Souza, C.N.S, Silva, D.K.M., Silva, J.C., Parente, A.C.B., Parente, A.C.M. (2007). O fenômeno de revolvingdoor em hospitais psiquiátricos de uma capital do nordeste brasileiro. REME – Rev. Min. Enf, 11(4), 381-386.

Pinheiro, G. (2012). O devido processo legal de internação psiquiátrica involuntária na ordem jurídica constitucional brasileira. Revista de Direito Sanitário, 12(3), 125-138. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v12i3p125-138

Pinheiro, O.G. (2013). Entrevista: uma prática discursiva In: Spink MJ (org.) Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas (p.183-214). Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Prandoni, R. F. S., & Padilha, M. I. C. S. (2004). A reforma psiquiátrica no Brasil: eu preciso destas palavras. Texto & Contexto - Enfermagem, 13(4), 633 640. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072004000400017

Spink, M.J. (Org.). (2013). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: Aproximações teóricas e metodológicas. Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Yin, R.K. (2001). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Trad. Daniel G. 2. ed. Porto Alegre: BOOKMAN.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.84713

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X