O Comitê Cidadão e o trajeto participativo da pesquisa GAM

Thais Mikie de Carvalho Otanari, Maria Lourdes Rodriguez del Barrio

Resumo


O artigo aborda duas questões centrais no desenvolvimento contemporâneo da pesquisa em Saúde Mental: a inclusão dos saberes comunitários, ou da experiência, e a participação direta das pessoas na construção dos conhecimentos. Para isso, analisa a experiência de participação cidadã no projeto que traduziu e adaptou um instrumento que prevê um lugar central aos usuários na tomada de decisões do tratamento farmacológico em psiquiatria, o guia GAM (Gestão Autônoma da Medicação). Mais especificamente, procura-se compreender se a metodologia participativa permite transformar as relações de saber-poder e quais são suas implicações. Nossa conclusão é que, através de uma metodologia científica que inclui e valoriza os sujeitos em suas diferenças, a participação pôde tensionar posições hierárquicas pré-estabelecidas, favorecendo um contexto em que os cidadãos, mais empoderados e autônomos, ampliam a capacidade de atuação nas práticas da rede de pesquisa, contribuindo para a desconstrução de condições sócio-históricas de exclusão.


Palavras-chave


pesquisa participativa; saúde mental; participação cidadã; gestão autônoma da medicação (GAM)

Texto completo:

PDF

Referências


Aliança Internacional de Pesquisas Universidade-Comunidade – Saúde Mental e Cidadania (ARUCI-SMC). (2012). Relatório parcial entregue ao Conselho de Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais/Social Sciences and Humanities Research Council (SSHRC-CRSH).

Alvarez, J., & Passos, E. (2009). Cartografar é habitar um território existencial. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

Campos, R.T.O., Palombini, A. de L., Silva, A. do E., Passos, E., Leal, E.M., Serpa Júnior, O.D. de, Marques, C. de C., Gonçalves, L.L.M., Santos, D.V.D. dos, Surjus, L.T. de L., Arantes, R.L., Emerich, B., de Carvalho Otanari, T.M., Stefanello, S. (2012). Adaptação multicêntrica do guia para a gestão autônoma da medicação. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 16, 967–980.

de Carvalho Otanari, T. M., Leal, E. M., Campos, R. T. O., de Lima Palombini, A., & Pereira, E. H. P. (2011). Os efeitos na formação de residentes de psiquiatria ao experimentarem grupos GAM. Revista Brasileira de Educação Médica, 35(4), 460–467. https://doi.org/10.1590/s0100-55022011000400004

Dimov, T. (2016). Participação de usuários da saúde mental em pesquisa: a trajetória de uma associação de usuários (Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-16092016-113405/en.php

Emerich, B. F., Campos, R. O., & Passos, E. (2014). Direitos na loucura: o que dizem usuários e gestores dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 18, 685–696.

Flores, A.A., Muhammad, A., Conceição, A., Nogueira, A., Palombini, A., Marques, C., Passos, E., Santos, E., Medeiros, F., Souza, G., Melo, J., Andrade, J.C. dos S., Didrich, L.F., Gonçalves, L.L.M., Surjus, L.T. de L., Lira, L.M., Xavier, M.A.Z., Nascimento, M.R., Silveira, M., Nascimento, N.S. do, Ost, P.R., Oliveira, R.F., Nascimento, R. do, Presotto, R.F., Hoff, S.M.S., Onocko-Campos, R., de Carvalho Otanari, T.M. (2015). A experiência de produção de saber no encontro entre pesquisadores e usuários de serviços públicos de saúde mental: a construção do Guia Gam brasileiro. Cad Humaniza SUS, 5, 257–76.

Gonçalves, L. L. M. (2013). A Gestão Autônoma da Medicação numa experiência com usuários militantes da saúde mental (Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas). Recuperado de http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/311873

Gonçalves, L. L. M., & Campos, R. T. O. (2017). Narrativas de usuários de saúde mental em uma experiência de gestão autônoma de medicação. Cadernos de Saúde Pública, 33. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017001105002&nrm=iso

Kastrup, V., & Passos, E. (2013). Cartografar é traçar um plano comum. Fractal: Revista de Psicologia, 25(2), 263–280.

Latour, B. (1996). On actor-network theory: A few clarifications. Soziale welt, 369–381.

Latour, B. (1999). On recalling ANT. The Sociological Review, 47(1_suppl), 15–25.

Latour, B. (2004). A dialog on ANT.

Latour, B. (2007). Reassembling the social: An introduction to actor-network-theory (Clarendon Lectures in Management Studies).

Marques, C. de C. (2012). Entre nós: sobre mudar de lugar e produzir diferenças (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/70045

Marques, C. de C., Palombini, A., Passos, E., & Campos, R. T. O. (2013). Sobre mudar de lugar e produzir diferenças–A voz dos usuários de serviços públicos de saúde mental. Mnemosine, 9(1).

Moltu, C., Stefansen, J., Svisdahl, M., & Veseth, M. (2013). How to enhance the quality of mental health research: service users’ experiences of their potential contributions through collaborative methods. American Journal of Psychiatric Rehabilitation, 16(1), 1–21.

Onocko-Campos, R.T., Passos, E., Palombini, A. de L., Santos, D.V.D. dos, Stefanello, S., Gonçalves, L.L.M., Andrade, P.M. de, Borges, L.R. (2013). A Gestão Autônoma da Medicação: uma intervenção analisadora de serviços em saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, 18, 2889–2898.

Palombini, A. de L., Onocko-Campos, R. T., Silveira, M., Gonçalves, L. L. M., Zanchet, L., Xavier, M. A. Z., & Marques, C. de C. (2013). Relações entre pesquisa e clínica em estudos em cogestão com usuários de saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, 18, 2899–2908.

Passos, E., de Lima Palombini, A., Campos, R.O., Rodrigues, S.E., Melo, J., Maggi, P.M., de Castro, C., Zanchet, L., da Rocha Cervo, M., Emerich, B. (2013a). Autonomia e cogestão na prática em saúde mental: o dispositivo da gestão autônoma da medicação (GAM). Aletheia, (41).

Passos, E., de Carvalho Otanari, T. M. de C., Emerich, B. F., & Guerini, L. (2013c). O Comitê Cidadão como estratégia cogestiva em uma pesquisa participativa no campo da saúde mental. Ciência & saúde coletiva, 18, 2919–2928.

Passos, E., de Lima Palombini, A., & Campos, R. O. (2013c). Estratégia cogestiva na pesquisa e na clínica em saúde mental. ECOS-Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 3(1), 4–17.

Passos, E., & Eirado, A. do. (2009). Cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade.

Prado Filho, K., & Teti, M. M. (2013). A cartografia como método para as ciências humanas e sociais. Barbarói, (38), 45–59.

Presotto, R. F. (2013). Participação de Usuários de Serviços de Saúde Mental em Pesquisas: Um olhar a partir dos conceitos de Empowerment e Recovery (Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas). Recuperado de http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/311879

Presotto, R. F., Silveira, M., Delgado, P. G. G., & Vasconcelos, E. M. (2013). Experiências brasileiras sobre participação de usuários e familiares na pesquisa em saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, 18, 2837–2845.

Rodriguez, L., Bourgois, L., & Landry, Y. (2006). Repenser la qualité des services en santé mentale dans la communauté: Changer de perspective (Vol. 19). PUQ.

Rodriguez del Barrio, L., & Poirel, M.-L. (2007). Émergence d’espaces de parole et d’action autour de l’utilisation de psychotropes : la Gestion autonome des médicaments de l’âme. Nouvelles pratiques sociales, 19(2), 111–127. (Érudit: www.erudit.org).

Rodriguez DelBarrio, L. R. del, Campos, R. O., Stefanello, S., Santos, D. V. D. dos, Cyr, C., Benisty, L., & de Carvalho Otanari, T. de C. (2014). Human rights and the use of psychiatric medication. Journal of Public Mental Health, 13(4), 179–188. https://doi.org/10.1108/JPMH-06-2013-0039

Romagnoli, R. C. (2009). A cartografia e a relação pesquisa e vida. Psicologia & Sociedade, 21(2), 166–173.

Russo, J. (2012). Survivor-controlled research: A new foundation for thinking about psychiatry and mental health. Forum Qualitative Sozialforschung/Forum: Qualitative Social Research, 13.

Santos, Boaventura de Sousa. (2011). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência, v. 1. para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradgmática. Cortez.

Santos, Boaventura de Sousa. (2013). Pela mão de Alice-o social e o político na pós-modernidade. Leya.

Silveira, M. (2013). Vozes no corpo, territórios na mão: loucura corpo e escrita no PesquisarCOM (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/77926

Zambillo, M. (2015). Autonomias errantes: entre modos de ser auto-impostos e possibilidades de invenção de si (Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/134693




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.104150

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X